Cana Orgânica: Um grande estímulo à agricultura orgânica Brasília, DF

Um dos grandes marcos do mercado orgânico foi a inserção do açúcar orgânico. Ele representa a entrada do setor sucro-alcooleiro na agricultura orgânica. Vale ressaltar que esse setor é um dos mais importantes segmentos econômicos no mercado.

CARAMELLO PERSONAL TRAINER DF
(61) 9627-9668
SHCES QUADRA 707 BLOCO E AP/301
BRASILIA, DF
 
Programa Fit Mama - Exercícios na gestação
(61) 9306-1963
911 norte
Brasilia, DF
 
Hei Long
(61) 9255-1259
Lago sul
Brasília, DF
 
CORPO EM FORMA NUTRIÇÃO ESPORTIVA
(61) 3967-9374
CNB 06 LOTE 13 LOJA 02
BRASILIA, DF
 
SPAÇO UNO PILATES
(61) 3322-9411
SRTVS Q 701 BL O MULTIEMPRESARIAL SALA 101/102
BRASILIA, DF
 
Academia Wanja Motta
(61) 3487-5838
Sobradinho
Brasília, DF
 
CARAMELLO PERSONAL TRAINER DF BSB
(61) 9627-9668
SHCES QUADRA 707 BLOCO E AP/301
BRASILIA, DF
 
PERSONAL TRAINER PROF.CARAMELLO - DF - BSB - BRASILIA
(61) 9627-9668
SHCES 707 BL.E AP/301 -
BRASILIA, DF
 

Cana Orgânica: Um grande estímulo à agricultura orgânica

Um dos grandes marcos do mercado orgânico foi a inserção do açúcar orgânico. Ele representa a entrada do setor sucro-alcooleiro na agricultura orgânica. Vale ressaltar que esse setor é um dos mais importantes segmentos econômicos no mercado. E, para isso, deve-se em função do cultivo da cana de açúcar pelo método orgânico de produção, é claro.

Atualmente, a produção orgânica de açúcar no mundo é relativamente pequena. São produzidos aproximadamente 50 mil toneladas de açúcar orgânico no país. Apenas quatro grandes Usinas são certificadas. Isso é um início, promissor é claro, pois o açúcar produzido em escala permite a fabricação de processados orgânicos com viabilidade. Mas o que temos de diferenças da produção de cana pelo método convencional do orgânico?

Na cana orgânica, não se utiliza, obviamente, nenhum agroquímico ou adubos sintéticos de alta solubilidade. Mas a principal diferença, do ponto de vista ambiental, é a colheita sem queimada. Já temos inúmeras usinas de cana que adotam colheita mecânica sem queimada, mas sem um compromisso tão rigoroso como nas usinas de cana orgânica. As normas de produção da agricultura orgânica impedem a queimada da cana em qualquer fase da produção (principalmente na colheita). Não devemos divagar muito sobre a tecnologia de colheita sem queima, já que é viável no mercado. Hoje, o maior problema da cana orgânica é o manejo do mato, ou ervas invasoras. Sem a queimada, a lavoura fica coberta com palha, que reduz, e muito, o aparecimento de tais ervas. Infelizmente, ainda não é suficiente, principalmente em regiões com solos muito arenosos, pois aumentam a velocidade da decomposição da palha. Técnicas mecânicas já são adotadas em lavouras orgânicas (algumas delas com capinas manuais, gerando emprego ao cortador de cana, fora da época de colheita).

Muitas pessoas também ficam em dúvida em relação à adubação. São utilizadas fontes naturais de fertilizantes como fosfatos de rocha, termofosfatos, cinzas das caldeiras, bagaço, adubação verde, vinhaça, torta de filtro. Todo resíduo da usina, aliado aos adubos minerais são fontes de fertilizantes para a cana orgânica.

Por fim, é interessante enfatizar que essa produção ecológica atende outros quesitos ambientais, como a recuperação de matas ciliares, grotas ou mesmo ilhas de biodiversidade, ligadas a corredores de fauna. Tudo isso é recompensador financeiramente: o preço do açúcar orgânico no mercado brasileiro atinge aproximadamente de R$ 3,00 o quilo!

Nota: É proibida a reprodução deste texto em qualquer veículo de comunicação sem a autorização expressa do autor. Só serão permitidas citações do texto desde que acompanhadas com a referência/crédito do autor.

Fonte: Equipe Portal Orgânico - Eng. Agr. Ricardo Cerveira

Clique aqui para ler este artigo na Portal Agricultura