Novo tratamento para ficar mais jovem Cuiabá, Mato Grosso

O preenchimento facial com ácido hialurônico tornou-se o segundo procedimento estético mais realizado nos Estados Unidos. O ácido tem a função de reter água, hidratar e conferir volume à pele e contorno facial. Veja mais no artigo abaixo.

Magno Stefani Cezar
Av. Presidente Marques 437
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Carlos Alberto A Maranhao
Av 31 - de Marco 889
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Dra Maria do Socorro Cirurgiã Plástico
(65) 3623-8521
r Cmte Costa, 1496 Revivere Centro Sul
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Dulciyara Lopes, Drª
(65) 3023-9001
Tv Léo Edilberto Griggi, 75 Goiabeiras
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Maria do Socorro Dra. Cirurgiã Plástica
(65) 3623-8521
r Cmte Costa, 1496 Centro
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Jubert Sanches Cibantos Filho
(65) 3623-4023
Rua General Neves 111
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Tiago, José S
(65) 3623-5986
r Cândido Mariano, 990 Quilombo
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Draúzio Antônio Medeiros
(65) 3624-3713
av Isaac Póvoas, 1124
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Med K Prod e Serv Médico Hospital e Laboratorial
(65) 3626-3997
av José Rodrigues do Prado, 252 Santa Rosa
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Henrique S Laboissiere
(65) 3623-2079
av das Flores, 843 s 34 Jardim Cuiabá
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Novo tratamento para ficar mais jovem

Entre os anos de 2003 a 2007, o preenchimento facial com ácido hialurônico tornou-se o segundo procedimento estético mais realizado nos Estados Unidos. Só no ano passado foram realizados quase 1,5 milhões de procedimentos com a substância, que ficou atrás apenas das aplicações de botox (toxina botulínica tipo A). Segundo os médicos, no Brasil, o cenário se repete e o preenchimento com ácido hialurônico aparece entre um dos procedimentos mais realizados nos consultórios médicos.

O dermatologista Otávio Macedo, membro da Academia Americana de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), comenta que este crescimento expressivo pode ser explicado principalmente pela segurança e eficácia do ácido hialurônico. “A substância é produzida naturalmente pelo organismo, por isso os riscos de alergia são quase nulos”, explica.

O ácido tem a função de reter água, hidratar e conferir volume à pele e contorno facial. Com o passar dos anos e devido o processo de envelhecimento, a quantidade desta substância diminui, e, assim, aparecem as rugas e flacidez.

O fato de ser uma substância de efeito temporário e reabsorvível pelo organismo é considerado mais uma vantagem do ácido hialurônico em relação a outros preenchedores. Para os especialistas, as substâncias temporárias permitem que os resultados do procedimento sejam aperfeiçoados a cada nova aplicação, de acordo com as novas necessidades e expectativas.

“Costumo dizer aos meus pacientes que permanente é o preenchedor e não o preenchimento”, diz Humberto Ponzio, dermatologista membro da SBD e professor associado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. “Um procedimento permanente realizado hoje, após alguns anos poderá se posicionar de forma diferente e muitas vezes indesejada”, avalia. Afinal, o envelhecimento é um processo dinâmico.”

Além disso, atualmente já existem preenchedores de ácido hialurônico que oferecem durabilidade de até um ano – duração que até pouco tempo variava de seis a nove meses. “Se existe uma substância segura, com boa durabilidade e resultados naturais, por que se expor a substâncias permanentes, que podem trazer resultados indesejáveis permanentes?”, questiona o Humberto.

Os especialistas alertam, por exemplo, sobre o uso do PMMA (polimetilmetacrilato), substância não-absorvível e permanente, utilizada para preenchimento facial e bioplastia. “Recomenda-se cautela no uso desta substância para evitar efeitos indesejáveis a curto e longo prazo, ou mesmo resultados estéticos não satisfatórios que também serão permanentes”, diz Otávio Macedo.

Clique aqui para ler este artigo no Guia da Plastica