Depilação definitiva Vitória, Espírito Santo

Tudo o que você sempre quis saber sobre depilacao definitiva e nunca teve a chance de perguntar. As novas máquinas permitem que peles negras, morenas e bronzeadas também sejam depiladas. Veja mais sobre este assunto no artigo abaixo.

Lilian Rodrigues Leitao
Vitoria, Espírito Santo
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Henrique Tomasi Anal Clin Pat
Vitoria, Espírito Santo
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Cais - Centro de Atencao Integral A Saude do Adolescente e Adulto Jovem Ltda.
(27) 3227-6302
r Neves Armond, 55, Sl 101, Pr do Suá
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Clínica Santa Helena de Saúde Ltda
(27) 3227-5381
r Soído,Alm, 50, Praia de Sta Helena
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Centro - Clinica Medica e Seguranca do Trabalho Ltda
(27) 3327-4758
av Adalberto Simão Nader, 1601, República
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Alceu de Azevedo Falcao Neto
(27) 3225-6224
Av. Ns. da Penha 367
Vitoria, Espírito Santo
Especialidade
Administração em Saúde

Dados Divulgados por
Alfredo Silbermann Medicina Nuclear
273-3155
R Jose Teixeira 300 - Junto a Vila Diagnostico
Vitoria, Espírito Santo
Especialidade
Medicina Nuclear

Dados Divulgados por
CDI - Centro de Diagnóstico por Imagem
(27) 3334-1313
r José Teixeira, 509, Pr do Canto
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Cenog - Centro Medico e Odontologico Ltda
(27) 3224-5765
pça San Martin, 84, Sl 710, Pr do Canto
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Cliar - Clínica de Aparelho Respiratório
(27) 3225-6518
r Leocádia Pedra dos Santos, 130, Enseada do Suá
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Depilação definitiva

Tudo o que você sempre quis saber sobre o assunto e nunca teve a chance de perguntar

Se os seus pêlos formam uma discreta, suave, sexy penugem loira, harmoniosamente distribuída pelo seu corpo, a depilação a laser, definitivamente, não é prioridade na sua vida. Mas, se você faz parte da legião de mulheres que sofre com uma massa de fios escuros, grossos, rebeldes, espalhados pelo corpo todo, o método pode ser libertador. Sim, porque ao final de algumas sessões praticamente 100% dos pêlos terão desaparecido. Além disso, já na segunda aplicação, eles estarão mais claros e finos. Outra boa notícia é que o laser está democrático: novas máquinas permitem que peles negras, morenas e bronzeadas também sejam depiladas. Especialistas na área contam, tintim por tintim, os segredos da técnica.

Como o laser funciona?

Ele elimina o pêlo porque a sua energia, em forma de luz, é atraída e captada pela melanina, pigmento presente na haste do fio e responsável pela sua coloração. Essa energia térmica destrói ou retarda a capacidade de o folículo produzir um novo fio. Os pêlos que não são eliminados na hora crescem lentamente, mais claros e finos. “Quanto mais escuro o pêlo, melhor ou resultado com o laser”, explica a dermatologista Claudia Marçal.

A aplicação dói?

Depende. Se você agüenta firme a cera, não vai sofrer tanto assim com o laser. Mas saiba que há, sim, um desconforto em cada disparo. “A sensação de ardência varia conforme a sensibilidade de cada mulher, a área que está sendo depilada, o nível de stress e até o período do ciclo menstrual”, explica a especialista em laser Alessandra Passos. “Quanto mais fina e sensível for a pele, maior é a sensação de desconforto”, complementa a dermatologista Claudia Marçal. O uso de anestésicos locais, como o Emla e o Anestop, tornam as sessões menos doloridas — principalmente em áreas mais sensíveis, como o buço, ou em sessões longas.

Como fica a pele após a primeira sessão?

O local fica quente e vermelho. “O incômodo dura de duas a quatro horas em média e, posteriormente, algumas áreas podem escurecer um pouco e formar crostinhas, que desaparecem em questão de dias”, diz o cirurgião dermatológico, especialista em laser, João Carlos Pereira.

Para quais áreas o laser é mais indicado?

“Todas as áreas do corpo respondem bem a ele”, diz o cirurgião plástico Marcelo Mariano.

Qual o número mínimo de sessões? Por quê?

Segundo a Sociedade Brasileira de Laser, o tratamento dura seis sessões, em média. A cada aplicação, muitos dos folículos pilosos são destruídos, não produzindo mais pêlos, enquanto outros são danificados, permitindo que os fios voltem a nascer. A cada sessão adicional, os sobreviventes vão diminuindo e, depois de quatro a seis aplicações, restarão apenas alguns pêlos na área tratada.

Se eu tiver poucos pêlos, posso eliminá-los em uma só sessão?

Não. O pêlo só é destruído durante a fase de crescimento. Mesmo em uma área com poucos fios, parte estará crescendo, parte em repouso. As sessões são realizadas em média a cada 30 dias para que possam atingir os pêlos nas duas fases. “Após a primeira aplicação, os resultados já são visíveis e, ao final de seis aplicações, quase todos os pêlos são eliminados”, explica o cirurgião dermatológico João Carlos Pereira.

Que cuidados devo ter antes e depois da sessão?

“O ideal é ficar pelo menos três semanas sem tomar banho de sol antes de começar o tratamento”, conta o dermatologista Erasmo Tokarski. Depois de cada sessão, é comum a aplicação de um gel calmante ainda na clínica. Evite calor ou transpiração intensos e sol no local. No caso de ardência ou queimação, faça compressas geladas por 30 minutos.

Há algum perigo no uso do laser?

Sim. Se a intensidade do aparelho não for bem calculada, podem ocorrer queimaduras de segundo grau, formação de bolhas em alguns pontos ou ainda o escurecimento temporário da região afetada. “Por isso mesmo, o ideal é que a primeira sessão seja bem leve, numa baixa graduação do aparelho. Assim, o profissional pode avaliar a pele”, destaca a dermatologista Alessandra Passos. Dependendo do tipo de laser utilizado, se você tomar sol diretamente na área depilada nos primeiros dias após a sessão, corre o risco de manchar.

As negras correm mais risco de ter manchas?

Depende. Apesar de o laser ser atraído pela cor e de as negras possuírem maior quantidade de melanina (substância que dá o tom à pele), os aparelhos modernos, como o Quantum e o Light Sheer, apresentam um mecanismo de regulagem do comprimento e da intensidade da luz. Isso permite que mulheres de pele morena ou negra possam fazer a depilação sem o risco de manchar.

Como vou saber qual é o melhor tipo de laser?

No Brasil, a maioria das clínicas trabalha com o Quantum e o Light Sheer, ambos de diodo, que podem ser usados em todos os tipos de pele. Mas existem ainda o laser de Alexandrite (das máquinas Apogee, GentleLaser), outro laser de diodo (da Spatouch) e a luz intensa pulsada (da Quantum HR e Epilight). Só o médico especializado em laser sabe o que é melhor para você.

Laser é igual a luz pulsada intensa?

Não exatamente. O resultado e o princípio de destruição do pêlo são os mesmos, mas a operacão é diferente. A luz pulsada — diferentemente do laser — tem um comprimento de onda luminosa específico para reduzir o folículo de forma gradual. “Por ser mais suave, pode ser usada em peles morenas, negras e asiáticas, em qualquer coloração de pêlo (loiro, castanho, ruivo ou preto) e no corpo todo”, explica a dermatologista Claudia Marçal. A grande desvantagem é que o tratamento com a luz pulsada é um pouco mais demorado: exige, em média, duas ou três sessões a mais do que o laser.

Se eu usar descolorante, o laser não funciona?

Há controvérsias. Alguns profissionais liberam o uso, já que a descoloração é apenas na parte externa do pêlo. Outros afirmam que o descolorante prejudica a ação do laser. Na dúvida, é melhor manter o fio escuro antes de cada sessão.

A depilação é para sempre?

“Não. Nenhum laser proporciona depilação definitiva, já que alguns podem voltar a nascer após algum tempo. É necessária uma manutenção anual, para o pêlo mais teimoso que possa surgir”, explica o dermatologista Cássio Villaça, professor assistente de dermatologia e cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Porém a associação da técnica certa com um bom profissional e um aparelho qualificado para o tipo de pele garante depilações duradouras.

Como é a manutenção?

Depende do aparecimento de novos pêlos no local. Imagine a pele como um campo semeado. Você pode retirar toda a plantação madura, mas nada impede que uma semente esquecida germine depois de alguns meses ou anos. Com o pêlo acontece a mesma coisa. “Isso é possível porque existem folículos imaturos, que vão se desenvolver no futuro”, explica a cirurgiã plástica Cristina Camargo.

Durante o tratamento, posso me depilar?

A depilação com cera quente ou fria, pinça ou eletrólise deve ser evitada por entre quatro e seis semanas antes e durante o tratamento a laser. “O uso de lâminas e cremes depilatórios é permitido porque esses procedimentos preservam a estrutura do pêlo, mantendo sua haste intacta no folículo”, explica a dermatologista Jozian Quental Mendes.

Posso tomar sol após a sessão?

Depende. Algumas clínicas estéticas já disponibilizam no Brasil um tipo de laser que permite o sol após a sessão. “Ele atravessa a epiderme sem marcá-la, agindo diretamente na raiz do pêlo. Isso impede que a pele manche”, explica a dermatologista Alessandra Passos. “A desvantagem é que, por atuar em uma camada muito vascularizada, repleta de terminações nervosas, a sessão é mais dolorida que a do laser normal”, complementa. As áreas próximas aos joelhos e aos tornozelos são mais sensíveis. O laser evita o encravamento, muito comum nas virilhas. As axilas podem ser depiladas com lâmina durante o tratamento. Prepare-se: o buço é um dos locais mais doloridos.

Clique aqui para ler este artigo no Guia da Plastica