Como envolver a equipe na Geração de Idéias Barbacena, Minas Gerais

As inovações se alimentam das boas perguntas feitas pelos integrantes de uma organização, aquelas que enfocam principalmente paradoxos, dilemas, oportunidades ou dúvidas encontradas no trabalho cotidiano.

fundaçao educacional profissionalizante e empresarial
(31) 9132-3951
av. albert scharle n 1139-Paciencia
sabara, Minas Gerais
 
Gat Gestao Ambiental Ltda
(34) 3219-2870
r Nicomedes Alves dos Santos, 348, General Osório
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
RDG - Consutor Autonomo
(34) 9992-1336
Rua Sinfronio Faria 44
Uberlândia, Minas Gerais
 
Hamdan Consultoria e Assessoria Empresarial Ltda
(31) 3398-3800
r Saturno, 896, Cs, Jd Riacho das Pedras
Contagem, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Hidropura Gestao Ambiental Ltda
(34) 3231-4600
r Benjamim Alves Santos, 1878, Sl 2, Vl Saraiva
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Asset Ltda
(31) 3286-5266
r Sebastião Fabiano Dias, 210 s 1505, Belvedere
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Limit Consultoria e Assessoria LTDA
(31) 3761-8947
João Cunha 61
Conselheiro Lafaiete, Minas Gerais
 
UP TRAINING BRASIL
(32) 4141-2656
Rua Professora carolina Coelho
Juiz de Fora, Minas Gerais
 
Mauricio de Castro Silva Consultoria, Assessoria e Servicos Administrativos Ltda
(31) 3398-8315
r Francisco Cipriano, 14, Alvorada
Contagem, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Amaral & Faria Consultores e Auditores
(31) 3482-8256
r Geraldo Menezes Soares, 435 sl 2, Sagrada Família
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Como envolver a equipe na Geração de Idéias

De onde vêm as boas idéias? Esta questão é especialmente relevante para as empresas que precisam inovar. Hoje, sistemas de avaliação de idéias em etapas sucessivas, tais como os Funis de Inovação, são muito utilizados. Esse tipo de sistema avalia propostas de inovação, mas nem sempre estimula ou estrutura os processos prévios à seleção, ou seja, a geração de idéias.

Entretanto, as inovações se alimentam das boas perguntas feitas pelos integrantes de uma organização, aquelas que enfocam principalmente paradoxos, dilemas, oportunidades ou dúvidas encontradas no trabalho cotidiano. Grande parte dessas contribuições tende a vir das "terminações nervosas" da empresa. Vendedores, atendentes, personagens anônimos podem, se estimulados, dar grandes contribuições, já que o contato com o mercado em "tempo real" se dá por meio deles. Entretanto, normalmente o público envolvido nos projetos de inovação é predominantemente gerencial ou acima. É imprescindível que a cúpula esteja envolvida com a avaliação e implementação das inovações de grande porte, mas concentrar a geração de idéias apenas nos níveis gerenciais pode significar perda de oportunidades.

Como então estimular as contribuições dos colaboradores em todos os níveis?

Os programas de sugestões não são uma idéia nova, mas poucas vezes são pensados como um mecanismo a ser integrado a processos de inovação. Se nos questionarmos do porquê dessa ausência de integração, encontraremos alguns pontos interessantes: há uma diferenciação entre projetos de inovação e projetos de melhoria, reforçada pela crença de que pensar em melhorias significa deixar de ver oportunidades de inovações mais amplas e vice-versa. Outro fator para esse afastamento seria a idéia de que as melhorias dificilmente apontam questões suficientemente globais ou profundas para afetarem um processo de inovação.

Podemos estar perdendo, nesse caso, contribuições particularmente interessantes, já que o questionamento do óbvio e a observação inocente são alavancas poderosas do processo criativo.

Como então formatar um programa de gestão de idéias amplo, que provoque esse tipo de contribuição? Aqui temos um paradoxo: o volume de idéias pode tornar inviável não só o programa como o próprio dia-a-dia da empresa, pois avalizar e adequar idéias requer tempo e dedicação.

Além disso, um alto índice de rejeição ou negligência às idéias apresentadas pode gerar uma frustração tão grande entre os colaboradores que inviabilizará o programa.

Entretanto, é interessante que os funcionários possam contribuir não só com idéias acabadas, mas também apresentar questões, mesmo que pareçam inviáveis ou fora do foco da empresa. Elas podem indicar fatos novos ou estranhos que estão acontecendo no mercado.

Há formas de administrarmos esse paradoxo, iniciando com a criação de sistemas que mostrem ao funcionário como se articulam as políticas de inovações e melhorias e como as sugestões podem, sim contribuir para projetos maiores.

Assim é possível:

1)Iniciar um programa de gestão de idéias dentro do espectro das pequenas melhorias contemplando processos, atendimento, adaptações em geral. 2)Estimular, desde o início, uma atitude mais validadora do que avaliadora, ou seja, pessoas mais preocupadas em aprimorar idéias do que em julgá-las. 3)Estabelecer processos que conectem o sistema de melhorias ao sistema de inovação, criando um canal pelo qual podem fluir as idéias que tiverem maior potencial para inovação. 4)Quando o programa estiver mais maduro, ampliar o espectro das sugestões solicitadas e montar equipe de análise de potencial das idéias, que poderá selecionar: a)idéias com potencial para multiplicação - uma boa idéia que beneficiou uma loja pode beneficiar todas as demais? b)idéias com potencial para grandes inovações - uma idéia que visa apenas uma melhoria poderia se ampliada e aprimorada, tornar-se uma inovação? c)áreas ou situações sensíveis a grandes inovações - uma avalanche de idéias que apontam para a mesma área pode ser um indicador de potencial para inovações; d)idéias não-prioritárias - são idéias que estão fora do foco estratégico, mas que podem eventualmente representar oportunidades; e)provocações - para o especialista em criatividade e inovação Edward de Bono, uma provocação é uma má idéia que nos estimula a pensar criativamente.

Não podemos permitir que os programas de gestão de idéias repitam os padrões não participativos das empresas autocráticas. Precisamos garantir que a gestão de idéias seja ao mesmo tempo fruto e gerador de empresas inovadoras, e não uma adequação tecnológica da velha caixinha de sugestões.

A questão-chave talvez seja o próprio preconceito que está na raiz da separação entre os programas de melhorias e inovações. Será que grandes descobertas são exclusividade gerencial?


Luciana Annunziata é mestre em Criatividade Aplicada e diretora da DobraRh

Sobre o Autor
Gisela Kassoy é especialista em Criatividade e Inovação e atua com consultoria, palestras, seminários e como facilitadora de grupos de geração de idéias.

Artigos.com