Como garantir seus direitos em Consórcios Araras, São Paulo

Dentre os varios direitos que o Código de Defesa do Consumidor nos garante,existe o direito de ressarcimento quando da desistência de consórcio.Em consórcios de automóveis e imóveis por exemplo a devolução das prestações, da taxa de adesão e do seguro inclusive deve ser feito de imediato, sob pena de impôr-se ao consumidor uma espera longa e injusta.

Menezes Bonato Advocacia
(19) 3444-8624
R.Sete de Setembro 602, Centro
Limeira, São Paulo
 
VIEGAS DE MACEDO Advogados
(17) 3234-3855
Rua XV de NOvembro, n. 3171, 11o. andar
São José do Rio Preto, São Paulo
 
RA ADVOCACIA
(19) 8171-2324
AVENIDA MONTE CASTELO, 550
CAMPINAS , São Paulo
 
Advocacia Sindical
(16) 3632-2322
r Mariana Junqueira, 939, Centro
Ribeirão Preto, São Paulo

Dados Divulgados por
SIDVAL OLIVEIRA ADVOCACIA & DIREITO DE FAMÍLIA - DIVÓRCIO
(19) 3383-3009
RUA ANTÔNIO DE CARVALHO, 170
SUMARÉ, São Paulo
 
Remacon Contabilidade e Advocacia
(11) 2464-0493
r Siqueira Campos, 251, Jd São Paulo
Guarulhos, São Paulo

Dados Divulgados por
Advocacia Clóvis Salgado S/C Ltda
(11) 4990-1766
av Portugal, 397, An 1 Sl 108, Centro
Santo André, São Paulo

Dados Divulgados por
Advocacia Fongaro e Prado
(15) 3212-3300
r Penha, 891, Centro
Sorocaba, São Paulo

Dados Divulgados por
Daltrino e Portugal Advocacia
(11) 4339-2977
r José Bonifácio, 610, Centro
São Bernardo do Campo, São Paulo

Dados Divulgados por
Advocacia Ribeiro
(11) 2464-9775
r Luiz Faccini, 592, Centro
Guarulhos, São Paulo

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Como garantir seus direitos em Consórcios

"Realmente, 'data venia' dos entendimentos contrários, não há nenhuma razão de ordem jurídica ou econômica que justifique a retenção das parcelas do consorciado desistente ..."

DESISTIU DO CONSÓRCIO? RECEBA DE IMEDIATO O QUE PAGOU!

Frequentemente somos consultados a respeito da "regra" que as administradoras de consorcios impõe aos consumidores, que condiciona a devolução das parcelas pagas pelo consorciado desistente somente ao final das atividades do grupo. Esta condição afigura-se desprovida de eficácia e legitimidade se cotejada com as disposições que estão elencadas no Código de Defesa do Consumidor (artigo 51, IV). É que essa "regra" é revestida de iniqüidade, afigura-se abusivo e coloca o consumidor em franca desvantagem em relação à administradora. Em consorcios de automóveis e imóveis por exemplo a devolução das prestações, da taxa de adesão e do seguro inclusive deve ser feito de imediato, sob pena de impor-se ao consumidor uma espera longa e injusta. Inegável que a cláusula do contrato que condiciona a restituição dos valores aos consorciados que dele se retirarem ou forem excluídos, ao encerramento do grupo, ultrapassa os limites da razoabilidade, mostrando-se abusiva e excessiva, posto que coloca o consumidor em desvantagem exagerada, gerando, ainda, o enriquecimento indevido do consórcio, razão pela qual, acertadamente, nossos tribunais de justiça tem declaradas nulas estas cláusulas e devolvendo as parcelas pagas, devidamente corrigidas, descontanto apenas 10% do valor a título de taxa de administração APENAS das parcelas pagas; não abra mão de seus legítimos direitos,DEFENSA-SE!

Sobre o Autor

Artigos.com