Dermatologistas Brasília, DF

A larva Ancylostoma caninum causa uma lesão sinuosa e saliente, como essa lesão se assemelha a um mapa, a doença foi chamada popularmente de bicho geográfico. O veterinário Gerson Bertoni explica que a transmissão acontece após o contato do homem com o solo contaminado por fezes de cães e gatos parasitados. Compreenda outros aspectos da doença.

Casa do Gato CLínica Veterinária
(61) 3965-4090
CLN 105, Bloco A, Loja 42
Brasília, DF
 
Bradibel Brasília Distr Bebidas Ltda
(61) 585-8688
r 15, 65
Brasília, DF
 
Dogtique Veterinária
(61) 345-3610
r CLS, 413, bl a lj 16, Asa Sul
Brasília, DF
 
Dog Tique
(61) 345-3610
r CLS, 413, bl a lj 16
Brasília, DF
 
Clínica Veterinária Cia Cães
(61) 386-8334
av Dom Bosco, 3, bl 785 lj 1
Brasília, DF
 
canil macedo
61 33392898 61 98184999
shis conj 28 casa 35
brasilia, DF
 
Campetti e Campetti Ltda
(61) 244-5909
r CLS, 107, bl a lj 6
Brasília, DF
 
Giusepp A Fiore
(61) 581-6922
r Eqnm, 7, bl f lj 1
Brasília, DF
 
Veterinária Luiz Ltda
(61) 581-3948
r Qnm, 1, lot 1 cj a lj 1, Ceilandia
Brasília, DF
 
Hospital Veterinário Antônio Clemenceau
(61) 245-1369
r Sais, 14
Brasília, DF
 

Dermatologistas

Editoria: Vininha F. Carvalho1/6/2007

O bicho geográfico é uma zoonose proveniente das fezes dos cães e gatos.

O bicho geográfico ou larva migrans cutânea é uma zoonose bastante comum causada pela larva do Ancylostoma braziliense, presente nos cães, gatos e outros carnívoros, e também pela larva do Ancylostoma caninum, a qual acomete os cães.

Estas larvas pertencem ao grupo dos vermes redondos denominados de ancilostomídeos e são freqüentemente encontradas dentro dos cães e gatos, particularmente nos intestinos, dependendo de seus hospedeiros para sua nutrição. Popularmente são denominadas de vermes intestinais ou, tecnicamente, de endoparasitas.

A infestação ocorre principalmente após o contato com solo contaminado com as fezes de cães e gatos parasitados. É comum encontrarmos estes solos contaminados nas praias, tanques de areias dos parques e outros solos ricos em aeração, onde cães parasitados evacuam, disseminando assim os ovos.

Depois de dois a oito dias no meio ambiente, as larvas eclodem dos ovos e já estão prontas para penetrar na pele intacta dos animais e humanos. Nos seres humanos o parasita é incapaz de migrar para além da junção dermoepidérmica, formando uma lesão sinuosa e saliente, a qual apresenta na porção terminal uma pápula, região onde está localizada a larva. Como esta lesão se assemelham a um mapa, daí seu nome de bicho geográfico.

À medida que a larva se movimenta através do tecido dérmico provoca um intenso prurido e irritação da pele, principalmente à noite, causando na pessoa parasitada insônia e nervosismo.
Nos casos de infestações maciças poderemos ter quadros bem mais complicados com alergias locais e sistêmicas, infecções e eczematização.

O diagnóstico é feito pelo tipo de lesão na pele, tipo de prurido e pela região do corpo onde ocorre. Nos seres humanos, normalmente as partes do corpo mais afetadas são as que têm mais contato com o solo contaminado, tais como os pés, pernas, nádegas, coxas, mãos e antebraços.

Aconselha-se que devam ser evitados aqueles locais sombreados e úmidos nas praias. A proteção do corpo também é fundamental, com o uso de calçados, esteiras, toalhas, etc., impedindo assim o contato do corpo diretamente com a areia.

É conveniente salientar que a posse responsável é fundamental para os proprietários de cães e gatos de forma que haja a conscientização da importância das medidas preventivas. Estamos à disposição para o esclarecimento de dúvidas.

Uma das formas da prevenção do bicho geográfico em humanos é a vermifugação regular de todos cães e gatos. Existe atualmente no mercado bons vermífugos formulados adequadamente para este fim.

Outra medida importante é a de se evitar o acesso de cães e gatos àqueles locais públicos, principalmente praias e parques com areia, onde brincam as crianças. Além disso, a pessoa que acompanha o animal para passeio, ajudará bastante no combate a esta zoonose recolhendo suas fezes.

Fonte: Dr. Gerson Bertoni Giuntini - Biólogo, Engenheiro Agrônomo e Veterinário
Fonte Link: http://www.policlinicaveterinaria.com.br

Clique aqui para ler este artigo na Animalivre