Benefícios do coaching empresarial Barbacena, Minas Gerais

O coaching executivo ou de liderança se propõe exatamente a auxiliar pessoas a tomar posse deste potencial pré-existente e desenvolver ou complementar habilidades para corrigir certas dificuldades ou caminhar para novos desafios. Também creio que alguém está funcional quando se direciona, da maneira mais leve e veloz possível, para o sucesso pretendido. Leia mais no artigo abaixo.

Bigcard Administradora de Convênios e Serviços
(32) 3215-0021
av Br do Rio Branco, 2679 s 204 Centro
Juiz de Fora, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Atual Empréstimos
(32) 3211-0508
r S Sebastião, 554 lj 44 Centro
Juiz de Fora, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Casa do Militar
(32) 3215-3382
av Br Rio Branco, 2001 Sl 1707 Centro
Juiz de Fora, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Banco Cacique
(32) 3212-0128
r Batista Oliveira, 470 sl 603 Centro
Juiz de Fora, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Banco ABN Amro Real S/A
(80) 0770-2001
av Cristiano Machado, 1700, Lj 6, Cid Nova
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Banco Pottencial S/A
(80) 0704-4545
av Álvares Cabral, 1740, An 11, Lourdes
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Fininvest Negócios de Varejo Ltda
(31) 3079-2050
av João César de Oliveira, 2956, Eldorado
Contagem, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Associacao dos Gerentes da Caixa Economica Federal do Triangulo Mineiro(agecef/tm
(34) 3235-9347
pça Oswaldo Cruz, 390, Centro
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Banco ABN Amro Real S/A
(80) 0770-2001
av Afonso Pena, 2497, Aparecida
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Unibanco - União de Bancos Brasileiros S/A
(34) 3214-4999
av Afonso Pena, 492, Centro
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Benefícios do coaching empresarial

Num dia destes, eu ouvia uma palestra de Luis Gasparetto, falando sobre a natureza e a funcionalidade. Ele defendia que o ser vivo precisa usar as suas habilidades para sobreviver e que nós, seres humanos, já nascemos com todo o potencial de que precisamos para a auto-realização; que só precisamos tomar posse disto, ou seja, usar e desenvolver as habilidades necessárias para sermos funcionais. Lembrei-me então que o coaching executivo ou de liderança se propõe exatamente a auxiliar pessoas a tomar posse deste potencial pré-existente e desenvolver ou complementar habilidades para corrigir certas dificuldades ou caminhar para novos desafios. Também creio que alguém está funcional quando se direciona, da maneira mais leve e veloz possível, para o sucesso pretendido.
Disto isto, quem pode se beneficiar do coaching?
1 - Um profissional que já tenha boa noção do seu poder de ação e da sua capacidade de influenciar o curso da realidade, mas que chegou num patamar e se sente estacionado por tempo demais ali e não sabe o que precisa mudar ou o que fazer para continuar o caminho para o seu sonho. É possível que a esta pessoa faltem elementos de visão de si mesma ou do sistema em que está inserida, ou que ela esteja pouco ou muito desconectada da sua missão profissional, algo que pode ser descoberto e trabalhado num processo de coaching.
2 - Um líder ou executivo que perceba:
 suas emoções se impondo à sua razão diante das adversidades, isto é, passando da medida adequada, prejudicando a eficácia que ele aspira;
 seu comportamento nem sempre contribuindo para a melhor solução num caso específico, especialmente, em situações de stress;
 que tem dificuldade de liderar para o alto, ou seja, seus superiores hierárquicos;
 que se dispersa do objetivo principal, sem que compreenda o motivo;
 que tem dificuldade de definir o que é prioritário ou mesmo de tomar certas decisões;
 que não consegue defender seus pontos de vista ou lidar com pessoas de maneira assertiva e confiante;
 que perca o foco da visão sistêmica quando o comportamento do outro o 'tira do sério' ou diante das adversidades;
 que tem dificuldade de exercer autoridade ou de liderar;
 que protela certas ações e isto prejudica sua alta performance;
 que se sente despreparado para o tamanho das responsabilidades, exigências ou do risco que precisa correr;
 que tem dificuldade de administrar algum conflito interpessoal ou mesmo de interagir da forma mais eficaz com as pessoas;
 que se sente temeroso ou inseguro para dar um novo passo na carreira e isto desacelere ou barre seu progresso.
3 - Alguém que tenha urgência de conseguir certas mudanças em si mesmo, como desenvolver certas competências exigidas para o próximo passo na carreira. Um exemplo comum disto é uma pessoa tecnicamente brilhante e que se percebe próxima a uma promoção que inclui liderança e que não se sente pronta para este novo papel. Neste caso, o pior que pode ocorrer é ela subestimar as necessidades de ajuste, aceitar o cargo e não se preparar para a nova realidade. Pesquisas mostram que este é um dos motivos importantes de demissão de executivos.
4 - Uma pessoa mergulhada em condicionamentos culturais e modelos mentais muito dominantes, mas inadequados ou divergentes dos seus objetivos. Geralmente estas crenças são 'invisíveis' ou difíceis de detectar ou de transformar para o próprio indivíduo. Com o passar do tempo, este profissional pode se tornar estagnado, pessimista, com baixa motivação... O que fazer com tais convicções? Como avançar e ser bem sucedido num mundo que continuamente afirma o oposto do que a pessoa acredita?
4 - Alguém que sente que não aproveita todo o seu potencial e quer descobrir o que mais pode fazer para ser mais feliz ou bem sucedido.
5 - Uma pessoa que não consiga equilibrar sua vida profissional e pessoal.
6 - Um profissional talentoso, mas que não está acostumado a se observar ou a se orientar para o autoconhecimento e não sabe como empreender as mudanças comportamentais que precisa em si mesmo. Ele pode até reconhecer o que precisa mudar, mas não os meios, ou melhor, 'como' efetuar esta mudança. Um caso assim pode ocorrer com alguém que recebeu um feedback de seu líder ou cliente, indicando que precisa ajustar seu comportamento numa ou noutra direção; por exemplo, para tomar mais iniciativa, ou ser mais dinâmico, ou mais assertivo, ou delegar mais... Mesmo que concorde com o feedback, como fará para mudar?
Alguns questionam se o ser humano realmente pode mudar. Quem não conhece alguém que mudou o seu comportamento após um grande sofrimento? O objetivo do coaching é catalisar a mudança, estimulada, de preferência, pela consciência do próprio potencial, vontade de se realizar e aproveitar oportunidades futuras e não pelo sacrifício e dor. Trabalhando com desenvolvimento humano há mais de 20 anos, estou certa de que as pessoas podem mudar, não no plano da essência humana, mas nas suas atitudes, valores, modelos mentais, autoconhecimento, autogerenciamento, na automotivação e, especialmente, nos comportamentos, gerando melhores resultados e satisfação. Felizmente, a capacidade humana de se adaptar é gigantesca, mas há um processo para que esta mudança se efetive. É preciso compreender certas regras do funcionamento humano, incluindo a existência da resistência à mudança e saber como lidar com ela. É por isto que, em muitos casos, o auxílio de um coach para mudar pode ser muito oportuno, bem mais veloz e eficaz.
Enfim, se estamos buscando um sonho, a realização e o orgulho de nós mesmos como profissionais e, além disto, o ambiente organizacional nos solicita mudanças, precisamos buscar recursos que nos facilitem atingir estes objetivos. O coaching se propõe exatamente a isto, a ajudar alguém a chegar ao máximo do uso do seu potencial e viver esta experiência profissional de forma arrasadora!

Artigo da Dra. Elizabeth Zamerul, médica psiquiatra, escritora, consultora em RH, especialista em Coaching Empresarial e Relações Organizacionais.
site: www.realizeosonho.com.br

Sobre o Autor
Relacionamentos/ autodesenvolvimento/ recursos humanos/coaching

Artigos.com