Entomólogo Fortaleza, Ceará

Estudo relata como os insetos mergulham na água. Compreenda todo o processo químico ocorrido durante essa ação. Conheça também, os detalhes sobre a realização da análise fisiológica.

C. B. Consultoria Empresarial LTDA
(88) 3512-1521
Rua Delmiro Gouveia n° 36/B
Juazeiro do Norte, Ceará
 

Entomólogo

Editoria: Vininha F. Carvalho26/5/2006

Pesquisa explica mergulho dos insetos

Sensores eletrônicos bastante delicados, feitos de fibra óptica, foram os instrumentos utilizados por uma dupla de pesquisadores da Universidade de Adelaide, na Austrália, para obter novas informações sobre a fisiologia do mergulho dos insetos aquáticos. Esses invertebrados chegam a ficar até dez minutos submersos, montados em bolhas de ar, aguardando suas presas.

Os cientistas descobriram que a hemoglobina tem papel central na estabilidade na água. No início do mergulho, os insetos retiram oxigênio direto da bolha de ar levada para o fundo da água. Depois, quando ocorre a estabilização entre o tamanho da bolha e o peso do animal, o elemento químico vital é retirado da própria hemoglobina, que funciona como uma espécie de reservatório de oxigênio.

Os autores do estudo desconfiavam que a hemoglobina era importante na fase de estabilização do mergulho, mas apenas agora conseguiram confirmar o papel. Na pesquisa, feita com a espécie Anisops deanei, os cientistas mediram o volume da bolha e, principalmente, a pressão parcial de oxigênio.

Esses insetos aquáticos apresentam duas peculiaridades evolutivas bastante importantes, que podem estar relacionadas com a descoberta publicada na edição da última quinta-feira da revista Nature. Eles formam o único grupo que permanece com hábitos aquáticos na fase adulta. Além disso, também apenas nesses insetos é que a hemoglobina está presente em todas as fases do ciclo de vida.

Fonte: Agência Fapesp

Clique aqui para ler este artigo na Animalivre