Educação sexual para crianças Fortaleza, Ceará

A educação sexual para crianças deve ser feita sem preconceitos ou receios.Há que se considerar que muitos pais se abstêm de falar ou não sabem como falar e ensinar as crianças e adolescentes sobre o assunto sexo. No entanto, as crianças desde pequenas já dançam, sem saber, músicas com letras e gestos que falam sobre sexo, namoro, beijos, transas, etc.

Easy Way Intercâmbios
(85) 9608-4689
Av. Santos Dumont, 3060 Sala 515
Fortaleza, Ceará
 
Escolinha Recanto Infantil Sc
(85) 226-5223
r Aratanha, 1103, Barra Do Ceará
Fortaleza, Ceará
 
Escola Maranata Sc Ltda
(85) 286-2433
r Cesar Correia, 303, Cristo Redentor
Fortaleza, Ceará
 
Escolinha do Re Mi
(85) 286-3067
r Ferrea Kilometro Sete, 1070
Fortaleza, Ceará
 
Zuleida X Freitas
(85) 223-7815
r Conselheiro Alvaro de Oliveira, 367, Alagadico
Fortaleza, Ceará
 
Palestrante André Morrevi
(85) 8701-9080
Rua Otoni Façanha de Sá 09
Fortaleza, Ceará
 
Inst Educacional Pimpolho
(85) 284-3466
r Palmacia, 51, Vila Velha
Fortaleza, Ceará
 
Lúcia P Furtado
(85) 272-3246
r Fiscal Vieira, 3842, Joaquim Tavora
Fortaleza, Ceará
 
Escola Infantil Futuro DR
(85) 290-3032
r Maceió, 101, Henrique Jorge
Fortaleza, Ceará
 
Maria e Souza
(85) 469-0138
r 0093, 841, et 3, Prefeito José Walter
Fortaleza, Ceará
 

Educação sexual para crianças

QUANDO O ASSUNTO É SEXO

Por Sonia das Graças Oliveira Silva


A educação das crianças começa no nascimento, isso é fato. E vale também para a educação sexual. Os primeiros e principais responsáveis são os pais. Depois, os pais contam com outros adultos para ajudá-los nesta difícil tarefa de educar, ou seja, os professores.

Nos dias atuais, em que a maioria das mulheres que são mães e precisam trabalhar deixam seus filhos, desde cedo, nas escolas, torna-se muito importante a colaboração destes profissionais. Mas muitas crianças ainda ficam em casa, sem escola e algumas tem como babá a telinha da TV, ou em casos muito piores, as ruas.

Infelizmente, existe uma grande erotização das crianças e adolescentes na sociedade e isso acarreta cada vez mais problemas na área do comportamento sexual. Percebe-se no Brasil um alto índice de adolescentes grávidas, quase crianças com crianças no colo, o que ocasiona muitos problemas familiares com esses pequenos seres.

br />
Muitas crianças ouvem falar em usar camisinha sem ter a noção de que "camisinha é essa". Ouvem falar em AIDS, mas não sabem o que vem a ser isso. As crianças, por não terem ainda capacidade de entender o que é tudo isso, se é certo ou errado, precisam ser protegidas. E a saída, com certeza, é direcionar a educação sexual cada vez mais para os mais jovens.

A maioria dos adolescentes, por mais incrível que pareça, em detrimento de tanta informação veiculada, é pouco informada a respeito da própria sexualidade e reprodução. Muitos não sabem dizer "não" ao sexo indesejado, nem sabem negociar a prática do sexo seguro.

O sexo é uma parte importante e significativa da vida. No sexo, como em muitas outras partes da vida, é importante saber respeitar a si mesmo em primeiro lugar para depois respeitar os outros. Isso inclui a capacidade de saber dizer não quando não se quer! Nem sempre é fácil dizer não! Muitas vezes o desejo de dizer não entra em conflito com o que os amigos pensam, ou o namorado quer...

Apesar do grande número de adolescentes grávidas, muitos pais ainda acreditam que negando informações aos jovens sobre sexualidade e contracepção, estarão evitando o início precoce da vida sexual. O que ocorre, de fato, é que a educação sexual de qualidade dá aos jovens condições para escolherem o momento apropriado para o início da vida sexual segura, saudável e prazerosa.

Na adolescência, a curiosidade é enorme, os jovens querem respostas a todo custo, mas têm dificuldades em perguntar para as pessoas certas. A tarefa de dar as respostas certas fica, normalmente, para o profissional que é especialista no assunto, mas ele não pode atuar sozinho. O resultado é melhor quando é feito em parceria com outros professores, quando é usada a tecnologia, como filmes educativos, vídeos, etc.

É importante uma dose de carinho dos professores na hora de satisfazer a curiosidade; a informação deve ser precisa, pois muitas vezes o (a) jovem até já iniciou sua vida sexual precocemente e está ávido (a) por uma resposta para o seu problema.

Pesquisas mostram que o adolescente que recebe educação sexual na escola, ou que é bem orientado desde pequeno pelos pais, costuma adiar sua primeira vez, ou ainda, o faz de maneira mais responsável.

Quando o professor e os pais reconhecem a complexidade do assunto e exercem seus papéis com dignidade, eles estarão contribuindo para o entendimento dos adolescentes de que sexo é natural, pode dar prazer, mas necessita de muita responsabilidade e maturidade para isso.

Sobre o Autor

Professora, Empresária, Pós-Graduação (Especialista) em Educação Infantil pela UFJF e também Pós Graduada em Mídia e Deficiência pela Universidade Federal de Juiz de Fora, Mg. Cursando Pós-Graduação em Artes, Educação e Cultura na UFJF. Contato pelo e-mail:soniajf23@yahoo.com.br e pelo e-mail: soniajf23@gmail.com


Artigos.com