Aprenda sobre as causas do consumismo Rio Branco, Acre

O consumismo é um subterfúgio para mascarar medos, pânicos, tristezas e outros sentimentos. O psicólogo Sylvio Rocha avalia a relação das compras com o estado emocional dos consumidores. "O problema está ligado a permissão do sentir, procura-se saídas mágicas e desculpas para não encarar a dor", ele destaca.

Imobiliaria El Elyon Ltda
(68) 3226-1900
etr Dias Martins, 259, Estação Experimental
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Amazon Empreendimentos Imobiliarios
(68) 3026-2792
r Quintino Bocaiúva, 238, Cs, Bsq
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
I C Maciel
(68) 3224-2307
r João Donato, 93, Ipase
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Alves Informatica Ltda
(68) 3026-5074
r Bosco,Dom, 290, Tr Ed Lilian Deise, Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Wolstein & Wolstein Ltda
(68) 3223-3303
cj Xavier Maia, s/n, Qd 23 Lt 7, Vl Ivonete
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Cardoso & Rodrigues Ltda
(68) 3227-6200
av Nações Unidas, 1538, Sl B, Abrahão Alab
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Agencia Reguladora dos Servicos Publicos do Estado do Acre
(68) 3211-1800
r Valério Magalhães, 172, Prd, Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
A C B Diogenes Me
(68) 3224-3887
r Rui Barbosa, 112, Sl 2, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Ipe Construtora Moura Leite Imp. e Exp. Ltda
(68) 3026-2737
av Nações Unidas, 840, Fds, Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Data Control Instituto de Pesquisa Ltda
(68) 3223-9063
tr Antimary, 273, Aviário
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Aprenda sobre as causas do consumismo

Viver em Dívida como parte integrante da personalidade, parece ser uma nova tendência na vida moderna, o desejo da resolução dos problemas com imediatismo fixam essa nova faceta do ser moderno.

 

Nota-se com facilidade essa tendência vinda dos endividamentos importados do estilo americano (EUA), com o uso de cartões de crédito, hipotecas e outras formas de endividamentos, faz parte dessa cultura atual do ter no lugar do ser, isso determinou formas de existir que expande o capitalismo, onde o lucro é a meta a ser alcançada em contrapartida à existência. Não há preocupação com o indivíduo, ele existe enquanto consumidor e com poder de compra. O consumo assume o lugar do sentimento, precisamos consumir para nos sentir pessoas.

 

Consumir passou a ser o objeto que substitui a falta, que não é de um produto como as propagandas nos fazem crer.

 

>Compramos produtos de beleza, marca, grife, itens caros, utilizando cartões acima da posse e quando surgem promoções reais e descontos em liquidações, não sabemos discernir aquilo que realmente precisamos.

 

Observo no dia-a-dia e no consultório relatos de pessoas endividadas pedindo ajuda com cartão alheio, dinheiro emprestado, situações críticas, que não tem relação direta com o valor ganho pelo sujeito.

 

Esses dias um paciente contou e escrevo com sua autorização: ele foi à outra cidade para ajudar a irmã que estava em mudança para uma nova casa, sentia-se só e não sabia a quem recorrer. Ele prestativo e solicíto (talvez aí esteja sua questão)- foi ajudá-la, comprou todos os objetos necessários para a nova casa como geladeira, fogão. Arrumou e instalou chuveiro, aquecedor, filtro, etc.e utilizou seu cartão para os pagamentos.Na hora do almoço no intervalo do trabalho, a escolha do restaurante ficou por conta dela, que buscou um local luxuoso e com requinte, almoçaram e ao chegarem em casa, ela pareceu distante, ficou triste, já sem perspectiva e começou a chorar, falou sobre suas dificuldades financeiras. No relato trazido o paciente, percebeu que seu cartão de crédito na verdade tornara-se extensão do cartão da irmã.

 

Essa história só tem importância quando podemos entender o cerne da questão, não está na compra ou no uso de cartão, liga-se ao valor intrínseco atribuído, sua compulsão, esconde algo e isso se liga a sua forma de agir.Sem olhar-se, não por demérito, mas pela dificuldade e medo da dor.

 

O problema está ligada a permissão do sentir, procura-se saídas mágicas e desculpas para não encarar a dor e os sintomas(medos, pânicos, tristezas, dúvidas)que continuam atuando na vida cotidiana.

 

 Essas dores reafirmam que seu valor está no poder de compra, fugindo assim do sentir.Facetas de uma busca pelo imediato, fuga da realidade e da possibilidade de mudança.O valor de cada ser humano e seu lugar na sociedade. 

 

Sylvio Rocha

Sylvio Rocha é Psicólogo formado pela PUC-SP, Analista Reichiano, Pesquisador sobre Simbolismo Corporal, Criador da Técnica Integrativa de Relaxamento(TIR),Supervisor Clínico e Consultor Corporativo.

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com