Entenda a sustentabilidade da pastagem ecológica Rio Branco, Acre

Pecuária e o aquecimento global: O enfrentamento dos problemas relacionados ao aquecimento global e as ações para atenuar as suas causas e conseqüências serão provavelmente a primeira grande luta a envolver toda a humanidade. O aquecimento global, considerado até pouco tempo assunto exclusivo da comunidade científica tornou-se hoje tema de interesse geral. Leia mais no artigo abaixo.

A. Palu Junior
(68) 3224-1998
r Quintino Bocaiúva, 1452, Bsq
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Elcimar F. Ferreira
(68) 3223-3857
etr Usina, 1321, Aviário
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
D. M. S. Borges - Me
(68) 3226-6655
av Nações Unidas, 2123, Estação Experimental
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
I. J. Schaefer -me
(68) 3228-4088
av Getúlio Vargas, 3242, Vl Ivonete
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
F. Junior Vieira de Oliveira
(68) 3026-1046
r Deodoro,Mal, 159, Sl 244, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
E. C. Vieira - Me
(68) 3223-3857
r Hugo Carneiro, 227, Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Cometa Restaurante Ltda
(68) 3224-2115
r Quintino Bocaiúva, 223, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
J. Felix Ferreira
(68) 3026-1037
r Rio de Janeiro, 1854, Qd D 9 Cs 2, Base
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
F . Moura Felix - Me
(68) 3227-7182
r Rio de Janeiro, 1564, Floresta
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
D Lago
(68) 3026-2495
r Rubens Carneiro, s/n, Sn, Abrahão Alab
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Entenda a sustentabilidade da pastagem ecológica

Pecuária e o aquecimento global:

O enfrentamento dos problemas relacionados ao aquecimento global e as ações para atenuar as suas causas e conseqüências serão provavelmente a primeira grande luta a envolver toda a humanidade, independente de raças, credos ou nacionalidades.

O aquecimento global, considerado até pouco tempo assunto exclusivo da comunidade científica (e para muitos, de ficção científica), tornou-se hoje tema de interesse geral, sendo discutido em todas as esferas, com os "vilões" se revezando no interesse dos estudiosos e da mídia. Os efeitos aparecem por toda parte; do derretimento de geleiras em todo o mundo ao furacão "Catarina", ocorrido no Brasil em março de 2004, que tornou necessário re-escrever os livros de ciência que diziam: "É impossível haver furacões no Atlântico Sul" (Gore, 2006).

Recente relatório da FAO "Livestock's long shadow" (Longa sombra da pecuária) colocou a produção pecuária mundial como uma grande vilã, colocando-a quanto a produção CO2 (ou equivalente), acima do sistema mundial de transportes, consumidor voraz dos combustíveis fósseis. Este relatório descreve em detalhes o impacto da criação de animais, ruminantes ou não sobre o aquecimento global.

Os valores se apresentaram assim tão elevados, por incluir no total não só todas as espécies animais da porteira para dentro, como também toda a cadeia produtiva da pecuária, incluindo o transporte, grande consumidor de energia fóssil. A realidade, porém é que a pecuária tem mesmo grande responsabilidade pelo aquecimento global, começando pelo desmatamento e queimada de florestas para o estabelecimento de pastagens e chegando à produção de metano pela fermentação ruminal e a fermentação anaeróbica dos dejetos.
O principal estrago ocorre na hora do desmatamento e queimada, já que a queima de cada hectare de floresta, com 250 T de matéria seca, lança ao espaço 500 T de CO2. Com a posterior lavra do solo para a agricultura, ocorre a "queima" da matéria orgânica reduzindo seu teor. Supondo uma redução de 3,50 % para 1,5 %, são mais 80 t de CO2 lançados no ar.

A fermentação ocorrida no rumem de um bovino de corte em pastejo, produz de 40 a 70 kg/animal/ano de metano (CH4), gás que tem um "efeito estufa" 25 vezes mais potente que o CO2., resultando entre 1 e 1,7 t/animal/ano de CO2 equivalente. No processo metabólico dos ruminantes, perde-se na forma de metano, de 2% (rações concentradas) a 18% (pastagem de má qualidade e baixa proteína bruta) da energia bruta fornecida pelos alimentos. Sendo um valor aceito como médio, em torno de 6% (Primavesi, 2007).

Em sistemas com confinamento intensivo, onde a dieta pode chegar a 90% de alimentos concentrados, a produção de metano poderá ser reduzida para 2% da energia bruta ingerida. Porém, ocorre a transferência do problema para a área agrícola, produtora dos grãos. Estas áreas, quando ocorrem problemas de arejamento (compactação ou encharcamento) e o aporte de nitrogênio, sejam pela adubação mineral, orgânica ou mesmo pela fixação biológica, resultando em presença de nitratos, o óxido nitroso (N2O) que é 250 vezes mais eficiente na retenção de calor (efeito estufa) que o CO2. Outro problema sério das criações intensivas (confinadas) de animais é a grande quantidade de dejetos produzidos, cuja fermentação anaeróbica produz o metano.

Visto que a produção de metano não pode ser dissociada da pecuária e que a atividade pecuária não pode ser suprimida nem mesmo reduzida, o que então poderá ser feito, para reduzir os seus efeitos no aquecimento global? Muita coisa pode e está já sendo feita! Porém numa escala que ainda longe da desejável e necessária!! Já existem tecnologias capazes de mitigar os efeitos da pecuária sobre o aquecimento global, algumas delas capazes mesmo de transformar a pecuária de vilã, em heroína, contribuindo para o seqüestro de carbono atmosférico!!

Na realidade, o aumento da camada de gases de efeito estufa é apenas uma das causas do aquecimento global. Esta camada de gases funciona apenas como um cobertor, que não tem a capacidade de aquecer, mas sim de conservar o calor do corpo, neste caso a Terra.

Um solo sem cobertura vegetal ou com cobertura escassa, como ocorre com as pastagens degradadas ou em regime de super-pastejo, são verdadeiros espelhos devolvendo calor ao espaço na forma de ondas longas ou radiação infravermelha. Em todo o mundo existem muitas áreas que emitem calor em excesso (acima de 300 W/m2), contribuindo para o aquecimento global. No Brasil estas áreas se concentram no Semi-árido Nordestino e agora lamentavelmente também nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, em que a cobertura vegetal permanente foi substituída por culturas que não conseguem manter folhas verdes o ano todo e com isso o serviço ambiental de vaporização de água no ar (e que retira calor do ar), atendendo a demanda atmosférica. Para deixar mais claro, o que queima mais a sola do pé descalço às 13h da tarde, com o mesmo sol a pino: a areia seca ou a úmida, numa praia, o gramado ou a calçada na cidade? Uma superfície sem ou com água, também na forma de planta verde?

Por outro lado, uma boa cobertura vegetal, que é hidrotermorreguladora, quando contém água, é a melhor forma de manter um clima com menor amplitude térmica, que é o desejável. Por exemplo: no Deserto do Saara, a temperatura varia de 0 ºC durante a noite a 50 º C durante o dia; já na Floresta Amazônica, a temperatura varia apenas de 28 ºC a 38 ºC da noite para o dia. A temperatura média é maior na floresta tropical que no deserto subtropical, porém a amplitude térmica no deserto é 5 vezes maior. Surge então a seguinte pergunta: qual dos dois locais é mais favorável à vida?

Pastagem Ecológica e serviços ambientais da pecuária sustentável:

A pecuária convencional e extensiva, baseada no pastejo contínuo (que não permite o descanso e a recuperação das forrageiras) e geralmente com lotação acima da capacidade de suporte, fator que mais contribui para a degradação das pastagens e a pecuária super-intensiva, baseada em confinamentos dependentes de grãos que são mal convertidos por ruminantes, não são sustentáveis. Para alcançar a sustentabilidade a pecuária precisa ter no seu alicerce o Manejo Sustentável das Pastagens, de forma a garantir de forma natural sustentável, em qualidade e quantidade a alimentação dos animais, que está na base da pirâmide da produção pecuária.

A sustentabilidade de uma pastagem só é obtida, quando se encontra um meio de conciliar os interesses dos animais com as necessidades das pastagens. Pastagens e animais têm interesses naturalmente conflitantes quando se usa superlotação. Sem um controle do pastejo, os animais acabam por degradar e destruir a pastagem. No sistema convencional, com o manejo (ou melhor, o não-manejo) através do pastejo contínuo, os animais se tornam verdadeiros predadores das pastagens, causando a sua degradação e consequentemente a degradação do solo, porque os animais no seu desespero por atender suas necessidades diárias de energia, são obrigados a tal façanha nociva por seus proprietários, chegando às vezes ao cúmulo do desgaste prematuro de seus dentes.

A tecnologia capaz de conciliar de forma mais eficiente os interesses de animais e pastagens, o Pastoreio Racional, que permite o descanso e a recuperação das forrageiras, hoje conhecido por Pastoreio Racional Voisin, foi formalizada por André Voisin e publicada há exatos 50 anos, através da primeira edição francesa de sua obra prima: "Productivité de l'Herbe" - Produtividade do Pasto - também publicada no Brasil em 1975 pela Editora Mestre Jou. A utilização de leguminosas, rasteiras, arbustivas e arbóreas, que têm a capacidade de fornecer nitrogênio ao sistema, aumenta também a produtividade das gramíneas e a eficiência de todo o sistema.

Aqueles que temem reduzir seus ganhos para alcançar a sustentabilidade terão uma grata surpresa: vão constatar que a Pecuária Sustentável, que é ótima para a saúde do Planeta, é também a maior amiga do "bolso" do pecuarista, pois além de minimizar o uso de insumos, gera ganhos significativos no quesito produtividade.

A Filosofia do trabalho do Voisin encontrou muitos seguidores em diversas partes do mundo, principalmente no Brasil, entre os quais me encontro. Desde 1.987, desenvolvo uma experiência em minha "Fazenda Ecológica", em Mato Grosso, com utilização do Pastoreio Voisin na formação ecológica de pastagens no Cerrado. Esta experiência resultou numa tecnologia que denominei "Manejo de Pastagem Ecológica".

A Pastagem Ecológica obtida no cerrado, sem desmatamentos, queimadas e arações do solo, pode ser também obtida a partir de uma pastagem qualquer, no curso de poucos anos, com a aplicação criteriosa do Pastoreio Racional Voisin, de uma diversificação das forrageiras e de uma arborização adequada. Os fundamentos da Pastagem Ecológica estão disponíveis em diversas publicações (Melado, 1999, 2000, 2002 e 2003) e no site: www.fazendaecologica.com.br.

A Pastagem Ecológica é a tecnologia que melhores resultados pode apresentar para colocar a pecuária no lado positivo da luta contra o aquecimento global, pois a mesma disponibiliza diversos "serviços ambientais", e outras vantagens para o produtor, possibilitando uma pecuária produtiva, sustentável e em equilíbrio com a natureza.

Por exemplo:

 Aumento da capacidade de lotação das pastagens. Com o emprego do Pastoreio Voisin, parte integrante da Pastagem Ecológica e que consiste basicamente na rotação racional das pastagens, tem se conseguido historicamente, 2 a 3 vezes a produtividade média da região onde é implantado. Hoje a média nacional de lotação é de 0,6 UA/ha (sendo 1 UA = animal com de 450 kg de peso vivo). Com a elevação da média nacional para 1,2 UA/ha, coisa fácil com a Pastagem Ecológica, podemos ter o dobro de animais na mesma área ou mesmo reduzir a área para pecuária, mantendo o tamanho do rebanho. Abre assim a possibilidade de implantação de uma política nacional, proibindo novos desmatamentos para a expansão da atividade pecuária, resultando em maior preservação da Floresta Amazônica e do Cerrado. Evitando assim a emissão de CO2 ou equivalente. No caso do cerrado, novas pastagens poderiam ser formadas, mas sem o desmatamento, como demonstrou ser possível a experiência desenvolvida na Fazenda Ecológica.

 Recuperação natural de pastagens degradadas. Esta recuperação ocorre graças principalmente ao manejo favorável (repousos suficientemente longos e ocupação por curtos períodos) proporcionado pelo "Manejo de Pastagem Ecológica", que inclui também a diversificação das forrageiras (biodiversidade) e a arborização em nível adequado. O resultado é um solo com três camadas de proteção: o dossel formado pelas árvores e forrageiras, os restos vegetais ou serrapilheira e a malha de raízes. Isto aumenta a capacidade de absorver e reter água das chuvas (maior teor de M.O. no solo e efeito quebra-ventos), diminuindo a amplitude térmica e prolongando o ciclo hidrológico.

 Aumento da biodiversidade da pastagem. A Pastagem Ecológica já prevê uma diversificação das forrageiras, esta diversificação é ainda favorecida pelo pastoreio intensivo. No pastoreio intensivo e racional (Voisin), o gado deixa o seu hábito natural de "pastejo seletivo", e adquire o hábito de "pastejo voraz". Se com o pastejo seletivo ocorre uma redução de espécies e o favorecimento das espécies mais rústicas (menos palatáveis e pouco produtivas), com o pastejo voraz, o gado consome todas as espécies (das mais às menos palatáveis), favorecendo a biodiversidade e as forrageiras mais vigorosas e produtivas. A biodiversidade é também favorecida pela introdução de arbóreas de diversas espécies, de preferência nativas e leguminosas, num esquema rumo a sistemas silvipastoris, muito desejáveis em regiões tropicais.

 Melhoria das condições de fertilidade e permeabilidade do solo. A deposição concentrada de dejetos, além da fertilização direta, aumenta o nível de matéria orgânica e estimula o desenvolvimento da biocenose do solo, que por sua vez promove disponibilização de nutrientes antes indisponíveis. O desenvolvimento de meso organismos como as minhocas e besouros, contribui ainda mais para melhorar a estrutura do solo, além do efeito das raízes biodiversas, tornando-o mais permeável e com maior capacidade de absorção e retenção de água.

 Redução do nível de resíduos. Com a Pastagem Ecológica, ocorre um fortalecimento natural do trinômio Solo-Pastagem-Gado, onde cada elemento tem um efeito positivo sobre os outros dois. O resultado é solo mais fértil, pastagem mais vigorosa e animais bem nutridos e sadios. Isto resulta em economia de insumos (fertilizantes, defensivos, medicamentos e suplementos) com reflexo na economia e na diminuição do nível de resíduos nos produtos e no solo.

 Controle natural de pragas, do pasto e do gado. O sistema de rodízio das pastagens tem também um efeito na desinfestação da pastagem e do gado. Como o ciclo de vida dos parasitos (internos e externos) são geralmente menores que o período de repouso do pasto, as formas jovens das "pragas", tendem a morrer antes de conseguir re-infestar o gado. Com isto quebra-se o ciclo de desenvolvimento das pragas, conseguindo sua redução sem o uso de remédios e defensivos. Menos remédios e defensivos significa além de economia, também a redução de resíduos poluentes.

 Conservação dos recursos hídricos. Pastagens densas, cobrindo totalmente o solo permeável e rico em matéria orgânica, retêm mais água contribuindo para a redução da erosão laminar, que assoreia os cursos de água. No sistema planejado para o Manejo Ecológico, são usados preferencialmente, bebedouros artificiais, evitando-se assim a contaminação das aguadas naturais e evitando que suas margens sejam danificadas pelo pisoteio do gado, ou que sejam formadas morro abaixo, trilhas que facilitam a erosão e a formação de voçorocas e o assoreamento de corpos de água.

 Diminuição da emissão de metano pelos animais. A alimentação mais abundante, variada, de melhor qualidade e nutritiva, resulta em melhor aproveitamento dos alimentos, com uma menor proporção de energia bruta ingerida perdida na forma de metano ruminal.

 Seqüestro de carbono. Com o Pastoreio Racional Voisin, a pastagem é utilizada em rodízio, de 6 a 8 vezes por ano, sempre quando o capim se encontra próximo do seu clímax de crescimento. Com isto as forrageiras são mantidas sempre em crescimento, maximizando o processo de fotossíntese e o conseqüente seqüestro de carbono, não somente pela parte aérea, mas principalmente pelo sistema radicular que consegue se recuperar adequadamente, armazenando carbono no perfil do solo. A maior parte das forrageiras consumidas pelo gado é devolvida ao solo através dos dejetos (sempre distribuídos homogeneamente pela área dos piquetes) aumentando o nível de M.O. do solo, com a conseqüente retenção do carbono. A arborização, cujo "stand" (no de árvores/ha) adequado, é muito superior ao geralmente imaginado, contribui também para aumentar o nível de seqüestro de carbono pela pastagem.

 Outras vantagens. Além destes e de outros "serviços ambientais", o Manejo de Pastagem Ecológica traz ainda outros benefícios aos produtores: aumenta a docilidade dos animais, diminuindo a mão de obra e evitando acidentes; diminui a distância caminhada pelo gado para encontrar alimento e água, reduzindo o desperdício de energia; facilita o controle dos animais e a administração da propriedade; acelera a terminação dos animais, antecipando a venda e o fluxo de caixa; antecipa o período reprodutivo das novilhas; fornece ambiente menos quente e menos seco, com mais sombra, aumentando o conforto dos animais; evita o solo desnudo e produção de calor em excesso para a atmosfera e com isso, contribui menos para o aquecimento global e mais para a conservação de água; evitando-se excessos de temperatura e maior conservação de água, tem-se a chave do sucesso da pecuária eficiente e ambientalmente correta; facilita a obtenção da certificação orgânica da propriedade.

Finalizando, dificilmente se encontrará tecnologia com maior poder de "revolucionar" a atividade pecuária, promovendo o seu desenvolvimento sustentável e colocando-a do lado positivo da luta contra o aquecimento global, que o Manejo Sustentável de Pastagens, com a Pastagem Ecológica e o Pastoreio Racional Voisin.

Bibliografia recomendada:
 GORE, A. Uma Verdade inconveniente - o que devemos saber (e fazer) sobre o aquecimento global. Barueri - SP: Manole, 2006, 328 p. Tradução de Isa Mara Lando.
 LEBRÓN, G. B. Ganaderia Racional - Producir sin Destruir. Asunción.: Intercontinental Editora, 2006. 82 p.
 MELADO, J. Formação e Manejo de Pastagem Ecológica. Viçosa, CPT, 1999. 70 p. (Manual do Videocurso de mesmo nome).
 MELADO, J. Manejo de Pastagem Ecológica - Um Conceito Para o Terceiro Milênio. Aprenda Fácil Editora, Viçosa - MG, 2000. 224 p.
 MELADO, J. Manejo Sustentável de Pastagem sem o uso do fogo. Embaixada da Itália, Brasília - DF, 2002. 60 p.
 MELADO, J. Pastagens Ecológicas: o habitat natural do bovino Orgânico. Primeira Conferência Global Virtual sobre produção Orgânica de Bovinos de Corte. INTERNET - Embrapa pantanal Corumbá - MS e Universidade do Contestado, Concórdia SC, de 02-09 a 0-10-2002, 21 p.
Disponível em: http://www.cpap.embrapa.br/agencia/
congressovirtual/pdf/portugues/03pt04.pdf
 MELADO, J. Pastoreio Racional Voisin: Fundamentos - Aplicações - Projetos. Aprenda Fácil Editora, Viçosa - MG, 2003, 300 p.
 PRIMAVESI, A. Manejo Ecológico de Pastagens. São Paulo: Editora Livraria Nobel S.A. 1.984. 184 p.
 PRIMAVESI, O, ARZABE, C, PEDREIRA, M. dos S. Mudanças climáticas: visão tropical integrada das causas, dos impactos e de possíveis soluções para ambientes rurais e urbanos. São Carlos: Embrapa Pecuária Sudeste, 2007, 200 p (Documento 70).
Disponível em: http://www.cppse.embrapa.br/servicos/
publicacaogratuita/documentos/Odo_Mud_
climaticas_2_.pdf.
 KLOCKER, Arno Hornig. Pastos Permanentes Bem Manejados. 1a. ed. São Paulo, Livraria Nobel S.A., 1985. 154 p.
 ROMERO, N. F. Alimente seus pastos com seus animais. Guaíba - RS: Livraria e Editora Agropecuária Ltda., 1994, 106 p.
 SÓRIO JR. H. Pastoreio Voisin: Teorias - Práticas - Vivências. Passo Fundo - RS: Editora da UPF, 2003, 400 p.
 VOISIN, A. Produtividade do pasto. São Paulo: Editora Mestre Jou. 1974, 520 p.
 VOISIN, A. Dinâmica das pastagens: devemos lavrar nossas pastagens para melhorá-las? São Paulo: Editora Mestre Jou. 1.979, 407 p.

---------------------------------------------------------------------------------------------
(∗) Texto básico da palestra apresentada no V CBA - Guarapari - ES, de 01 a 04 de outubro de 2007, na Mesa Redonda " Pecuária sustentável e aquecimento global".
(∗∗) Jurandir Melado é Eng. Agr., Consultor e autor de livros sobre Manejo Sustentável de Pastagem, que contou com a colaboração de Odo Primavesi na análise crítica do texto e com sugestões para seu aperfeiçoamento.
www.fazendaecologica.com.br - juramel@terra.com.br - (27) 3362-2258 / 9949-9268.

Nota: É proibida a reprodução deste texto em qualquer veículo de comunicação sem a autorização expressa do autor. Só serão permitidas citações do texto desde que acompanhadas com a referência/crédito do autor.

Fonte: Jurandir Melado∗∗

Clique aqui para ler este artigo na Portal Agricultura