Vestibulares Rio Branco, Acre

O Ministério da Educação propõe hoje aos reitores das universidades federais que o vestibular seja substituído por um novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O estudante faria, em qualquer Estado, teste com validade nacional e escolheria curso e instituição segundo a nota obtida. Leia mais abaixo.

SESI - Serviço Social da Indústria - AC
(68) 3212-4200
av Nações Unidas, 3727, Estação Experimental
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
UFAC
(68) 3901-2571
rdv BR-364, 4000, Km 4, Dis Industrial
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Instituto de Ensino Superior do Acre
(68) 3244-1282
tr Ponta Pora, 100, Capoeira
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Sociedade Educativa Acreana Ltda
(68) 3026-1717
av Getúlio Vargas, 1268, An 2 Sl 202, Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Faculdade da Amazônia Ocidental
(68) 2106-8200
etr Dias Martins, 894, Ch Ipê
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
R. L. P. dos Santos - Me
(68) 3221-2301
r Deodoro,Mal, 236, 2 An, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
A F Carneiro
(68) 3224-1946
r Bartolomeu Bueno, 163, Cs, Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
M. S. Pre-vestibular Ltda
(68) 3224-0726
r Venezuela, 658, Cerâmica
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
(68) 3223-3678
av Epaminondas Jacome, 1260, Base
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Faculdade Barão do Rio Branco
(68) 3213-7070
rdv BR-364, 2000, Km 2, Dis Industrial
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Vestibulares

publicidade

O Ministério da Educação propõe hoje aos reitores das universidades federais que o vestibular seja substituído por um novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O estudante faria, em qualquer Estado, teste com validade nacional e escolheria curso e instituição segundo a nota obtida.

Atualmente, cada universidade realiza seu processo seletivo com provas e datas diferentes. No novo formato, o Enem abordaria mais disciplinas e teria mais questões - hoje são 63 de múltipla escolha e redação.

O exame incluiria questões dissertativas e objetivas, além de poder cobrar uma parte específica, direcionada a áreas como ciências, para candidatos a Medicina. Alguns cursos poderiam fazer uma segunda fase.

A proposta é semelhante à forma de seleção do Programa Universidade para Todos (ProUni). Nele, o aluno escolhe curso e instituição com base na nota do atual Enem, com mínimo de 45 pontos.

As linhas gerais que o MEC propõe também são semelhantes ao que ocorre nos Estados Unidos. Lá, cada universidade determina a quantidade de pontos no teste, chamado Scholastic Assessment Test (SAT), para que o candidato possa ter chances de ingressar na instituição.

O exame é nacional e cobra inglês, matemática e redação. Com a pontuação mínima, o candidato passa por entrevista e envio de currículo.

Mobilidade

A mudança, se aceita pelos reitores, será válida só para as federais e permitirá que um aluno tente várias instituições ao mesmo tempo, sem ter que fazer vários vestibulares.

Além disso, permitirá que um candidato do Acre estude em São Paulo e vice-versa, aumentando a mobilidade. Hoje, para que isso aconteça, o aluno precisa sair de seu Estado para fazer o vestibular no local determinado pela universidade escolhida.

Apesar de o MEC ter passado a ideia de que os reitores das federais já concordaram em ter o Enem pelo menos como uma primeira etapa dos vestibulares, a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) diz que o assunto nem mesmo começou a ser debatido.

"O tema até agora não está na pauta dos reitores. Vamos ouvir a proposta do ministro (Fernando Haddad) e analisá-la", diz o secretário executivo da Andifes, Gustavo Balduíno. O ministro reúne-se hoje com os reitores em Brasília.

Uma das resistências é o atual formato do Enem, considerado pouco abrangente quando comparado à seleção feita pelas federais. O modelo final do novo Enem não está definido.

Ontem, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) ainda trabalhava em uma proposta para apresentar aos reitores. O princípio que Haddad pretende adotar prevê uma prova que analise competências e habilidades, como o Enem, e não só conteúdos, como o atual vestibular.

O ministro reclama que as atuais seleções não avaliam se o aluno aprendeu, o que reflete na qualidade do ensino médio. A mudança pode levar à aproximação com o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos, que mede as mesmas habilidades do Enem, com mais conteúdo.

As universidades têm autonomia para definir seu processo seletivo, por isso o MEC precisa do apoio delas para conseguir implantar a proposta. A prova nacional, porém, não agrada a todos. Em São Paulo, reitores da Unifesp, UFSCar e UFABC se reuniram para discutir, entre outros temas, a possibilidade de um vestibular único para as três federais paulistas.

Propostas

Unificação: O vestibular será substituído por uma única prova, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ampliado

Prova nacional: A prova vale para todo o País. O estudante poderá fazer o teste em qualquer Estado e se candidatar às diferentes universidades federais

Escolha posterior: O aluno não precisará optar por um curso ao se inscrever. Fará a prova geral e com o resultado poderá decidir o curso que deseja

Segunda etapa: Alguns cursos poderão ter uma segunda etapa, específica. A necessidade será definida pela concorrência e grau de conhecimento necessário

Mais questões: A prova do Enem será maior. Hoje são 63 questões e uma redação.

Complexidade: As questões passarão a incluir dissertativas

Mais áreas: A avaliação contará com conteúdos específicos

Clique aqui para ler este artigo na Universiti