Identifique os sintomas do animal eletrocutado Brasília, DF

Saiba como agir se o seu animal de estimação sofrer um choque elétrico. O veterinário Gerson Bertoni explica como socorrer a vítima. Ele também orienta os procedimentos emergenciais na situação de choque anafilático, causado por picadas de insetos ou aranhas.

Casa do Gato CLínica Veterinária
(61) 3965-4090
CLN 105, Bloco A, Loja 42
Brasília, DF
 
Veterinária Luiz Ltda
(61) 581-3948
r Qnm, 1, lot 1 cj a lj 1, Ceilandia
Brasília, DF
 
Hospital Veterinário Antônio Clemenceau
(61) 245-1369
r Sais, 14
Brasília, DF
 
Ezildo Correia
(61) 366-4196
r Smdb Cj, 22, lot 2 a
Brasília, DF
 
Denise R Pontes
(61) 366-3503
r Shis Qi, 21, bl e lj 48
Brasília, DF
 
canil macedo
61 33392898 61 98184999
shis conj 28 casa 35
brasilia, DF
 
Clínica Veterinária Cia Cães
(61) 386-8334
av Dom Bosco, 3, bl 785 lj 1
Brasília, DF
 
Luiz F Lenzi
(61) 274-4331
r Scrn, 706, bl g lj 21
Brasília, DF
 
Antarctica Jacarezinho Distr Bebidas
(61) 354-0303
r Qi, 19, lot 27
Brasília, DF
 
Hospital Veterinário Francisco Zoo Hotel
(61) 346-1819
r Sais, 16
Brasília, DF
 

Identifique os sintomas do animal eletrocutado

Editoria: Vininha F. Carvalho2/2/2007

Os choques representam uma grande ameaça á vida do animal

Independente da causa especifica, o choque é a emergência com o qual podemos nos deparar com maior probabilidade e constitui uma grande ameaça à vida do animal.

Em todas as emergências, deve-se considerar sempre os sinais de choque, porque indica a gravidade do caso em questão. Sempre num momento de choque é fundamental manter a calma.

Os sinais de choque são os seguintes:

- Gengivas descoradas ou brancas.

- Freqüência cardíaca rápida (nos cães, superior a 150 batimentos por minuto e nos gatos superior a 250 batimentos por minuto).

- Freqüência respiratória acelerada (mais de 30 movimentos por minuto no caso dos cães e nos gatos respiração com mais de 40 movimentos por minuto).

- Inquietação ou ansiedade.

- Letargia ou fraqueza.

- Temperatura corporal abaixo do normal (verifique a temperatura corporal tocando o animal e observando se está mais frio do que o normal).

Providências para minimizar os efeitos do choque:

- Deite o animal de lado com a cabeça estendida.

- Erga a parte traseira do animal usando travesseiro ou toalha.

- Estanque qualquer hemorragia evidente fazendo pressão com uma compressa absorvente ou se necessário aplicando um torniquete.

- Evite a perda de calor corporal cobrindo o animal com cobertor aquecido.

- Importante: Não ofereça nada para beber ou comer.

- Não permita que o animal fique perambulando, mantenha-o confinado.

- Leve o animal ao veterinário mais próximo, urgentemente. Se o animal estiver em choque profundo, mantenha o animal deitado com os membros acima do nível do coração.

Choque anafilático:

O choque anafilático é causado principalmente por picadas de insetos ou aranhas, medicamentos e às vezes até por alimentos. Difere do choque anterior porque o animal pode apresentar um quadro destes somente após uma causa específica como por exemplo: picada de inseto ou aranha, ingestão de um medicamento (oral ou injetável) ou produto químico.

Os sintomas característicos que o animal pode apresentar são os seguintes:

- vômitos e/ou diarréia repentinos

- dificuldade respiratória

- erupções na pele,

- sinais de choque (como descrito anteriormente) e até óbito dependendo do caso.

Tome as seguintes medidas:

- Mantenha as vias aéreas desimpedidas.

- Se necessário faça respiração artificial e massagem cardíaca caso ocorra parada cárdio-respiratória.

- Se perceber que existe líquido nas vias respiratórias (quando animal respira percebe-se sons de material atrapalhando a passagem do ar), levante o animal pelos membros posteriores para tentar, por gravidade, que as vias aéreas fiquem desimpedidas.

- Procure o veterinário urgentemente, para a utilização de medicamentos e procedimentos que interrompam a ação dos sintomas alérgicos.

Fonte: Dr. Gerson Bertoni Giuntini - Biólogo, Engenheiro Agrônomo e Veterinário
Fonte Link: http://www.policlinicaveterinaria.com.br

Clique aqui para ler este artigo na Animalivre