Cuidados na proteção dos mamíferos Rio Branco, Acre

Estudos revelam que serão necessárias muitas providências especiais para proteger os mamíferos. Os pesquisadores argumentam que as reservas não serão suficientes para conter o avanço da degradação ambiental. Analise a dissertação sobre biodiversidade e proteção do ecossistema.

I C Maciel
(68) 3224-2307
r João Donato, 93, Ipase
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Amazon Empreendimentos Imobiliarios
(68) 3026-2792
r Quintino Bocaiúva, 238, Cs, Bsq
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Imobiliaria El Elyon Ltda
(68) 3226-1900
etr Dias Martins, 259, Estação Experimental
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
A C B Diogenes Me
(68) 3224-3887
r Rui Barbosa, 112, Sl 2, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Alves Informatica Ltda
(68) 3026-5074
r Bosco,Dom, 290, Tr Ed Lilian Deise, Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Ipe Construtora Moura Leite Imp. e Exp. Ltda
(68) 3026-2737
av Nações Unidas, 840, Fds, Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Wolstein & Wolstein Ltda
(68) 3223-3303
cj Xavier Maia, s/n, Qd 23 Lt 7, Vl Ivonete
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Cardoso & Rodrigues Ltda
(68) 3227-6200
av Nações Unidas, 1538, Sl B, Abrahão Alab
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Data Control Instituto de Pesquisa Ltda
(68) 3223-9063
tr Antimary, 273, Aviário
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Agencia Reguladora dos Servicos Publicos do Estado do Acre
(68) 3211-1800
r Valério Magalhães, 172, Prd, Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Cuidados na proteção dos mamíferos

Editoria: Vininha F. Carvalho3/3/2006

Reserva sózinha não protege mamíferos, afirmam estudos

Dois estudos publicados mostram que proteger a biodiversidade da Terra será um trabalho ainda mais delicado do que se supunha. Um deles revela que, se o objetivo é proteger uma fração minimamente decente de todas as espécies de mamífero do globo, serão precisos uns 11% da superfície da Terra, coisa demais para simplesmente transformar em reservas. O outro sugere que mamíferos grandes são intrinsecamente vulneráveis a extinções, e precisam de cuidados especiais.

Os dois estão na prestigiosa revista americana "Science", e envolvem um mapeamento detalhado de milhares de espécies do grupo a que pertence o ser humano. O grupo liderado por Gerardo Ceballos, da Universidade Nacional Autônoma do México, usou dados sobre a distribuição geográfica de 4.795 espécies (deixando de lado apenas os mamíferos marinhos) para estabelecer prioridades mundiais de conservação --ou seja, quantas e quais áreas precisam ser protegidas com mais urgência para salvar os bichos.

A unidade básica desse projeto mundial de proteção seriam "células" com área de 100 mil quilômetros quadrados. Com os parâmetros de cada espécie em mãos, a equipe pôs para funcionar uma simulação para computador chamada Marxan, que ajuda justamente a estabelecer os melhores locais para proteção. A condição imposta às simulações era conseguir proteger pelo menos 10% da área ocupada por cada espécie, o mínimo considerado adequado hoje pelos ecólogos.

Depois de 250 simulações, o programa concluiu que pelo menos 1.702 células, mais de 17 milhões de quilômetros quadrados, seriam necessárias para cumprir o critério de proteção. Trata-se de 11% da superfície seca do planeta, sem contar as áreas permanentemente cobertas por gelo. A boa notícia é que 95% das células podem ser trocadas por outras sem prejuízo da proteção almejada; a má é que 80% delas já foram afetadas pela agricultura de alguma forma.

"A conservação em áreas protegidas não pode ser a única estratégia", conclui o grupo. Eles sugerem incentivos financeiros para que áreas com utilização econômica também possam manter sua biodiversidade.

Já o trabalho de Marcel Cardillo e seus colegas do Imperial College, no Reino Unido, sugere que é um péssimo negócio ser mamífero e pesar mais de três quilos. Usando dados de espécies ameaçadas de extinção, eles verificaram que, acima dessa dimensão, os mamíferos ficam muito mais vulneráveis, aparentemente por causa de fatores da sua própria biologia.

"Sabíamos há muito tempo que o tamanho grande traz certas desvantagens, como baixa taxa de reprodução e baixa densidade demográfica", contou Cardillo à Folha. O tempo de desmame também é importante.

"Nosso estudo, porém, mostra dois problemas extra causados pelo tamanho. Há uma interação entre ser grande e vários fatores de risco, o que significa que uma taxa reprodutiva menor atrapalha mais quando você é grande", diz ele. "Ainda não sabemos o significado exato dos 3 kg - pode ser só o tamanho em torno do qual os efeitos cumulativos desses vários fatores de risco passam a operar."

Resumo da ópera: "Num mundo dominado por humanos, o tamanho grande parece ser uma desvantagem muito maior do que imaginávamos, e maior é a necessidade de proteger a diversidade de grandes mamíferos".

Fonte: Folha Online

Clique aqui para ler este artigo na Animalivre