Breve estudo sobre ódio versus medo Cuiabá, Mato Grosso

As pessoas odeiam por causa do medo. Sentem medo da morte, de Deus, dos indivíduos e do maior de todos os medos - o medo do próprio medo.As pessoas que odeiam passam pela vida com os punhos cerrados. Estão constantemente na defensiva.

Naíra Domingos Sé
(65) 3322-2504
Rua Rua dos Líriosº 525
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Cecan
(65) 3623-7032
Pc Do Seminário, 141
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Castro, Maria C D
(65) 3321-5658
r Br Melgaço, 2403
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Audimet Auditoria em Saúde e Medicina do Trabalho
(65) 3321-8725
r Des José Mesquita, 303 Araés
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Center Clin
(65) 3321-5658
r Br de Melgaço, 2403
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Eliane Solange de Souza Pires
(65) 3617-1688
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Clínica Médica Mady Ltda
(65) 3625-1491
r Manoel Ramos Lino, 223, Coophamil
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Antônio M Silva
(65) 3321-4451
r Joaquim Murtinho, 940 Centro Sul
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Center Med
(65) 3023-6666
r Gago Coutinho, 359
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Clínica Genus Ltda
(65) 3642-4742
av Aclimação, 508, Bsq da Saúde
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Breve estudo sobre ódio versus medo

Jamais poderemos ter esperança de compreender e controlar o ódio, até que aprendamos a compreender e controlar o medo. As pessoas se odeiam porque se sentem inseguras. A pessoa mais propensa a odiar é aquela que abriga sentimentos de inferioridade. Ela é frustrada, ansiosa, desconfiada e medrosa.

As pessoas que odeiam passam pela vida com os punhos cerrados. Estão constantemente na defensiva. É mais do que provável que estiveram expostas a padrões de ódio durante a infância. São condicionadas ao ódio e em muitas ocasiões estão apenas imitando as reações de ódio dos pais.

As pessoas odeiam porque foram e ainda são privadas do amor que desejavam e do amor de que tinham necessidade. Sentem-se rejeitadas. Abrigam a triste desilusão de que para sobreviver precisam odiar. São encorajadas nas suas convicções pela cínica filosofia de que este é o mundo do "homem lobo do homem" - que todos são desonestos, egoístas e que o único meio de progredir neste mundo é conservar-se em luta e ultrapassar em ódio o semelhante. Para elas a vida torna-se um círculo vicioso de insegurança que leva ao ódio e o ódio dá em resultado uma maior insegurança. Cada dia se torna uma luta competidora para sobreviver. A sobrevivência, não importa como, torna-se uma obsessão. Compreendem a tragédia do seu falho raciocinar quando o tiro da sua cínica filosofia da vida sai pela culatra. Infelizmente aprendem através de triste experiência que o ódio gera o ódio, que a vingança e o espírito vingativo são qualidades fúteis.

Os ódios epidêmicos são geralmente característicos das guerras. Mesmo as nações estão finalmente acordando para a fria compreensão de que não existe vitória em nenhuma guerra.

Sintetizando, as pessoas odeiam por causa do medo. Sentem medo da morte, de Deus, dos indivíduos e do maior de todos os medos - o medo do próprio medo.

Muitas pessoas que consultam psicanalistas, por varias vezes demonstram ser pacientes difíceis somente porque estão saturadas com sentimentos de indignidade pessoal e com encurralados sentimentos de hostilidade. Aborrecem-se facilmente e zangam-se por terem de pagar o tratamento psicanalítico numa condição em que são propensos a culpar os outros. Não gostam que se lhes diga que os seus problemas de infelicidade são autoprovocados.

Quando o psicanalista se esforça para ser bondoso e compreensivo, o paciente neurótico, cheio de amargura e de ódio, muitas vezes se torna abusivo. Está incapacitado de aceitar a bondade e o amor que o psiquiatra irradia. Isto faz que ele se sinta mais culpado. Tenho tido pacientes que me disseram que não podiam suportar alguém que demonstrasse bondade para com eles. Esta demonstração tornava-os hostis ou fazia-os chorar. Quando o psicanalista é firme, o paciente interpreta mal, considerando esta firmeza como rejeição. Torna-se desconfiado e como conseqüência toma uma atitude abusiva de defesa. O psicanalista transforma-se em alvo da antipatia que seu paciente cultivou durante anos, com relação aos pais.

Todo psicanalista experimenta este mecanismo de amor e ódio entre os seus pacientes. Quando o paciente principia a ter fé no tratamento (transferência positiva) em direção ao cultivo de um amor normal a si próprio, logo começa a desprender-se da sua rija casca de defesa e pela primeira vez compreende que o ódio não conduz a parte alguma. A sua saúde melhora à medida que as suas atitudes se modificam. Finalmente convence-se de que o ódio tem sido um obstáculo dispendioso.

Sobre o Autor

Bacharelado completo; Mestrado completo; Doutorado completo; Pós-doutorado completo. Cursos e vida profissional: FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE (ESCOLA PAULISTA), MESTRE EM PSICOPATOLOGIA (ESCOLA PAULISTA), PSICOLOGIA (SAINT MEINRAD COLLEGE) USA, PEDAGOGIA (FEC ABC), MBA (UNIVERSITY ABET) USA, CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENTORPECENTES (USP), PSICANALISTA POR MUITOS ANOS DE VÁRIOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO (35 anos), HOSPITAL BENEFICIENCIA PORTUGUESA DE SÃO CAETANO DO SUL - São Paulo-Brasil. CLÍNICA MAIA - São Paulo-Brasil, INSTITUTO DE PREVIDENCIA E ASSISTENCIA SOCIAL MUNICIPAL DE S.C.S. - São Paulo-Brasil, HOSPITAL SANTA CLARA - São Paulo-Brasil, CLINICA MÉDICA Dr.MARIO JÕAO SALVIATTO - São Paulo-Brasil, HOSPITAL DAS NAÇÕES SANTO ANDRE - São Paulo-Brasil Período de 1986 a 1991, PSICANLISTA DO SINDICATO DOS METALURGICOS DE SÃO CAETANO DO SUL - São Paulo-Brasil, PSICANALISTA DA INDUSTRIA Z. F. DO BRASIL-S.C.SUL-Brasil, PSICANALISTA DO SINDICATO DOS PROPAGANDISTAS DE PRODUTOS FARMACÉUTICOS DE SÃO PAULO-São Paulo-Brasil, MEMBRO DA CRUZ VERMELHA BRASILEIRA (REGIONAL SÃO PAULO), I.E. S. A. - INTERNATIONAL SOCIETY FOR ELECTROSLEEP AND ELECTROANAESTHESIA, INC.GRAZ-1978-5-17 -(AUSTRIA), I.C.A. A - INTERNATIONAL COUNCIL ON ALCOHOL AND ADDICTIONS, CRTP CONSELHO REGIONAL DE TERAPEUTAS - São Paulo-Brasil, CBP CONSELHO BRASILEIRO DE PSICANÁLISE - São Paulo-Brasil, SINPESP SINDICATO DOS PSICANALISTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, APESP ASSOCIAÇÃO DOS PSICANALISTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - São Paulo-Brasil, EX-PROFESSOR DE ESCOLAS ESTADUAIS E PARTICULARES DO ESTADO DE SÃO PAULO (BIOLOGIA, BOTANICA E ZOOLOGIA), EX-DIRETOR-ASSISTENTE DO COLEGIO ESTADUAL DE SÃO CAETANO DO SUL, LIVRE DOCENTE DE VÁRIAS FACULDADES, EX-PROFESSOR DE PSICOPATOLOGIA DA ESCOLA SUPERIOR DE PSICANÁLISE DE SÃO PAULO, EX-DIRETOR DE RELAÇÕES HUMANAS DO SABETUR, MEMBRO DE VÁRIAS SOCIEDADES INTERNACIONAIS. Publicações: O PAPEL DO PSICANALISTA CLÍNICO NO HOSPITAL; STAPHYLOCOCCUS AUREUS (ASCENSÃO E DERROCADA); CINCO LIÇÕES DE PSICANÁLISE; REEDITOR DE OBRAS COMPLETAS DE SIGMUND FREUD; A FAMILIA; A IMIGRAÇÃO JAPONESA NO BRASIL; AS PSICOPATOLOGIAS HOJE, ONTEM E AMANHÃ; A AJUDA TERAPEUTICA DO ELETROSSONO NAS PSICOPATOLOGIAS; APOSTILAS DE CITOLOGIA; APOSTILAS DE BIOLOGIA; APOSTILA SOBRE GENETICA MEDICA.


Artigos.com