Nova aula de ioga propõe suspensão do corpo pelos pés Cuiabá, Mato Grosso

A aula de ioga gravitacional começa sem grandes vôos. Sentados, os alunos praticam os exercícios respiratórios. Veja mais no artigo abaixo.

Carlos Alberto A Maranhao
Av 31 - de Marco 889
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Magno Stefani Cezar
Av. Presidente Marques 437
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Draúzio Antônio Medeiros
(65) 3624-3713
av Isaac Póvoas, 1124
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Henrique S Laboissiere
(65) 3623-2079
av das Flores, 843 s 34 Jardim Cuiabá
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Med K Prod e Serv Médico Hospital e Laboratorial
(65) 3626-3997
av José Rodrigues do Prado, 252 Santa Rosa
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Jubert Sanches Cibantos Filho
(65) 3623-4023
Rua General Neves 111
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Dulciyara Lopes, Drª
(65) 3023-9001
Tv Léo Edilberto Griggi, 75 Goiabeiras
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Clínica Magno Cézar
(65) 3623-5122
av Pres Marques, 441 Santa Helena-Quilombo
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Tiago, José S
(65) 3623-5986
r Cândido Mariano, 990 Quilombo
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Dra Maria do Socorro Cirurgiã Plástico
(65) 3623-8521
r Cmte Costa, 1496 Revivere Centro Sul
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Nova aula de ioga propõe suspensão do corpo pelos pés

A aula de ioga gravitacional começa sem grandes vôos. Sentados, os alunos praticam os exercícios respiratórios. A repórter consegue acompanhar as instruções preliminares, apesar de ser iniciante na prática milenar. Bem, milenar se considerarmos metade da história, a que é inspirada nas técnicas da ioga mesmo. A outra metade, ou seja, a "gravitacional", é invenção bem contemporânea.

Seu criador, Pedro Goulart de Andrade Filho, acumula os créditos de designer de sapatos, faixa preta de tae-kwon-do, pára-quedista e iogue autodidata. Atenção, puristas: iogue no sentido, dicionarizado, de pessoa que pratica ioga. Ele aprendeu as práticas sozinho, com livros, enquanto procurava uma "luz no fim do túnel em que se encontrava".

Andrade Filho chegou ao fundo do poço por um processo de crises profissionais, acelerado por pelo menos meia dúzia de acidentes em saltos de pára-quedas. No último, teve várias fraturas, agravou quatro hérnias de disco e teria de passar por uma cirurgia na coluna.

Desafiando o diagnóstico, ele buscou soluções próprias. Descobriu a ioga e voltou a pular de pára-quedas. Durante um salto, praticando as respirações profundas da ioga, sentiu suas vértebras se descomprimirem e sua coluna se alinhar.

Foi a deixa para ele inventar uma forma de praticar ioga como se estivesse flutuando no ar. Para isso, pendurava barras no teto e, segurando-se em correias de tecido, elevava-se para realizar as posturas mais ou menos como um trapezista. Não satisfeito, desenhou e confeccionou as "botas gravitacionais", espécie de tornozeleira com ganchos, que lhe permitiam ficar pendurado de ponta-cabeça. Assim, ficava nas posturas invertidas da ioga, como a vela, sem ter de apoiar a cabeça no chão e contando com a força da gravidade.

Voltando à aula, a fase seguinte é a "saudação ao sol", série composta de 12 posturas que alongam o corpo todo. Os outros dois participantes (as aulas são para, no máximo, seis pessoas) já eram veteranos em outras modalidades de ioga, mas experimentavam a gravitacional pela primeira vez.

Finalmente, ao que interessa. Os alunos agarram as correias e a ordem é: pernas para o ar. Na demonstração do professor, não parece difícil. Com os braços estirados, ele eleva as duas pernas. Fácil, se você tiver um abdômen de aço. Caso contrário, a impressão é a de ter de erguer pernas de ferro. A força da gravidade e o peso do corpo estiram os braços ao limite.

No exercício seguinte, a coisa fica séria: um salto mortal duplo, que termina no ar. A iniciante tem direito a uma mãozinha do professor e a um banco para se apoiar ao descer. Antes de poder recusar o tentador convite, vapt, um giro, vupt, outro. A sensação de náusea fez com que a repórter agradecesse a Shiva por não ter comido nada nas últimas cinco horas.

Mas o salto mortal não era nada comparado à posição da chegada. Os braços torcidos e estirados para trás, a coluna em forma de U, as pernas dobradas com os pés na direção da cabeça. Pensando em pedir ajuda ao professor para sair dali, a repórter percebe que ele está pendurado em sua barra. Talvez por instinto de sobrevivência, descobre-se como sair dali. De volta ao solo, dá para observar com uma ponta de inveja os veteranos repetindo a façanha mais duas vezes. Na ioga gravitacional, são feitas, no máximo, três repetições de cada movimento --e é muito.

Chegou o grande momento. Os alunos colocam as botas gravitacionais e ficam de cabeça para baixo. Para quem nunca fez uma vela, a sensação é a de que o mundo está caindo na cabeça, tamanha a pressão na testa. "Esqueça qualquer desconforto e concentre-se nos prazeres propiciados pela posição. Imagine coisas agradáveis", sugere o professor.

O final da aula é dedicado ao relaxamento, com as luzes apagadas e ao som de uma música "new age". O simples fato de estar em contato com o solo é o suficiente para relaxar. Terra firme é o Nirvana.

De volta ao mundo dos bípedes, a primeira preocupação é verificar se todos os ossos estão no lugar. Parece que estão. Os músculos peitorais e os dos braços estão doloridos, e os abdominais acusam o esforço realizado. A impressão é a de que deve ser uma ótima aula para quem quer ganhar uma barriga impecável e nunca mais se preocupar com aquele músculo do tchau (o tríceps). Também deve ser boa para alunos avançados de ioga que querem melhorar a performance. Para os iniciantes, há controvérsias.

Segundo Ricardo Munir Nahas, diretor científico da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte, sustentar o peso do corpo em uma posição que não é natural exige preparo. "Quem não está preparado fisicamente tem de atingir um bom estágio de condicionamento para, depois, poder se aventurar em outras coisas sem problemas", diz. Mesmo os mais condicionados precisam passar por um período de adaptação --os movimentos novos devem ser introduzidos gradativamente, para que o organismo aprenda a suportar o novo estresse e haja menos riscos de lesões. "Ficar pendurado sobrecarrega as articulações e as ligações, causa uma força indevida. Mas o organismo pode se adaptar a essa força, desde que seja feita de maneira progressiva", explica.

Além disso, a carga aplicada na cabeça pode causar sintomas que vão do desconforto ao aumento de pressão. "Deve-se ficar de cabeça para baixo por pouco tempo."

Andrade Filho recomenda que as pessoas façam consultas com cardiologista, ortopedista e oftalmologista antes de aderirem à pratica. Ele também adverte que os exercícios só podem ser feitos no mínimo duas horas após a ingestão de alimentos e sempre com um acompanhante por perto.

Clique aqui para ler este artigo no Guia da Plastica