Espécies de extra-atividade da lei penal Araras, São Paulo

A lei penal pode gerar efeitos mesmo após a sua revogação, quando formalmente cessa sua vigência, o que é chamado de ultra-atividade. Quando uma lei penal age surtindo efeitos em fatos pretéritos à sua promulgação, fala-se em retroatividade.

Advocacia Clóvis Salgado S/C Ltda
(11) 4990-1766
av Portugal, 397, An 1 Sl 108, Centro
Santo André, São Paulo

Dados Divulgados por
Almeida e Balieiro Advogados Associados
(11) 4121-3139
av Fláquer,Sen, 112, Vl Euclides
São Bernardo do Campo, São Paulo

Dados Divulgados por
Arantes de Paiva Escritório de Advocacia
(11) 2468-3155
av Salgado Filho, 1913, Centro
Guarulhos, São Paulo

Dados Divulgados por
Elisabete Santos do Nascimento Silva
(11) 4335-1933
r José Bonifácio, 671, An 7, Centro
São Bernardo do Campo, São Paulo

Dados Divulgados por
Izique Chebabi Advogados Associados
(19) 3237-7850
r Conceição, 233, Cj 102, Centro
Campinas, São Paulo

Dados Divulgados por
Correia e Correia Advogados Associados S/C
(11) 4992-7840
av Anchieta,Pe, 164, Jardim
Santo André, São Paulo

Dados Divulgados por
SIDVAL OLIVEIRA ADVOCACIA & DIREITO DE FAMÍLIA - DIVÓRCIO
(19) 3383-3009
RUA ANTÔNIO DE CARVALHO, 170
SUMARÉ, São Paulo
 
Advocacia Fongaro e Prado
(15) 3212-3300
r Penha, 891, Centro
Sorocaba, São Paulo

Dados Divulgados por
RICARDO DANIEL
013 -3466-71-22
Rua Frei Gaspar, n 843 - Centro
São Vicente, São Paulo
 
Nakamura e Advogados
(11) 4521-8931
Avenida Renato Paupério, 54
Jundiaí, São Paulo
 
Dados Divulgados por

Espécies de extra-atividade da lei penal

Extra-atividade da lei penal - espécies

Este é o nome dado à capacidade dos dispositivos penais de atuar se movimentando no tempo. A extra-atividade demonstra efeitos da lei penal que vão além do normal em sua validade, quando considerados benéficos.

A lei penal pode gerar efeitos mesmo após a sua revogação, quando formalmente cessa sua vigência, o que é chamado de ultra-atividade. Quando uma lei penal age surtindo efeitos em fatos pretéritos à sua promulgação, fala-se em retroatividade. Ultra-atividade e retroatividade são espécies de extra-atividade da lei penal, e ambas caracterizam-se em exceção porque a regra estabelecida juridicamente é a da irretroatividade e da não ultra-atividade, protegidas pelo artigo 1º do código penal.

"Art. 1º Não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal."

Porém ao parágrafo único da lei seguinte do mesmo código, dá-se a entender de antemão algo totalmente diverso, prevendo um caso de retroatividade.

"Art. 2º Parágrafo Único. A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos anteriores, ainda que decididos por sentença condenatória transitada em julgado"

Daí resulta a questão. Qual a hierarquia no que se refere aos princípios da irretroatividade e da retroatividade? Certo é que o código penal abarca ambos, que logicamente compreendem conceitos paradoxos. Mas quando se interpreta a vontade por trás da intenção literal da lei, conclui-se pela total coerência da defesa de ambos os institutos, que ficam no mesmo patamar de importância porque se direcionam a situações diferentes, embora pelo mesmo motivo.

No artigo 1º, defendendo a irretroatividade, procurou-se defender a dignidade humana da sociedade, porque trata-se de uma barreira à discricionariedade estatal no que se refere à punição. Reflete ele o objetivo claro e restrito de controle dos bens jurídicos da sociedade. O que seria de uma nação se qualquer pessoa com poder pudesse escolher as condutas que devem ser punidas e assim fazê-lo do modo que lhe der mais satisfação? A autotutela acabou e é proibido pela Constituição Federal.

O artigo 2º, por sua vez, em seu parágrafo único, faz exatamente o mesmo do artigo 1º. A retroatividade que valida é limitada aos efeitos benéficos de uma lei penal, o que é relacionado com os objetivos da punição estatal e ao princípio da dignidade humana, porque evitar que as mudanças sociais se estendam àqueles que, por exemplo, estão presos por uma conduta que não é mais por ela considerada lesiva, é negar a igualdade de tratamento do Estado a toda a sociedade, sobretudo quanto à defesa da dignidade.

Sobre o Autor
Estou engajada no curso de Direito da UFRN, em Natal.

Artigos.com