Administrando os elogios e as críticas pessoais Barbacena, Minas Gerais

Elogio e bom e quase todo mundo gosta, mas a critica...No mundo corporativo comum observarmos situacoes onde as relacoes sao baseadas na critica e punicoes. Analise o que o autor fala sobre elogios e criticas neste artigo.

ATR Interseg Consultoria Técnica Treinamento em Segurança Ocupacional Representação e Serviços Ltda
(31) 3395-4283
r Jequitibás, 267, An 1 Sl 102, Eldorado
Contagem, Minas Gerais

Dados Divulgados por
M.prado Consultoria Empresarial Ltda
(34) 3214-8484
r Nicomedes Alves dos Santos, 1133, Altamira
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Adplan- Servicos, Consultoria e Gestao Administrativa Ltda
(34) 3219-0505
av João Naves de Ávila, 1331, Lj 800, Sta Maria
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Tr Consultoria Empresarial Ltda-me
(34) 3228-3355
r Nicomedes Alves dos Santos, 1133, Altamira
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Amabile Madalena Rosignoli
(31) 3261-4143
av Brasil, 1831 sl 412, Funcionários
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
AÇÃO Consultoria de Mercado
(35) 9802-5872
www.acaoconsultores.com.br
Varginha, Minas Gerais
 
Elo Contabilidade e Assessoria Ltda
(31) 3351-0933
av José Faria da Rocha, 1876, Lj 6, Eldorado
Contagem, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Mauricio de Castro Silva Consultoria, Assessoria e Servicos Administrativos Ltda
(31) 3398-8315
r Francisco Cipriano, 14, Alvorada
Contagem, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Eude Consultoria e Assessoria Comercial Ltda
(31) 3398-1500
r Randolfo Rocha, 615, Alvorada
Contagem, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Ápis Consultoria
(34) 9117-9553
Dr. Jaime Ribeiro da Luz,971 CDN - sala 15
Uberlândia, Minas Gerais
 
Dados Divulgados por

Administrando os elogios e as críticas pessoais

Elogio é bom e quase todo mundo gosta, mas a crítica...

No mundo corporativo é comum observarmos situações onde as relações são baseadas na crítica e punição.

Estudos do comportamento humano atestam que desde crianças nossos pais e os adultos com quem convivemos tem papel fundamental para o sucesso de nossas carreiras e ações pessoais. A quantidade de críticas e elogios que recebemos podem ser cruciais para o nosso futuro.

Pesquisas da Psicologia revelam que pessoas que foram expostas a ambientes de muita crítica e punição tendem a desenvolver um padrão de comportamento de omissão e submissão. Aceitam tudo e sentem-se constantemente culpadas. Sua produtividade geralmente é aquém das novas exigências do mercado. Quando é cobrado por algum resultado se esquiva, dá desculpas ou chora. Outro padrão de comportamento que pode ser gerado neste mesmo ambiente é totalmente contrário. A pessoa age de forma agressiva, defensiva e desafiadora. Quando é pressionada tende a agir compulsivamente.

Já aqueles que foram demasiadamente elogiados apresentam características de arrogância e prepotência. Acreditam que o mundo estará sempre aos seus pés. Tratam os outros como súditos. Desprezam as hierarquias e querem o poder a todo custo. Apresentam dificuldades para compreender a dimensão ética das relações.

O equilíbrio entre crítica e elogio na vida pessoal e no mundo corporativo é fundamental para a geração de um bom ambiente familiar e profissional. Algumas empresas estimulam seus funcionários a sessões de feedback programado. Outras estruturam diversos tipos de avaliações, como: competência, performance, desempenho, participativa por objetivos etc. Assim, tem mais chances de apontar claramente os caminhos, cobrar resultados ecriar um clima organizacional favorável para as mudanças. Em meio a tudo isso, é fundamental o treinamento e desenvolvimento das lideranças. Ao líder cabe o papel principal de estabelecer critérios e aplicar as críticas e elogios. Com isso, garantir o equilíbrio no clima organizacional e o aumento da produtividade.

A crítica, na sua essência, significa exame, apreciação que se faz de uma obra. Portanto, quando fazemos uma crítica ela deverá ser sobre o conjunto da obra, uma idéia, ações tomadas, fatos e não sobre uma pessoa. O que ocorre muitas vezes no cotidiano profissional e na vida social é exatamente o contrário. Por isso, a maioria das pessoas tem dificuldade em aceitar uma crítica, pois se sentem ameaçadas, punidas, menosprezadas e até mesmo humilhadas.

Isso me faz lembrar da história vivida pelo Pedro, ou como os mais chegados o chamavam: Pedrão. Sujeito simpático, falante, sempre com um sorriso no rosto, demonstrando sempre estar de bem com a vida. Sua característica principal era a franqueza. Sempre falava o que pensava. Certa vez Pedrão foi convocado para participar de um projeto onde não tinha muita experiência. Como seu chefe insistiu e disse que daria todo apoio, Pedrão aceitou, afinal poderia ser mais uma oportunidade de mostrar suas qualidades. O projeto começou e nosso bravo personagem começou a perceber que tudo aquilo não tinha nada a ver com sua área de atuação e, por isso, precisaria de mais tempo para estudar, aprender e poder colaborar no projeto. Certamente que este tempo não foi lhe dado, afinal o prazo para a entrega do projeto era muito curto e precisava de todo o esforço dos envolvidos. O fato é que Pedrão não se saiu muito bem. Perdeu dias debruçado em materiais, livros, apostilas e relatórios para tentar entender o projeto. Passava horas a mais na empresa para dar conta do seu serviço e se inteirar do plano. Tudo em vão. O resultado foi uma gastrite que passou a conviver com ele diariamente e a briga homérica que teve com o responsável pelo projeto. A gastrite não vem ao caso detalhar, mas sobre a discussão...

Tudo começou quando Pedrão resolveu apontar algumas falhas na condução do projeto. Na verdade, o responsável pelo projeto realmente cometeu alguns erros no planejamento e isso gerou certo atraso, mas não foi o fator principal. Houve um misto de incompetência da equipe, falta de experiência dos participantes, prazo muito curto, falta de apoio da diretoria e outros detalhes menores. No fim sobrou para o Pedrão.

Certo dia, no meio de uma das muitas reuniões de planejamento - munido de boa intenção - tascou a famosa “crítica construtiva”. Disse que o projeto continha falhas graves e que achava não ser possível completar no prazo estipulado. Apontou também a falta de habilidade do coordenador em liderar a equipe. Sua forma direta e repleta de “achismos” chocou a todos. Nesta reunião, além do coordenador do projeto, estavam mais seis pessoas de diversas áreas que completavam a equipe. O resultado foi catastrófico! O responsável sentiu-se ofendido e esbravejou: como alguém que não tem experiência no assunto pode falar algo desse jeito, ainda mais na frente de todo mundo?

Bem, a conclusão desta história é que crítica construtiva é balela. Ela só será construtiva se o outro assim entender. Se ele perceber sua utilidade. Quando uma crítica é apontada, por melhor que seja a intenção, somente o outro poderá julgar sua aplicação. Em resumo crítica é crítica, ou seja, é apreciação desfavorável, é apontar falhas, é censura. A forma como é feita pode mudar muita coisa, até sua aceitação.

Sendo assim, antes de fazer uma crítica é fundamental perceber se o momento é adequado, escolher o local apropriado e analisar os resultados que esta ação poderá gerar. Mesmo sendo a mais pura verdade, nem todos entenderão assim. Quando tiver de fazer uma crítica vá direto ao ponto e apresente fatos. Pois como diz a sabedoria popular, contra fatos não há argumentos.

Voltando ao início deste artigo: criticar é fácil, já elogiar... Lembre-se que em termos de crítica e elogio vale a seguinte regra: critique em particular, só para as pessoas envolvidas; e elogie publicamente, pois todos sentirão orgulho de pertencer a uma organização onde as pessoas são reconhecidas e valorizadas pelo seu caráter e competência.

Rogerio Martins

Psicólogo, Palestrante, Consultor de Empresas e Escritor. Autor do livro "Reflexões do Mundo Corporativo", ed. Scortecci.

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com