Conhecendo os hormônios do Leite de Vaca Rio Branco, Acre

Olhe para as imagens dos úberes gigantes de vacas leiteiras tratadas com rBST e não será difícil de imaginar a função do hormônio [transgênico] artificial. Este causador do aumento dos índices de câncer de mama e de próstata, puberdade precoce e obesidade nos Estados Unidos. Leia mais abaixo.

Elcimar F. Ferreira
(68) 3223-3857
etr Usina, 1321, Aviário
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
D. M. S. Borges - Me
(68) 3226-6655
av Nações Unidas, 2123, Estação Experimental
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
A. Palu Junior
(68) 3224-1998
r Quintino Bocaiúva, 1452, Bsq
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
F . Moura Felix - Me
(68) 3227-7182
r Rio de Janeiro, 1564, Floresta
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
J. Felix Ferreira
(68) 3026-1037
r Rio de Janeiro, 1854, Qd D 9 Cs 2, Base
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
E. C. Vieira - Me
(68) 3223-3857
r Hugo Carneiro, 227, Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
F. Junior Vieira de Oliveira
(68) 3026-1046
r Deodoro,Mal, 159, Sl 244, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
D Lago
(68) 3026-2495
r Rubens Carneiro, s/n, Sn, Abrahão Alab
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Cometa Restaurante Ltda
(68) 3224-2115
r Quintino Bocaiúva, 223, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
I. J. Schaefer -me
(68) 3228-4088
av Getúlio Vargas, 3242, Vl Ivonete
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Conhecendo os hormônios do Leite de Vaca

Publicidade Olhe para as imagens dos úberes gigantes de vacas leiteiras tratadas com rBST e não será difícil de imaginar a função do hormônio [transgênico] artificial no aumento dos índices de câncer de mama e de próstata, puberdade precoce e obesidade nos Estados Unidos.

Apesar disso, os produtores de leite nos EUA e funcionários do ministério da agricultura continuam dizendo que o Posilac, desenvolvido pela Monsanto, que é utilizado no leite desde 1994 sem ser rotulado é seguro. (S)

Criado através da combinação do DNA da vaca com o da bactéria Escherichia coli, a somatrotopina recombinante de crescimento bovino, o rBST foi desenvolvido para que as vacas produzam mais leite. Esta foi uma das primeiras substâncias geneticamente modificadas aprovadas para consumo pelo FDA, em 1993. (S)
Atualmente, o rBST continua proibido no Canadá, Japão, União Européia, Austrália, Nova Zelândia e em todos os demais, com a exceção de 19 países, na maioria não-industrializados [entre eles o Brasil]. Para a Monsanto isso resulta de uma "sobreoferta de produtos lácteos" e não de questões levantadas sobre a segurança.

De fato, quanto mais você aprende sobre o rBST, mais você se pergunta como alguém pode acreditar que isso é seguro.

Por exemplo um estudo feito em ratos pela Monsanto para obter aprovação junto ao FDA que não foi publicado: a empresa alega que nenhum rato absorveu o hormônio rBST em sua corrente sanguínea e que, portanto, não haveria necessidade de outros estudos toxicológicos. Mas cientistas canadenses, que obtiveram o estudo, descobriram que de 20% a 30% dos ratos absorveram o rBST e que havia grandes concentrações do produto em suas próstatas. Também havia cistos na tiróide.

Isto inspirou os senadores de Vermont Patrick Leahy e James Jeffords a questionarem o U.S. Health and Human Services Department para que fosse investigada formalmente a aprovação do rBST, em 1998, pelo FDA, principalmente pelo fato de que o funcionário encarregado da rotulagem do rBST, Michael R. Taylor, foi vice-presidente da Monsanto. E também considerando que um pesquisador encarregado da avaliação do hormônio no FDA havia feito o mesmo trabalho na Mosanto.(...)

Enquanto o sentimento anti-rBST cresce nos EUA e os consumidores perguntam "O que estamos bebendo", os executivos da Monsanto afirmam que o novo leite livre de rBST é uma estratégia de marketing desonesta.
Eles conhecem um pouco sobre desonestidade no marketing.

Fonte: FONTE: http://www.bestsyndication.com/?q=111806_hormones-dairy-industry-cut-back-bst.htm - 19/11/2006- Último acesso em 02/02/2009

Clique aqui para ler este artigo na Portal Nutrição