Estudando a Exigibilidade do Crédito Tributário Belo Horizonte, Minas Gerais

Marcelo Deogenes disserta sobre a manifestação de inconformidade como instrumento hábil a suspender a exigibilidade do crédito tributário. Analise a "possibilidade do Fisco exigir os valores discutidos em sede manifestação de inconformidade apresentada em face da não-homologação da compensação". Ou, "enquanto não julgada a defesa interposta contra a decisão da manifestação improcedente do contribuinte".

Advocacia Comercial
(31) 3295-2645
av Augusto Lima, 1646 S 907, Barro Preto
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia Celso Botelho de Moraes S/c
(31) 3337-9406
av Contorno, 8000 S 1308, Lourdes
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia e Consultoria Joel Rezende Júnior
(31) 3212-3252
r Curitiba, 778 Cj 202, Centro
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia Empresarial Doutor Vinícios Leôncio
(31) 3291-5552
r Bernardo Guimarães, 2978, Lourdes
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia Daniel Cesar Coelho e Glauciane Melo
(31) 3222-6155
r Guajajaras, 40 S 302, Centro
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia Araújo
(31) 3222-2441
av Amazonas, 885 S 331,Centro
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia de Família
(31) 3295-6030
r Juiz de Fora, 284 Cjs 410, Barro Preto
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Adriano Stanley Advocacia e Mediação
(31) 3241-6989
av Andradas, 2287 S 1410, Floresta
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia Despachante e Prestação de Serviços
(31) 3272-2012
r Carijós, 136 An 9 S 902, Centro
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Advocacia Brito
(31) 3271-0174
av Contorno, 11460, Barro Preto
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Estudando a Exigibilidade do Crédito Tributário

Artigo - Federal - 2009/1726

Da Manifestação de Inconformidade como Instrumento Hábil a Suspender a Exigibilidade do Crédito Tributário
Marcelo Omena Deogenes∗

Elaborado em 12/2008

Relevantíssimo debate é aquele referente à possibilidade de o Fisco exigir os valores discutidos em sede manifestação de inconformidade apresentada em face da não-homologação da compensação, ou enquanto não julgada a defesa interposta contra a decisão da manifestação improcedente do contribuinte.,

Preordena o artigo 151 , inciso III, do Código Tributário Nacional que são causas suspensivas da exigibilidade do crédito tributário as reclamações e os recursos, nos termos das leis reguladoras do processo tributário administrativo.

Não obstante o que prescreve o referido artigo, fato é que o Fisco federal, por meio de diversas decisões administrativas, exprimiu o seu entendimento no sentido de que a Manifestação de Inconformidade não tem o condão de suspender a exigibilidade do crédito tributário. Vejamos:

"COMPENSAÇÃO. NÃO-HOMOLOGAÇÃO. SUSPENSÃO DA EXIGIBILIDADE. A manifestação de inconformidade apresentada contra compensação não homologada não suspende a exigibilidade do montante do débito que exceder ao valor do crédito informado na DCOMP." (01)
"PEDIDO DE RESTITUIÇÃO / COMPENSAÇÃO. INDEFERIMENTO. MANIFESTAÇÃO DE INCONFORMIDADE. SUSPENSÃO DE EXIGIBILIDADE E LANÇAMENTO DE OFÍCIO. A existência de manifestação de inconformidade em processo administrativo de pedido de restituição/compensação, indeferido pela autoridade administrativa competente, não suspende a exigibilidade do crédito fiscal do IRPJ e CSLL que se pretendeu compensar e não impede o lançamento de ofício dos valores cuja falta de recolhimento foi constatada. MULTA DE OFÍCIO Caracterizada, em procedimento de ofício, a falta de recolhimento de IRPJ e CSLL, é cabível a imposição da multa de ofício. MULTA ISOLADA. REDUÇÃO PARA 50%. RETROATIVIDADE BENIGNA. É cabível a redução do percentual da multa isolada por falta de recolhimento de valores devidos por estimativa para o patamar de 50%, alterado por legislação superveniente ao lançamento, por força do princípio da retroatividade benigna. (02) (g.n)

Diante do posicionamento exarado pelas Delegacias de Julgamento, exsurge a seguinte indagação: a manifestação de inconformidade tem o caráter de recurso prescrito pelo artigo 151 , III, do CTN e, portanto, suspende a exigibilidade do crédito tributário?

Antes de iniciarmos qualquer comentário acerca da referida indagação, necessário se faz trazermos à baila o disposto no parágrafo 11 do artigo 74 da Lei nº 9.430/96 . Vejamos:

"§ 11. A manifestação de inconformidade e o recurso de que tratam os §§ 9º (manifestação de inconformidade contra a não-homologação da compensação) e 10 (decisão que julgar improcedente a manifestação de inconformidade caberá recurso ao Conselho de Contribuintes) obedecerão ao rito processual do Decreto no 70.235, de 6 de março de 1972, e enquadram-se no disposto no inciso III do art. 151 da Lei no 5.172, de 25 de outubro de 1966 - Código Tributário Nacional, relativamente ao débito objeto da compensação. (Incluído pela "§ 11. A manifestação de inconformidade e o recurso de que tratam os §§ 9º (manifestação de inconformidade contra a não-homologação da compensação) e 10 (decisão que julgar improcedente a manifestação de inconformidade caberá recurso ao Conselho de Contribuintes) obedecerão ao rito processual do Decreto no 70.235, de 6 de março de 1972, e enquadram-se no disposto no inciso III do art. 151 da Lei no 5.172, de 25 de outubro de 1966 - Código Tributário Nacional, relativamente ao débito objeto da compensação. (Incluído pela Lei nº 10.833, de 2003)."

Note-se que, com o advento da Lei nº 10.833, de 2003 , não restam dúvidas acerca do caráter impugnatório da manifestação de inconformidade e, por conseguinte, da sua qualidade de suspender a exigibilidade nos termos do artigo 151 , III do CTN . Todavia, dúvidas podem surgir em relação à interrupção dos procedimentos de cobrança da manifestação anterior à vigência da referida Lei.

Pois bem, no plano das relações jurídicas processuais, sejam elas administrativas ou judiciais, a presença de uma norma jurídica base descumprida é incontestável. Daí dizer que "o processo é antes de tudo relação jurídica que se inaugura em virtude do descumprimento do dever previsto no conseqüente de uma norma primária." (03)

Afora isso, todo processo administrativo pressupõe a existência de um fato jurídico conflituoso, fato este que, por meio da manifestação do sujeito ativo (vitima do descumprimento da relação jurídica base), será solucionado através de uma decisão a ser proferida por um órgão julgador competente. Nesse mesmo sentido, inclusive, descreve o ilustre professor Paulo César Conrado:

"Regra: (i) processo administrativo, como todo processo (na acepção julgada fundamental), é relação implicada pelo fato jurídico conflito; (ii) ´processo administrativo' que se estrutura a partir de qualquer outro fato jurídico (que não o conflito) não é processo administrativo. (...)a atividade desenvolvida pela Administração nos aludidos processos (administrativos) é, mesmo que atipicamente, manifestação jurisdicional - (i) é estatal (aspecto subjetivo do conceito de jurisdição) e (ii) tende à composição de conflitos.)." (04)

O confronto dessas afirmações força-nos a concluir que a não homologação da compensação apresentada pelo contribuinte faz surgir um conflito suscetível de apreciação por um terceiro investido do poder de decidir, conflito este que, por sua vez, materializar-se-á por meio de instrumento próprio e capaz de demonstrar o descumprimento da norma jurídica autorizadora do direito do contribuinte compensar.

Entretanto, não custa alinhar que o referido abarca não só a negativa dos créditos efetivamente não homologados pela autoridade administrativa, mas também em relação à impossibilidade de extinção do débito compensado pelo contribuinte.

Ora, é cediço que o próprio instituto da compensação pressupõe a sujeição de credor e devedor do contribuinte. Afastar o caráter de credor e ingressar com os meios de cobrança em relação ao débito é procedimento sobremaneira autoritário, tendo em vista a própria dualidade das relações jurídicas inerentes ao referido instituto da compensação.

Conclusão disso é que, de fato, a manifestação de inconformidade ataca a questão da exigibilidade dos débitos que o contribuinte pretende ver compensados. Assim, diante do caráter extensivo dos vocábulos "recursos" e "reclamações" no sentido de suspender a exigibilidade de todo débito passível de discussão, tem-se evidente a aplicabilidade do artigo 151 , III, do CTN ao caso objeto do presente trabalho. Vejamos o que descreve o ilustre professor Hugo de Brito Machado acerca do referido dispositivo de lei:

" As palavras "reclamações" e "recursos", aqui, têm sentido amplo, abrangendo toda e qualquer forma de se insurgir o contribuinte contra a exigência que lhe é feita pela Administração Tributária na determinação e cobrança do crédito tributário." (05)

Afora tudo isso, dizer que o instrumento em epígrafe não suspende a exigibilidade, simplesmente por não ter a declaração de compensação do contribuinte o condão de constituir o crédito tributário, é atribuir à decisão que não homologa a compensação o caráter extremamente arbitrário, posto que o contribuinte será submetido aos transtornos decorrentes da inscrição em dívida ativa, protesto extrajudicial, e posterior execução fiscal sem sequer exercer o seu direito ao contraditório, ampla defesa e devido processo legal no âmbito do processo administrativo.

Pela ordem, e a corroborar com o entendimento de que a manifestação de inconformidade é instrumento hábil a suspender a exigibilidade do crédito tributário nos termos do artigo 151 , III, do CTN , vejamos a decisão proferida no último mês de novembro, por meio de recurso de Apelação em Mandado de Segurança, pelo Tribunal Regional Federal da 3ª região:

"APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA. COMPENSAÇÕES REALIZADAS PELO CONTRIBUINTE E REJEITADAS PELO FISCO. MANIFESTAÇÃO DE INCONFORMIDADE ANTES DO ADVENTO DA LEI 10.833/03. INEQUÍVOCO ATO RECURSAL. EFEITO SUSPENSIVO. ART. 33 DO DECRETO 70.235/72. DIREITO À CERTIDÃO POSITIVA DE DÉBITO, COM EFEITOS NEGATIVOS (ART. 206, CTN). 1. Certidão de regularidade fiscal (art. 205 e 206 CTN). 2. Declaração de compensação operada pelo contribuinte e rejeitada pela Administração Tributária. 3. Insurgência contra a decisão através de manifestação de inconformidade, antes da sua regulamentação pela Lei 10.833/03, através das modificações produzidas no art. 74 da Lei 9.430/96. 4. Inequívoco caráter de recurso, a provocar os efeitos suspensivos previstos pelo art. 33 do Decreto 70.235/72. 5. As modificações introduzidas pela Lei 10.833/03 não passam de lege ferenda daquilo que, pela natureza das coisas, já se podia extrair deste tipo de insurgência. 6. A manifestação de inconformidade tem todos os requisitos de um recurso administrativo, visto que expressa manifestação contra decisão contrária aos interesses do contribuinte. 7. Negar a esta manifestação o caráter de recurso - e dos efeitos a ele atinentes -, simplesmente porque não partiu do Estado a iniciativa de declarar o tributo, corresponde a impregnar a atuação estatal de caráter autoritário, a se servir de conveniente e demasiado formalismo, em detrimento dos princípios do devido processo legal substantivo e do contraditório e da ampla defesa, solenemente acolhidos pela Constituição Federal de 1988 (art. 5º, inc. LIV e LV). (...)." (06)

Atente-se para o fato de que o Ministro Rubens Calixto, no mesmo sentido que descrevemos, entende que a manifestação de inconformidade, de fato tem todos os requisitos de um recurso administrativo, razão pela qual não há qualquer motivo para que a mesma não suspenda a exigibilidade do débito suscetível de compensação.

Portanto, diante de todo o exposto, resta evidente o caráter de recurso da manifestação de inconformidade, seja antes ou depois do advento da Lei. nº 10.833/03 , posto que a apresentação do referido instrumento, além de materializar em linguagem própria o fato jurídico conflituoso decorrente do descumprimento da norma jurídica de compensação, faz nascer a relação jurídica processual administrativa capaz de conhecer a existência do crédito utilizado, bem como do modo extintivo do débito compensado. Além disso, não admitir a suspensão da exigibilidade sob a simples alegação de não ter a declaração de compensação do contribuinte o condão de constituir o crédito tributário, é atitude, sobremaneira, arbitrária, haja vista o cerceamento do direito ao contraditório, ampla defesa e devido processo legal. Daí a possibilidade de intervenção judicial por parte do contribuinte.

Notas

(1) ACÓRDÃO Nº 09-21326 de 23 de Outubro de 2008, MINISTÉRIO DA FAZENDA, SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DE JULGAMENTO EM JUIZ DE FORA, 3 º TURMA

(2) ACÓRDÃO Nº 06-19313 de 25 de Setembro de 2008,MINISTÉRIO DA FAZENDA, SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL, DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DE JULGAMENTO EM CURITIBA

(3) Conrado, Paulo César. Introdução à Teoria Geral do Processo Civil, 1ª edição. São Paulo: Max Limonad, p.204.

(4) Conrado, Paulo César. Processo Tributário. 2004, 73/80 f. Dissertação (Doutorado em Direito Tributário) - Pontifícia Universidade Católica.

(5) Machado, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário, 28.ed, editora Malheiros, São Paulo:2007, p.217

(6) Brasil, Tribunal Regional Federal da 3ª Região. AMS - APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA - 275669, Processo: 2004.61.10.007188-6 , UF:SP, Órgão Julgador: TERCEIRA TURMA, Data do Julgamento: 06/11/2008, Fonte: DJF3, DATA:18/11/2008 , Relator: JUIZ RUBENS CALIXTO

 
Marcelo Omena Deogenes∗
Texto publicado originalmente no Jus Navigandi ( www.jus.com.br ), reproduzido mediante permissão expressa do site e de seu autor.

Author: Marcelo Omena Deogenes

FISCOSoft Editora LTDA

Clique aqui para ler este artigo na FISCOSoft