Compreenda a história sobre Tróia Brasília, DF

Compreenda mais sobre a história de Tróia. Com o término da guerra troiana, veio o fim do heroísmo. Os inúmeros heróis que ainda havia naquela época em Esparta, Tróia, Micenas e outros principados, tinham-se deixado seduzir por mulheres.

SENAC - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercia
(61) 3313-8877
SCS Quadra 6, s/n, A Lj 246, St Coml Sul
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Traduções Aildasani Ltda
(61) 3223-7000
SHS Quadra 6, s/n, An 18 Sl 1801, Asa Su
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Auto Escola Aprovação
(61) 3225-3073
Sds Bl P, s/n Ed. Venâncio III Sala 212 Asa Sul
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Wizard
(61) 3322-1214
CLS-102, s/n, Qd 102 Bl D Lj 35, Asa Sul
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Auto Escola Aprenda Fácil
(61) 3468-6600
Shin Ca 7, s/n Bl G7 Lj 100 Largo Norte
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Auto Escola F&M
(61) 3323-9637
SDS, Bl O Te Lj 59 Ed. Venancio VI Conic Asa Sul
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
CFC-B Teka Auto Escola
(61) 3327-4938
SCLM Qd 703 Bl A Sl 2, s/n Asa Norte
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Auto Escola Ativa Ltda
(61) 3301-5414
Sds Bl H, s 506 Asa Sul
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Auto Escola Octogonal
(61) 3361-1581
R AOS 4/5, S/N Bl B Lj 15 Sub Solo Área Octagonal
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
CFC-B Teka Auto Escola
(61) 3327-4938
SCLM Qd 703 Bl A Sl 2, s/n Asa Norte
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Compreenda a história sobre Tróia

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra

Ao ensejo do lançamento do filme Tróia, de Wolfgang Petersen, em que Brad Pitt, interpreta Aquiles, apresentamos a história com o foco voltado para aquela que exerceu papel preponderante no desenrolar da tragédia, a desconhecida Kassandra.

Helena era uma mulher exuberante, de uma atraente beleza que imediatamente seduzia aos menos vigilantes. Havia se casado com o rico e poderoso Menelau. Riqueza e poder atraem fortemente esse tipo de mulher. Mas a vida estava se tornando monótona, pois como poderia se sentir realizada em um casamento feito por conveniência e interesses mesquinhos?

Então apareceu Páris com sua juventude e beleza. Na verdade ela não foi raptada mas induziu o pretensioso jovem a levá-la para Tróia. Páris afastou da memória as advertências feitas por sua irmã Kassandra, preparada para, com seu dom de profetizar o futuro, impedir a destruição da Tróia, tão querida dos Enteais, servos de Deus, que se afeiçoaram àqueles seres humanos de valorosa coragem e heroísmo.

Páris porém sufocou a sua intuição, levando consigo a atraente e perigosa mulher, atraindo a ira de Menelau e dos demais príncipes que logo viram um excelente pretexto para saquear a rica e próspera cidade. E por diversas vezes Kassandra exortou ao seu pai, o rei Priamos que ordenasse a devolução da vaidosa Helena para evitar a destruição do povo de Tróia.

Mais ou menos na época em que Moisés se entregava a sua missão libertadora, em Tróia, na Grécia Antiga, Kassandra também amadurecia para a sua espinhosa missão de advertir Tróia de seu terrível destino por causa do falhar dos filhos do rei que ao invés de consolidarem o reino com sabedoria e dignidade, provocaram o desaparecimento da orgulhosa Tróia.

E, por causa desse falhar, decorrente do orgulho e da vaidade, Kassandra, com sua vidência tinha que antever apenas visões trágicas e deprimentes para transmitir, advertindo à família real e ao povo. Mas eles, ao invés de buscarem as causas de sua vida errada para evitar o infortúnio, se revoltavam contra a vidente, dificultando a sua missão.

Os seres humanos, quando dominados pela vaidade, não gostam que se lhes mostre a verdade, pois nesses casos a verdade dói. Kassandra anunciava que a desgraça adviria por culpa de um dos filhos que em sua arrogância e vaidade não quis reconhecer o seu erro. Enfeitiçado por Helena foi cometendo erros sobre erros levando todo um povo à desgraça.

E quando se recorda de Kassandra, muitas desgraças surgem na memória, e, lamentavelmente, o seu nome tem sido utilizado largamente para qualificar as pessoas que ousam apresentar cenários realistas para a humanidade.

"Um novo dia traz novo horror! Ai de ti, Helena, que ousaste pisar no palácio. Ai de ti filho de Priamos, que desencadearás o pior destino sobre Tróia. Agora todos deverão partir daqui, todos que ainda se alegram com o Sol. Os deuses mandarão desgraça. O próprio Zeus está irado. Abandonaste um rei, um outro privarás dos filhos. Helena, beleza sem coração, o que procuras aqui?".

Tardiamente Páris reconheceu o seu erro, decepcionando-se profundamente com Helena, mulher sem coração que ousara pedir-lhe que matasse Aquiles, cortasse sua cabeça e a trouxesse para ela. Helena, beleza sem coração, mulher desalmada. “Perdoai tudo que a minha imprudência trouxe para vós. Por amor a uma indigna provoquei essa desastrosa guerra.”

E o nome de Kassandra foi associado às tragédias que suas advertências poderiam ter evitado. Assim a vida de Kassandra ficou gravada na história da humanidade e retransmitido no livro Histórias de Tempos Passados, editado pela Ordem do Graal na Terra, que resgata a sua imagem revelando a sua heróica missão.

Contudo ainda resta uma grande dúvida, uma pergunta não respondida: Por que Kassandra? Por que Tróia? Tróia poderia ter evoluído beneficiadoramente de forma a se constituir num modelo inspirador para os demais povos de como o ser humano deve conduzir a sua existência terrena para evoluir em paz e harmonia através de alegres atividades, mediante o reconhecimento das leis da Criação.

Responde Roselis Von Sass, em "O Livro do Juízo Final" (pág.233 a 236):

Apolo e Kassandra

"Voltemos mais uma vez para Apolo. Muitos espíritos do grupo de elite de Lúcifer se aproximavam das mulheres humanas, disfarçando-se em Apolo, de preferência. Assim aconteceu que por diversas vezes um desses espíritos decaídos, simulando amor, aproximou-se da jovem Kassandra, filha de Príamo, rei dos troianos, apresentou-se como Apolo. Kassandra, que fora estreitamente ligada ao amor divino, e que possuía também um excepcional dom de vidência, era odiada por todos os servos de Lúcifer.

O princípio de Lúcifer dirigia-se contra a atuação do amor de Deus! E em Kassandra estavam ancoradas irradiações do amor! Por isso ela era perigosa! Logo, deveria ser aniquilada ou posta fora de ação...

O espírito maléfico que se aproximara de Kassandra, como sendo Apolo, esperava também subjugar sua alma facilmente. Havia suposto que ela não poderia resistir a Apolo, o senhor do astro solar, uma vez que os raios solares estavam igualmente em conexão de alguma maneira com o amor divino...

Não foi apenas Kassandra que os espíritos de Lúcifer quiseram destruir... seu ódio estendia-se também ao povo troiano que guardava aquela preciosa jóia entre os seus. Simultaneamente, todos os heróis deviam ser atraídos para uma armadilha da qual jamais conseguiriam libertar-se.

Kassandra não foi uma mulher terrena comum, não era vaidosa e nem superficial. Assim que o suposto Apolo a cortejou, intuitivamente sentiu uma repulsa inexplicável. Repudiou-o bruscamente. Seu coração estarrecia uma frieza glacial sempre que ele se aproximava ...

Naquela época, o excepcional dom de vidência da jovem Kassandra desenvolvia-se. A desgraça que ameaçava seu povo não lhe pôde ficar oculta. Havia ainda tempo para a desgraça ser afastada, se algo acontecesse imediatamente.

No entanto, nada se fez. Seu pai, Príamo, estava disposto a levar a sério suas visões e advertências e agir de acordo. Entretanto, sua mãe, Hekuba, exercendo grande influência sobre ele, fizera o contrário: proibiu-a expressamente de molestar os demais com as advertências e visões. Caso a ordem não fosse cumprida, ela seria encarcerada.

Hekuba era poderosa. Kassandra teve de presenciar em silêncio como Tróia estava sendo subjugada pelos inimigos e como os melhores heróis troianos iam morrendo em combate.

Três mulheres, cujas almas estavam completamente sob a influência das trevas, foram na realidade os instrumentos na Terra que provocaram a queda de Tróia, causando também a terrível morte da jovem Kassandra ...

A primeira delas foi a vaidosa Helena, a suposta filha de Zeus. Ela, a esposa do rei espartano Menelau, tendo sido ferida em sua vaidade, instigou a guerra contra Tróia.

A segunda foi Hekuba. Se houvesse escutado as advertências de sua filha Kassandra em tempo, Tróia poderia ter sido salva.

A terceira foi Clitemnestra, esposa de Agamenon, rei de Micenas. Essa mulher diabólica, quando Kassandra chegara presa em Micenas, mandou encerrá-la hermeticamente num compartimento de uma torre, emparedando-a viva. A vitória de Lúcifer não poderia ter sido mais completa.

Enquanto Kassandra aguardava a morte, encerrada dentro daquela torre, apareceu-lhe o verdadeiro Apolo. Não surgiu numa auréola fictícia como o falso, o qual se havia aproximado dela numa gruta do jardim paterno, pois nenhum dos enteais pode apresentar-se dessa maneira, porque auréolas não existem nos mundos materiais. Apolo, mesmo sem ela, possui algo irradiante que o envolve. Todos os que o vêem sentem intuitivamente uma bem-aventurada alegria de viver que se eleva tal qual uma prece de gratidão em louvor ao Criador.

Kassandra sentiu também imensa alegria ao vê-lo, jubilosa alegria e gratidão. Esqueceu-se do cárcere aterrador em que se encontrava. Reconheceu ao mesmo tempo que Apolo já havia estado próximo dela muitas vezes no decorrer da sua infância. Além disso, foi ele um dos que vieram trazer-lhe alguma alegria à sua solitária infância. Contudo, não foi somente Apolo que permanecera junto de Kassandra até o seu desligamento terreno, mas também outros enteais. Sempre prontos a prestar auxílios, esses entes a fizeram esquecer-se do medonho lugar em que se encontrava.

Com o término da guerra troiana, veio o fim do heroísmo. Os inúmeros heróis que ainda havia naquela época em Esparta, Tróia, Micenas e outros principados, tinham-se deixado seduzir por mulheres superficiais obcecadas pelo poder; todos eles foram induzidos a uma guerra indigna. Não só a "bela Helena" havia instigado a guerra, como também Clitemnestra fez pressão sobre Agamenon para que participasse do combate contra Tróia. Desejava ficar sozinha no palácio de Micenas com o seu amante. E os heróis troianos? A maioria deixou-se prender imperceptivelmente sob a influência das asseclas femininas de Lúcifer, que os incentivavam a ter sempre novas aventuras amorosas.

Os deuses ficaram irados com o esmorecimento dos heróis; haviam descido tanto, que qualquer mulher decaída, tanto no aquém como no além, tinha o poder de influenciá-los. Não só estavam irados, como também abandonaram completamente esses heróis. Outrora, guiavam os homens terrenos que estavam ligados ao heroísmo, fortalecendo-os! Quando os seus protegidos tinham de levantar a espada por uma causa justa, sempre estavam a seu lado, auxiliando-os para a vitória. Porém, heróis que nada possuíam, além de estupidez e presunção, eram-lhes repugnantes. Dia a dia a espécie humana ia se tornando mais asquerosa para eles...

O gigante Palas, às vezes, surgia à noite, no céu. Seu braço estendido segurava uma cabeça humana que parecia ser formada inteiramente de serpentes; a outra mão, fechada em punho, dirigia-se ameaçadoramente para baixo, contra a Terra.

Tremendo de medo e pavor todos observavam tal aparição, e olhavam para o gigante que segurava a cabeça de serpentes. Contudo, o seu punho causou-lhes mais medo do que tudo o mais... Outras vezes, ao anoitecer, assim que o sol se encontrava no horizonte, aparecia também a deusa Atena. Alta como uma torre, achava-se entre o céu e a Terra e segurava igualmente uma cabeça humana da qual saíam serpentes ...

"Atena está irada", afirmavam com razão os seres humanos! Por toda a parte, quer na Grécia como na Ásia Menor, as mulheres, tomadas de maus pressentimentos, reuniam-se a fim de refletir de que maneira poderiam readquirir a benevolência da deusa ... Ao mesmo tempo houve muitos que escarneceram da deusa com punhos ameaçadores, comportando-se como fúrias, em seus acessos perversos de ódio.

Da mesma forma, Atena, como outros tantos grandes enteais, se afastou dos seres humanos. Ela havia despertado outrora nas mulheres um conceito nobre e altivo de feminilidade, proporcionando-lhes uma certa dignidade e grandeza soberana ... Mas para isso o tempo já se havia escoado. Não se procurava mais pela legítima feminilidade, tampouco pela caridade, bondade, amor à verdade, senso de beleza e todas as outras virtudes que outrora haviam feito da mulher na Criação posterior uma criatura resplandecente ... (∗) Na época da guerra troiana, raramente se encontravam em toda a Terra mulheres que ainda honrassem o seu nome."- (∗) Vide "Na Luz da Verdade", Mensagem do Graal, de Abdruschin, vol.3, dissertação "Fios de Luz Sobre Vós!"

∗ ∗ ∗

A mulher moderna, que realmente deseja manter-se fiel à sua essência feminina, deve desenvolver as suas capacitações até a máxima florescência. A adequada postura da mulher no lar é mágica, ela é capaz de criar um clima de serenidade que beneficiando primeiramente aos seus, seja em sua saúde física ou psíquica, estende-se muito alem favorecendo a paz mundial. Isto é, quando houver paz e harmonia nos lares, menos crimes e violência ocorrerão no mundo. Elas têm a capacidade de criar o céu ou o inferno dentro de casa.

Os homens por sua vez, não podem agir com despotismo e desmazelo desrespeitando a ordem do lar e, sempre que possível, deverão colaborar nas atividades domésticas ajudando as respectivas mulheres em tudo o que puderem, assim como um não deve dificultar a vida profissional do outro.

∗ ∗ ∗

O maravilhoso dom concedido a Kassandra, não foi compreendido, pois os seres humanos davam vazão a sua maldade, e ao antever o futuro só havia desgraças para serem apontadas, mas, teimosos, os filhos do rei não corrigiram suas falhas e caminharam para a desgraça, deixando que Tróia fosse aniquilada.

Quando Páris recusou-se a atender Kassandra, suplicando que devolvesse Helena a Menelau, em sinal de luto, ela cobriu a testa com véu negro, pois sabia que o destino de Tróia estava selado.

................................................................

BENEDICTO ISMAEL CAMARGO DUTRA

Autor do livro "ENCONTRO COM O HOMEM SÁBIO",
"REENCONTRO COM O HOMEM SÁBIO EM BUSCA DO SANTO GRAAL" e
" NOLA, O MANUSCRITO QUE ABALOU O MUNDO " Editora Marco Zero/Nobel

 

Clique aqui para ler este artigo na SóCultura