Plástica em excesso é doença Cuiabá, Mato Grosso

O número cada vez maior de pessoas que se submetem a alguma intervenção estética. Pessoas que vivem achando defeitos diante o espelho e logo correm para uma clinica pode tar passando por uma doença associada a estes processos: o transtorno dismórfico corporal. Veja mais abaixo.

Magno Stefani Cezar
Av. Presidente Marques 437
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Jubert Sanches Cibantos Filho
(65) 3623-4023
Rua General Neves 111
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Tiago, José S
(65) 3623-5986
r Cândido Mariano, 990 Quilombo
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Henrique S Laboissiere
(65) 3623-2079
av das Flores, 843 s 34 Jardim Cuiabá
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
AR Distribuidora de Medicamentos e Produtos Hospitalares Ltda
(65) 3634-3637
av Pedro Pedrossiam,Gov, 388, Campo Velho
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Carlos Alberto A Maranhao
Av 31 - de Marco 889
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Dulciyara Lopes, Drª
(65) 3023-9001
Tv Léo Edilberto Griggi, 75 Goiabeiras
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Dra Maria do Socorro Cirurgiã Plástico
(65) 3623-8521
r Cmte Costa, 1496 Revivere Centro Sul
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Maria do Socorro Dra. Cirurgiã Plástica
(65) 3623-8521
r Cmte Costa, 1496 Centro
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Draúzio Antônio Medeiros
(65) 3624-3713
av Isaac Póvoas, 1124
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Plástica em excesso é doença

O número cada vez maior de pessoas que se submetem a alguma intervenção estética – cirurgias plásticas, bronzeamentos artificiais, aplicações de botox®, etc. – tem provocado também o aumento de uma doença associada a estes processos: o transtorno dismórfico corporal. As vítimas do problema são aquelas pessoas que não se cansam de encontrar defeitos ao espelho (na maioria das vezes, inexistentes) e, para corrigi-los, perseguem compulsivamente um padrão estético inatingível. Descrito em 1987 pela Associação Americana de Psiquiatria, o distúrbio, nos casos mais graves, causa ansiedade e depressão profundas – e pode levar a pessoa a deformar-se nas mãos de cirurgiões inescrupulosos.

Os perigos do excesso de plásticas e outras intervenções são tema da reportagem de VEJA. A revista revela um estudo inédito conduzido pela médica Luciana Conrado, com 350 pacientes da dermatologia do Hospital das Clínicas, de São Paulo. A pesquisa constatou que 14% deles apresentavam sintomas de dismorfia. Nos consultórios dos plásticos, a incidência fica em torno de 10%.

Há vítimas da doença que chegam a submeter-se a nove cirurgias de nariz. Existem ainda aquelas que praticam uma espécie de turismo médico, batizado pelos especialistas de "doctor shopping": rodam de consultório em consultório em busca de sugestões sobre o que deveriam mudar em sua imagem. "É uma seqüência sem botão de desligar: o paciente sempre acha que o que fez é pouco", diz o psicanalista Niraldo de Oliveira Santos, da divisão de psicologia do Hospital das Clínicas. "Para ele, o corpo é um rascunho onde tudo pode ser experimentado."

Como ninguém faz nove plásticas de nariz sem que haja um cirurgião disposto a cometer excessos, tem-se aí um duplo problema. "É a pior combinação: o paciente que quer fazer tudo somado ao médico sem escrúpulos que o submete a procedimentos incontáveis e desnecessários", diz o dermatologista Guilherme de Almeida, do hospital Sírio-Libanês, de São Paulo.

Clique aqui para ler este artigo no Guia da Plastica