Descobrindo o significado de Nepotismo Belo Horizonte, Minas Gerais

Definição:"NEPOTISMO é a autoridade que os sobrinhos e outros parentes do Papa exerciam na administração eclesiástica; protecionismo; compradesco; filhotismo; favoritismo; patronato." Em outras palavras, o conhecido "QI", não de Quociente de Inteligência, mas de "Quem Indica".

Advocacia e Consultoria Joel Rezende Júnior
(31) 3212-3252
r Curitiba, 778 Cj 202, Centro
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Adriano Stanley Advocacia e Mediação
(31) 3241-6989
av Andradas, 2287 S 1410, Floresta
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia de Família
(31) 3295-6030
r Juiz de Fora, 284 Cjs 410, Barro Preto
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia Despachante e Prestação de Serviços
(31) 3272-2012
r Carijós, 136 An 9 S 902, Centro
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia Brito
(31) 3271-0174
av Contorno, 11460, Barro Preto
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia Celso Botelho de Moraes S/c
(31) 3337-9406
av Contorno, 8000 S 1308, Lourdes
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia Araújo
(31) 3222-2441
av Amazonas, 885 S 331,Centro
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia Comercial
(31) 3295-2645
av Augusto Lima, 1646 S 907, Barro Preto
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia Empresarial Doutor Vinícios Leôncio
(31) 3291-5552
r Bernardo Guimarães, 2978, Lourdes
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia Daniel Cesar Coelho e Glauciane Melo
(31) 3222-6155
r Guajajaras, 40 S 302, Centro
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Descobrindo o significado de Nepotismo

Em debate após a proibição de contratação de parentes para ocupar cargos em comissão (os chamados cargos de confiança) pelo judiciário, o assunto começa a ferver sobre a prática no Executivo e Legislativo.

Em primeiro lugar a definição: "NEPOTISMO é a autoridade que os sobrinhos e outros parentes do Papa exerciam na administração eclesiástica; protecionismo; compradesco; filhotismo; favoritismo; patronato." Em outras palavras, o conhecido "QI", não de Quociente de Inteligência, mas de "Quem Indica".

No atual debate, a ocupação de cargos em comissão por parentes de quem tem o poder de designação no setor público: juiz, governador, prefeito, vereador...

Tradição no Brasil desde os tempos do império, a situação começou a mudar com a Constituição Federal - CF - de 1988.

A CF procurou disciplinar o acesso aos cargos públicos, estabelecendo que "a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração [Art. 37-Inc.II- da CF]."

O princípio do legislador foi no sentido de que o acesso aos cargos se dá por competência em processo amplamente divulgado, tornando-os acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei. No entanto, manteve-se uma exceção: a livre nomeação através dos "cargos em comissão."

Essa exceção deveu-se à necessidade do administrador público de nomear, principalmente para os altos cargos políticos, nomes de sua mais ampla confiança e de competência indiscutível.

Nesta brecha da lei, muitos mandatários chamam os parentes, independente da questão da competência. Inclusive defendem que os mesmos são competentes. É claro que não são, pois se fossem fariam concurso público.

A proibição deve ser feita em todos os níveis, pois o que está ocorrendo é uma verdadeira festa com o nosso dinheiro. A solução também passa pela diminuição drástica dos cargos em comissão.

É por essa brecha que se explicam os desmandos e atos incompetentes que exaurem com recursos públicos que deveriam estar sendo aplicados em favor da população.

Sobre o Autor
Professor de Economia e Finanças - Palestrante

Artigos.com