Analisando os direitos dos acionistas minoritários Parnaíba, Piauí

Estude sobre a lei brasileira das sociedades por ações. Maria Bernadete Miranda destaca as principais regras sobre o acionista controlador. “Ocorre abuso de poder quando o acionista majoritário faz com que a sociedade por ele controlada não distribua regularmente dividendos”, ela destaca.

Gobernate Marcas e Patentes
(113) 256-7288
r Gravatai, 23, An 6 Cj 63, Vl Buarque
São Paulo, São Paulo
 
Topmark Registro de Marcas e Patentes
(51) 595-2264
av 1 de Marco, 219, sl 308
Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul
 
Marco Antônio Rocha Machado
(116) 258-3067
av Guacá, 1269, Sl 9, Mandaqui
São Paulo, São Paulo
 
Alcantara & Catapani Marcas e Patentes S/C Ltda
(115) 594-8488
av Ipiranga, 890, an 11 , República
São Paulo, São Paulo
 
Giovanni Costantino
(41) 224-9453
al Augusto Stellfeld, 255, cj 3, Centro
Curitiba, Paraná
 
Escrit Advogacia Acacio Mitre
(873) 871-1687
r Doutor Erick Alves, 368, sl 3
Salgueiro, Pernambuco
 
Icamp
(193) 232-7899
R Gal Osório, 1212, An 3, Centro
Campinas, São Paulo
 
Carlos Rudiar das Neves Garcia & Cia
(116) 161-5483
R Janguruçú, 101, Parque da Móoca
São Paulo, São Paulo
 
GM Gesso Manoel
(114) 618-0764
r Bernardo do Campo,S, 64, A, PRQ Sta Tereza
Jandira, São Paulo
 
Lustres Schelmi Ltda
(116) 451-5177
r Jesuíno Rabello, 31, VL Renato
Guarulhos, São Paulo
 

Analisando os direitos dos acionistas minoritários

O ACIONISTA CONTROLADOR E OS DIREITOS DOS
ACIONISTAS MINORITÁRIOS


Maria Bernadete Miranda



RESUMO


Objeto destas reflexões é o estudo do acionista controlador e os direitos
dos acionistas minoritários, pois o controlador não é o senhor absoluto da
sociedade. Ele deve usar o poder com o fim de fazer a companhia realizar o seu
objeto e, portanto, tem deveres e responsabilidades para com os demais
acionistas da empresa, cujos direitos e interesses deve lealmente respeitar.



1. O ACIONISTA CONTROLADOR
A lei anterior não tinha regras sobre o acionista controlador, pois o antigo
diploma fundava-se em critério diverso, onde tínhamos a existência do acionista
majoritário. E para o mesmo não criava responsabilidades específicas, que eram
previstas somente para os administradores.
A atual lei brasileira das sociedades por ações, ultrapassando as mais
avançadas legislações sobre esse tipo societário, não apenas definiu e
caracterizou o acionista controlador como destacou, exemplificativamente, atos
por ele praticados que constituem modalidades de abuso de poder, estatuindo
que o mesmo “responde pelos danos causados”.
1 Mestre em Direito Comercial, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Advogada -
Professora de Direito Comercial e Direito Civil na Universidade de Santo Amaro, Professora de
Direito Comercial no Centro Universitário UNIFIEO e Universidade Bandeirante de São Paulo .



2
A lei atual procurou corrigir essa lacuna, existente também em outros
direitos, não só caracterizando o acionista controlador como lhe impondo
responsabilidades. Baseou-se o legislador no fato de que “é de todos sabido que
as pessoas jurídicas têm o comportamento e a idoneidade de quem as controla,
mas nem sempre o exercício desse poder é responsável, ou atingível pela lei,
porque se oculta atrás do véu dos procuradores ou dos terceiros eleitos para
administrar a sociedade”. Reconheceu o legislador, desse modo, que o “exercício
do poder de controle só é legítimo para fazer a companhia realizar o seu objeto e
cumprir sua função social, e enquanto respeita e atende lealmente aos direitos e
interesses de todos aqueles vinculados à empresa, ou seja, os que nela
trabalham, Os Acionistas Minoritários, os investidores do mercado e os membros
da comunidade em que atua”...


Clique aqui para ler este artigo em Direito Brasil