Entendendo a gravidez psicológica dos animais Rio Branco, Acre

Compreenda os fatores que provocam a falsa gestação dos cães e outros animais. O autor descreve as raças mais propensas ao problema e a maneira como ele se desenvolve. A eclâmpsia ou tetania puerperal são os nomes científicos dessa doença, saiba como prevenir e tratar o seu animal.

Agroeste
(68) 3221-0955
r Via Chico Mendes 1114 Triangulo Velho
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
G L Silva - Me
(68) 2240-2998
r Sergipe, 174, Cerâmica
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Emporio Animal Ltda
(68) 3223-8847
r Floriano Peixoto, 815, Lj B, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Consultorio Veterinario Pet Horse
(68) 3224-3595
r Rio De Janeiro 742 Rio Branco
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
S. Gomes de Oliveira Me
(68) 3222-7272
r Quintino Bocaiúva, 407, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
J. M. de Souza Junior Me
(68) 3223-2479
r Francisco Mangabeira, 285, Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Pet Shopp Ltda
(68) 3223-3026
r Terra, 60, Adalberto Aragão
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Sales & Silva Clinica Veterinaria Ltda
(68) 3223-3536
r Aviário, 918, Aviário
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Luis Marcelo H.garrido (me
(68) 3224-3090
r Aviário, 499, Aviário
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
R. F. C. Dutra
(68) 3224-4784
r Seis de Agosto, 872, Seis de Agosto
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Entendendo a gravidez psicológica dos animais

Editoria: Vininha F. Carvalho7/8/2005

Eclâmpsia ( Tetania Puerperal)

É uma doença encontrada mais freqüentemente em pequenas e excitáveis raças de cães como chihuahuas, poodles toy e pequenos terriers, particularmente de 1 a 3 semanas após o parto.Também ocorre esporadicamente em cães maiores e gatos.

Prevenção:

Durante a gestação, uma dieta balanceada de boa qualidade, com relação cálcio-fósforo de £ 1:1 que provê a quantidade requerida de cálcio (porém não excessiva), pode suprir um mecanismo homeostático de cálcio mais responsivo ao incremento marcante na demanda lactacional.

Etiologia e patogenia :

Consideravelmente pouco é conhecido sobre a patogenia das síndromes pós-parturientes hipocalcêmicas em cães e gatos em comparação à doença que ocorre no gado.Existe pouca evidência para sugerir que a tetania puerperal em cadelas lactantes é o resultado de uma interferência na secreção do hormônio paratireóideo (PTH); de fato, os níveis de PTH parecem ser aumentados em resposta à hipocalcemia.

A hipocalcemia e hipofosfatemia severas, que se desenvolvem junto ao pico de lactação (1 a 3 semanas pós-parto), provavelmente são o resultado de um desequilíbrio entre as taxas de entrada e saída do "pool" de cálcio extracelular.

Os distúrbios funcionais associados à hipocalcemia na cadela são, primariamente, o resultado da tetania neuromuscular aumentada, em contraste àqueles observados na vaca, na qual os sinais clínicos são dominados por paresia muscular.

A ocorrência de tetania ou paresia, em resposta à hipocalcemia, parece ser o resultado de diferenças fisiológicas básicas entre a cadela e a vaca na função da junção neuromuscular.

Em vacas, a liberação de acetilcolina e a transmissão dos impulsos nervosos através das junções neuromusculares são bloqueadas pela hipocalcemia grave, que leva à paresia muscular.

O cão parece ter uma margem de segurança maior na transmissão neuromuscular, na qual o grau, cujo potencial final de placa excede o limiar de disparo, é maior que na vaca. Na cadela com hipocalcemia,a ligação excitação-secreção é mantida na junção neuromuscular.

A tetania ocorre como resultado de disparos repetitivos espontâneos das fibras motoras nervosas. Como resultado da perda de cálcio estabilizador ligado às membranas, as membranas
nervosas se tornam mais permeáveis aos íons e requerem um estímulo de menor magnitude para se despolarizarem. Achados clínicos e diagnóstico .

O curso clínico na hipocalcemia da parturiente canina é rápido, com apenas 8 a 12h de intervalo entre o aparecimento dos sinais clínicos iniciais e o desenvolvimento da tetania. Os sinais premonitórios incluem intranqüilidade, arquejo excessivo e comportamento excitável.

Em poucas horas, os sinais podem progredir para ataxia, tremores, tetania muscular e convulsões. A hipertermia está freqüentemente associada ao aumento da atividade muscular; elevações da temperatura para 42°C não são incomuns.

Na maioria dos casos, o diagnóstico é baseado na história, sinais clínicos de excitabilidade neuromuscular aumentada e resposta à terapia. O fósforo sérico está freqüentemente diminuído a um
grau comparável. A glicose sangüínea está no parâmetro normal-baixo ou diminuído como resultado da intensa atividade muscular associada à tetania.

Tratamento:

A administração EV lenta de uma solução de cálcio orgânico, como o gliconato de cálcio, deve resultar numa rápida melhora clínica e cessação dos espasmos tetânicos em 15min. Na maioria das cadelas pesando de 5 a 10kg, 5 a 10mL de gliconato de cálcio a 10% proverão cálcio suficiente.

A administração deve ser procedida vagarosamente para evitar a indução de fibrilação ventricular e parada cardíaca. Os cãezinhos devem ser removidos das cadelas por 24h para reduzir o dreno lactacional de cálcio.

Durante este período, eles devem ser alimentados com sucedâneo lácteo ou outra dieta apropriada; se eles forem suficientemente maduros, é aconselhável desmamá-los.

Dietas suplementares de cálcio e vitamina D provaram ser úteis na prevenção de recidivas em certas cadelas. Embora alguns clínicos preconizem o uso de corticosteróides além do cálcio e da vitamina D para prevenir recidivas após a terapia original, o seu valor é questionável; eles podem interferir no transporte intestinal de cálcio e aumentar a perda urinária do mesmo.

GRAVIDEZ PSICOLÓGICA (PSEUDOCIESE OU FALSA GESTAÇÃO)

Problema comum nas cadelas. Muitas vezes de difícil tratamento e solução, porque tende a
retornar. Ela pode ser a causa determinante de infecção uterina, cistos ovarianos e tumores de mama.
Os sinais ocorrem de 60 a 70 dias após o último cio de uma cadela não coberta ou não
fecundada. Surge com produção de leite e alterações de comportamento, como construção de ninhos
e adoção de objetos ou outros filhotes como se fossem seus.
Ocorre por um desequilíbrio hormonal. Normalmente ao final do Diestro (ultimo estágio de cio),
há uma queda no nível de progesterona, da mesma forma ocorre na época do parto. A progesterona é
o hormônio responsável pela preparação do útero e manutenção da prenhez. Essa queda de
progesterona, causa um estímulo a liberação do hormônio responsável pela produção de leite e
comportamento maternal, a Prolactina. A maioria das fêmeas retorna ao seu comportamento normal,
após 3 semanas, sem necessidade de tratamento. Mas esse tempo pode se prolongar se ocorrer
estímulos, como sucção das mamas, adoção de objetos como filhotes, etc.
O tratamento com hormônios possue muitos efeitos colaterais perigosos. Dar progesterona não
resolve, porque quando se suspender a administração, a produção de prolactina e leite voltam. O
estrogênio causa piometra, uma infecção grave no útero. A melhor forma de tratar o problema, é
fazer uma restrição alimentar, diminuindo a quantidade de água e alimento, para diminuir a produção
de leite e usar medicamentos não hormonais.
Não se deve ordenhar, a não ser que esteja muito cheia de leite, para não estimular mais ainda
a glândula. Também não se deve deixar a fêmea adotar outros animais ou brinquedos, porque
também estimula a produção de leite e aumenta o tempo de duração da pseudociese, o que é ruim
para o animal.
Outro problema que pode ocorrer, é um processo inflamatório das glândulas mamárias, a
mastite. As mamas ficam endurecidas, inchadas e doloridas; a fêmea se sente incomodada e não
consegue se deitar. Em casos mais graves ocorre febre, inapetência e apatia, pelo quadro infeccioso.
Neste caso se faz necessário o uso de antibiótico.
As cadelas que apresentam com freqüência a gravidez psicológica, correm mais risco de
desenvolver tumores de mama e piometra (infecção uterina grave). Neste caso é indicado a castração,
para prevenir graves problemas futuros de saúde para o animal.

Rejane S.B. Melki - Médica Veterinária - CRMV-5 4770

Fonte: Manual Merk de Veterinária

Clique aqui para ler este artigo na Animalivre