Analise a importância do equilíbrio emocional Brasília, DF

“A tendência do descontrole emocional é a de encurtar os anos de vida, com sérias implicações no procedimento ético”, alerta o economista Antônio Lopes de Sá. Ele usa exemplos históricos de reações emotivas que causaram consequências negativas. Compreenda porque a análise racional evita grandes perdas pessoais e profissionais.

Biotipo Psicologia
(61) 3242-2314
SEPS 709/909, s/n bl F s 3, Asa Sul
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Arte Terapia Clínicas Exames-Detran-Telefax
(61) 3340-1472
Cln 215 Bl B, s/n s 210, Asa Norte
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Alencastro, Lúcia H D
(61) 3321-4580
Crs 503 Bl A, s/n en 49 an 2, Asa Sul
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Agitilá Instituto de Psicologia
(61) 8134-8277
Clsw 105 Bl C, s/n Sala 150, Setor Sudoeste
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Andre Luiz Braga Queiroz
(61) 3041-0252
Lg Shin Ca1 - Bloco a - Sala 129
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Almeida, Rita C T H
(61) 3326-1858
Scn Q 2 Bl D, s/n s 509, Asa Norte
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Ângela Lins Clínica Humanos Psicologia
(61) 3245-8214
SGAS 915, s/n lt 71 bl C s 104, Asa Sul
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Actual Clínica Médica e Psicologia
(61) 3223-2219
Scs Q 6 Bl A, s 514, Asa Sul
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Capse - Clínica Psico-Sócio-Educacional
(61) 3435-0763
av Jequitiba, Lt 685 S 140, Águas Claras
Brasília, DF

Dados Divulgados por
André Luiz Braga Queiroz -psicólogo
(61) 3041-0252
av Shin Ca1, Bloco A, Sala, 129
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Analise a importância do equilíbrio emocional

Antônio Lopes de Sá



Emocionar exige controle.
A serenidade que precisamos no exercício da vida não permite excessos.
Pessoas demasiadamente emotivas tendem a: encolerizar-se facilmente, caírem em profundo entristecimento, euforia demasiada, apavoramento, em suma em estados mentais negativos.
A existência requer a observação serena dos acontecimentos, análise racional, motivando atitudes que não prejudicam a quem as pratica e nem cause danos a terceiros.


Tal preceito ético encontra pleno apoio nas neurociências.
O estado emocional faz desencadear processos que afetam o organismo, com implicações cerebrais.


O nosso “sistema neural” se movimenta com as emoções; mensagens desse alcançam partes de nosso corpo; tais comunicações agitam a circulação sanguínea em forma molecular atingindo os tecidos orgânicos; através de nossos neurônios todo um processo eletroquímico se verifica.
Movimentam-se energias que desenvolvem reações químicas endógenas, afetando o comportamento cerebral.


Um fato muito esperado que aconteça, algo demasiadamente desejado que se tenha conseguido, algumas coisas que não desejaríamos que acontecessem, tudo isso é “indutor de emoção”.
Desejos e medos fortemente alimentados sem equilíbrio de emoções são fatores negativos sobre os quais há cerca de 2.500 anos Buda já pregava devessem ser excluídos de nossos pensamentos e comportamentos; na época desse grande pensador oriental as neurociências não tinham ainda sido estruturadas, mas, a sabedoria de certos seres parece ter dimanado de influências extraracionais, clamando pela eliminação dos “desejos”.


Quando os anseios provocam envolvimento do organismo de maneira descontrolada as imagens mentais ativam regiões neurais como os córtices ventromedianos prefrontais, amígdalas e o tronco cerebral; no ato ocorre, então o desencadear de certo número de sinais em direção a regiões cerebrais (núcleos de monoamina, córtices somatosensoriais, córtices cingulados etc.) e ao corpo (vísceras, glândulas endócrinas etc.).
Um complexo se desenvolve com a participação dos neurônios (células nervosas) e sinapse (ponto onde neurônios se ligam, transmitindo sinais ao longo de vias apropriadas) movimentando os níveis superiores do sistema nervoso (tronco cerebral, tálamo, córtex cerebral).


Reações químicas, físicas, biológicas, pois, estão envolvidas no processo emocional.
A falta de equilíbrio, a inexistência de controle das emoções são fatores que conduzem a resultados desastrosos.


A tendência do descontrole emocional é, ainda, a de encurtar os anos de vida, com sérias implicações no procedimento ético.
Alexandre Magno (356 - 323 antes de Cristo) foi um temperamental segundo a descrição de seu biógrafo Plutarco (46 - 126 depois de Cristo); viveu pouco mais de trinta anos; embora teses contraditórias existam sobre os motivos do falecimento desse grande conquistador, seja como for, foi o estado emocional do mesmo que o levou a encurtar a vida; tão descontrolado era que chegou a matar um grande amigo apenas porque esse o contrariara em um ponto de vista, em um diálogo exaltado; Alexandre tinha momentos de extrema generosidade (presenteava fartamente) e de extrema cólera. Consta que suas últimas palavras ainda foram as de evocações emocionais ao prever a disputa do grande império conquistado.


Napoleão Bonaparte (1759 - 1821) foi outro impulsivo; o descontrole custou-lhe grave derrota na vida em Waterloo (1815), como já sucedera na campanha desastrosa da Rússia (1812) na qual milhares de vida se perderam; muito tempo não viveu o mencionado personagem e embora controvérsia exista sobre a morte do mesmo em Santa Helena, fato é que a mesma defluiu em razão de precedência de desequilíbrio emocional.
Tantos são os efeitos daninhos do descontrole sobre a emoção que se podem encontrar nas páginas da História que bastaria a experiência do passado para comprovar, mesmo sem a evolução científica, que só a serenidade convém ao desempenho ético.

Clique aqui para ler este artigo em Professor Antônio Lopes de Sá