Produtos químicos Fortaleza, Ceará

Conheça no artigo abaixo quais são os ciclos dos fosfatos naturais. Os fosfatos naturais reativos , sedimentares, amorfos e micropulverizados podem ser aplicados diretamente no solo pois apresentam uma eficiência agronômica muito boa. Para ser um fosfato reativo deve ter no mínimo 55% do seu fósforo total solúvel no ácido fórmico 2% relação 1:100.

cardinalefornos
(85) 9604-3511
R.gal.clarindo queiroz n.2000 ap. 303
fortaleza, Ceará
 
Frutstok Distribuidora
(85) 3224-7112
Rua 4 de outubro, 1508 - CJ Industrial
maracanau, Ceará
 
Academia Maxforma
(85) 292-3516
r Germano Franck, 905, Parangaba
Fortaleza, Ceará
 
Academia Equilibrium
(85) 287-1835
r Gustavo Sampaio, 2115, Alagadico
Fortaleza, Ceará
 
Academia Progresso
(85) 238-5365
r Apóstolo Paulo, 1437, Prefeito José Walter
Fortaleza, Ceará
 
Cafe85
(85) 8505-2845
Rua Armando Oliveira, 361, Parquelandia
Fortaleza, Ceará
 
Soc Hípica de Fortaleza
(85) 476-9500
r Sorocaba, 80, Lagoa Redonda
Fortaleza, Ceará
 
Corpus Dance Academia
(85) 257-6177
av Aguanambi, José Bonifacio
Fortaleza, Ceará
 
Centro de Treinamento Personal Care Ltda
(85) 242-9444
r Osvaldo Cruz, 1, a pav an 1 sl 101, Jangurussu
Fortaleza, Ceará
 
INFRAERO Emp Bras de Infr Estrutura Aeroportuária
(85) 272-3221
pc Brigadeiro Eduardo Gomes, Vila União
Fortaleza, Ceará
 

Produtos químicos

Os fosfatos naturais reativos , sedimentares, amorfos e micropulverizados podem ser aplicados diretamente no solo pois apresentam uma eficiência agronômica muito boa. Para ser um fosfato reativo deve ter no mínimo 55% do seu fósforo total solúvel no ácido fórmico 2% relação 1:100.
No solo, os fosfatos naturais reativos apresentam o seguinte ciclo:

  1. o fósforo (P) do fosfato natural reativo encontra-se na forma tricálcica é solubilizado de modo imediato, progressivo e constante, permitindo às plantas uma disponibilidade permanente de fósforo nas quantidades necessárias e durante todo o ciclo da planta. Nos fosfatos acidulados ou solúveis em água (supersimples e supertriplo) a disponibilidade do fósforo é total e por um curto período. Em 1989, o departamento químico da extinta Companhia Riograndense de Adubos - CRA, sob a liderança do Eng° Químico F. Mottola realizou um teste com o HIPERFOSFATO (fosfato natural de alta reatividade, importado da África do Norte - GAFSA) tratando um gramo do produto com ácido cítrico a 2% 1:300 e a quantidade de fósforo extraída foi 12%. Trataram novamente o resíduo com o mesmo extrator e, novamente, obteram 12% e assim sucessivamente. Com os fosfatos naturais brasileiros obteram na 1a. extração 6 -7% e nas seguintes praticamente nada de fósforo. Nos fosfatos naturais reativos a solubilidade, no solo, é realizada : pela acidez livre do solo ( H + ); ação dos ácidos orgânicos sintetizados pelos microorganismos na mineralização da matéria orgânica; pelas secreções ácidas das raízes . Nas pontas das raízes exite sempre uma zona ácida que provoca a solubilização do fósforo do fosfato natural reativo; ação do CO2 do ar do solo ; quando sofrem um rigoroso processo de moagem ou seja, moídos a um grau elevado de finura e devido a sua natureza branda, os fosfatos naturais altamente reativos não tem similar; Ocorre, também, o processo de fixação, mas bem menor que àquele sofrido pelos fosfatos solúveis em água, pois as quantidades disponíveis de fósforo são bem menores durante um mesmo período. A solubilização dos fosfatos naturais altamente reativos é constante;
  2. parte do fósforo disponível é absorvida pelas plantas e outra pelos microorganismos (fósforo imobilizado);
  3. a pequena parte do fósforo fixado voltará a tornar-se disponível pela ação dos ácidos orgânicos do solo, pela acidez livre (H+), pelas secreções ácidas das raízes e pelo CO2 do ar do solo;
  4. o fósforo imobilizado pode tornar-se novamente disponível pela mineralização da matéria orgânica.

Compare os ciclos dos fosfatos acidulados (texto já postado) com este dos fosfatos naturais reativos. Quando indico fosfatos naturais para serem aplicados diretamente na agricultura refiro-me aos REATIVOS.

Clique aqui para ler este artigo na Agronomia Com Gismonti