Desenvolva o senso crítico Arapiraca, Alagoas

Analise como as informações tendenciosas afetam o púplico. O economista Antônio Lopes de Sá disserta sobre a capacidade de interpretação de matérias e notícias veiculadas nos meios de comunicação. “Existem hoje indústrias de informação que conduzem preferências, opiniões, inspiram medo, geram guerras, convulsões sociais e mais”, ele opina.

Insight Espaço Terapêutico
(82) 3358-4001
r Clementino Monte, 92, Farol
Maceió, Alagoas

Dados Divulgados por
Consultório de Psicologia Metamorfose
(82) 3241-2730
r Guido Duarte, 46 Sala 10
Maceió, Alagoas

Dados Divulgados por
Centro de Treinamento e Atendimento Psicológico Ltda
(82) 3376-9119
r Manaus, 335, Prado
Maceió, Alagoas

Dados Divulgados por
Gabinete de Psicologia Aplicada
(82) 3337-5003
av Dr Antônio Gouveia, 61 sl 4
Maceió, Alagoas

Dados Divulgados por
Carlos Alberto Vieira Fonseca
(82) 3337-2900
r Eng Mário Gusmão, 18 sl 5, Ponta Verde
Maceió, Alagoas

Dados Divulgados por
Cleide de Sousa Barros Graça Costa Melo
(82) 9969-5494
r Dr José Afonso Melo, 68 Sl. 605, Jatiúca
Maceió, Alagoas

Dados Divulgados por
PSICOLOGIA - Infantil, Adolescente e Adulto / PSICOPEDAGOGA
(82) 3241-3920
Harmony - Centro de Relações Médicas, Jatiúca, sala 605.
Maceió, Alagoas
 
Consultório de Psicologia Dra Liedja Santos Rocha
82 3529 9600 8827 7420
Rua Nossa Senhora de Fátima, 218. Centro
Arapiraca, Alagoas
 
Clínica Interdisciplinar Eunice Toledo
(82) 3325-9698
av Pretestato Ferreira Machado, 1490, Jatiúca
Maceió, Alagoas

Dados Divulgados por
Centro de Crescimento Humano
(82) 3241-2541
r Antônio Procópio, 625, Pinheiro
Maceió, Alagoas

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Desenvolva o senso crítico

Antônio Lopes de Sá



Toda informação merece reflexão, ou seja, deve passar pelo crivo de nosso raciocínio.
Aceitar, simplesmente o que veicula um jornal, o rádio, a televisão, um balanço, uma instrução normativa, um edital, seja o que for, é uma forma de “submissão” e um risco permanente.


O ser “submisso” renuncia ao mais sagrado dos direitos e que é o da “liberdade de pensamento”.
A grande doação do destino da capacidade de pensar é um direito, mas, também um dever perante nossa própria consciência.


O julgamento que fazemos das coisas é o que nos capacita a ser úteis e tal função é a da própria razão de existir.
Quando deixamos de exercer o raciocínio nos entregamos em mãos de terceiros, estes nem sempre honestos.
Os bons exemplos devem ser modelos, mas, mesmo eles precisam ser examinados à luz das circunstâncias no curso da evolução.


Até mesmo o que se apresenta como “modernidade” deve merecer a suspeição conveniente, pois, pode estar envolvido em banalidade.
Especialmente deve ser restritivo perante nossa aceitação o que se reconhece como “consenso”.
Há mais de dois milênios e meio Buda advertia que não se deve crer em algo apenas porque muita gente acredita.


O “consensual” pode ser efeito de um conjunto de idéias derivadas de seres incapazes; sobre isso o grande pensador Lyotard, dos mais expressivos da atualidade, muito advertiu em sua “Condição pós-moderna”.
O fato de muitos aceitarem um procedimento não o faz verdadeiro por isso.
A maioria dos médicos, a tida como “elite médica” ao tempo de Pasteur lecionava sobre a “geração espontânea” e isso era “consenso” na época.


Pasteur, sozinho, voz isolada, insurgiu-se contra o consensual referido e foi o gênio do mesmo que deu origem a Microbiologia, provando que “não existia” a referida geração.
Povos inteiros na antiguidade consagraram sacrifícios de seres humanos, escravidão, pilhagens, tudo por “consenso”.
Houve época em que por “consenso” se admitia que o sol girava em torno da Terra.


O mal da crença no consensual, mesmo com todos os defeitos comprovados, ainda não serviu de lição a humanidade, ou seja, a maioria dos homens ainda não aprendeu a distinguir “verdade” de “consensualidade”.


Existem hoje “indústrias de informação” que conduzem preferências, opiniões, inspirar medo, geram guerras e convulsões sociais e mais.
Portanto, a cautela, a proteção em relação ao risco da má informação, estará sempre em analisá-la, buscar conhecer a realidade, duvidando sempre do que com muita justificativa se apresenta, de forma insistente.

Clique aqui para ler este artigo em Professor Antônio Lopes de Sá