Conferindo os cuidados com suplementos alimentares Manaus, Amazonas

Veja abaixo os cuidados com os suplementos alimentares e as vitaminas. A ingestão exagerada de vitaminas e outros nutrientes sob a forma de suplementos alimentares causa prejuízos à saúde, principalmente as vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K, vitaminas que não são solúveis em água), que podem causar efeitos contrários ao esperado e até algumas doenças. A quantidade de vitamina C presente em uma dessas pastilhas efervescentes tão conhecidas é absurdamente maior do que a necessidade diária.

João BL Botelho
(92) 234-5609
bc Ribeiro, 520, sl 705, Parque 10 De Novembro
Manaus, Amazonas
 
Wellington Sampaio
(92) 236-1672
r Acre, 31, bl 31 b ap 3, Parque 10 De Novembro
Manaus, Amazonas
 
João LP Machado
(92) 232-4559
bc Ribeiro, 620, sl 203, Parque 10 De Novembro
Manaus, Amazonas
 
Paulo MG Lobo
(92) 633-1764
r Ramos, 89, São José Operário
Manaus, Amazonas
 
Antônio Lg Matos
(92) 236-7505
av C Nery, 2240
Manaus, Amazonas
 
Roberto O Mello
(92) 232-3915
r C Azevedo, 9, sl 206
Manaus, Amazonas
 
Luciana SM Vieira
(92) 233-1878
r Ferreira, 1297
Manaus, Amazonas
 

Conferindo os cuidados com suplementos alimentares

Publicidade Nos últimos anos o padrão de consumo alimentar na população brasileira tem sofrido mudanças significativas , principalmente no que se refere ao aumento do consumo de lipídios e diminuição percentual no consumo de carboidratos.

Esta situação leva ao crescimento dos casos de obesidade e a conseqüente busca das academias de ginástica para queimar as "gordurinhas indesejáveis".

Sabe-se que o número de academias tem aumentado de maneira importante na última década.

Segundo Rui Dammenhain, especialista em vigilância sanitária , com 10 anos de experiência na área, e que foi diretor da vigilância sanitária da Capital paulista, alguns estudos revelam que muitas pessoas praticavam exercícios físicos regularmente . " Na cidade de São Paulo , por exemplo o total de academias de ginástica passou de 600 para mais de 3000 , na última década, isto sem contar com as academias dentro de grandes empresas".

Junto com toda esta atividade física , tão importante para uma boa saúde, um fator causa preocupação: o aumento da ingestão de suplementos alimentares e vitaminas

A ingestão exagerada de vitaminas e outros nutrientes sob a forma de suplementos alimentares causa prejuízos à saúde, principalmente as vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K, vitaminas que não são solúveis em água), que podem causar efeitos contrários ao esperado e até algumas doenças.

Por serem solúveis apenas em gorduras, elas são de difícil excreção, e quando estão em excesso no organismo, boa parte não é expelida, acumulando-se no fígado e no tecido adiposo. A própria vitamina A, que faz parte desse grupo e atua na pele e na visão, pode ser tóxica , se usada em altas doses, causando, neste caso, dor de cabeça e alteração da visão, ou seja, sintomas combatidos por ela mesma quando consumida de forma correta.

O problema mais grave tem relação com o consumo de vitamina C, isso porque a sua ingestão fora da dieta alimentar já se tornou normal e, para muitos, obrigatória. Porém, essa substância pode causar cálculo renal e desconforto gástrico se consumida em excesso.

A quantidade de vitamina C presente em uma dessas pastilhas efervescentes tão conhecidas é absurdamente maior do que a necessidade diária. A quantidade desejável de consumo de vitamina C é de 90 miligramas por dia. Para ter idéia de valor , um copo de suco de laranja tem 60 miligramas dessa vitamina, o que ratifica a idéia de que a quantidade de nutrientes que ingerimos na dieta alimentar, desde que esta seja balanceada, é suficiente para abastecer o organismo.

A indicação de suplementos alimentares não pode ser feita sem a investigação da saúde e dos hábitos do paciente, para checar se ele realmente tem carência de algum tipo de substância essencial, explica Rui Dammenhain.

Estes produtos devem ser registrados junto a ANVISA - Agência Nacional de vigilância Sanitária, porém a venda não é regulamentada e pode-se comprar produtos sem nenhum tipo de indicação nas inúmeras lojas espalhadas pelo Brasil e até pela internet , complementa.

Ele ainda afirma que o hábito de utilizar certos suplementos, mesmo sem indicação médica, pode ser associado à intensa propaganda dos laboratórios farmacêuticos, que incentivam o uso através de promessas de aumento da disposição e diminuição do stress, o que na maioria dos casos não é verdadeiro e pode até ter conseqüências opostas as esperadas.

Apenas em casos de subalimentação e desnutrição pode ser necessário sua reposição por meio de complexos alimentares. Em outras situações, porém, o consumo de "vitaminas em cápsulas" - bastante comum no mercado - deve ser melhor orientado.

Cada dia mais as pessoas acreditam que a saúde seja comprável, sendo a venda de suplementos dietéticos crescente; nos Estados Unidos este mercado já ultrapassou a cifra de 6,5 bilhões de dólares em 1996 (englobando principalmente vitaminas e minerais).

No Brasil , os gastos com suplementos, representam média mensal de cerca de R$65,00 para os homens e de R$45,00 para mulheres. A maioria dos consumidores de suplementos alimentares e vitamínicos são homens , e os suplementos mais consumidos são os aminoácidos ou outros concentrados protéicos e o consumo maior foi o diário.

Existe pouca informação sobre o consumo de suplementos pelo público em geral, principalmente quando se fala de seus efeitos potenciais e colaterais

A fonte mais utilizada de recomendação de suplementos foi a de instrutores e professores de academias, seguida de amigos , auto-indicação, nutricionista e médico ..

O usuário ainda se encontra mal informado sobre o conteúdo dos suplementos e as conseqüências de sua ingestão. Muitos desses produtos geram grande controvérsia sobre seus efeitos, principalmente à longo prazo, o que leva a crer que este assunto pode ser tratado como um problema de saúde pública.

Nota: É proibida a reprodução deste texto em qualquer veículo de comunicação sem a autorização expressa do autor. Só serão permitidas citações do texto desde que acompanhadas com a referência/crédito do autor.

Fonte: Maxpress – INBRAVISA

Clique aqui para ler este artigo na Portal Nutrição