Peixes e frutos do mar Brasília, DF

Estudo revela que, "polvo pode ter tentáculos flexíveis, mas os usa da mesma forma que os vertebrados usam seus braços ou suas patas". Compreenda os detalhes da pesquisa liderada por israelenses. Estude o resumo sobre a articulação dessa espécie.

canil macedo
61 33392898 61 98184999
shis conj 28 casa 35
brasilia, DF
 
Casa do Gato CLínica Veterinária
(61) 3965-4090
CLN 105, Bloco A, Loja 42
Brasília, DF
 

Peixes e frutos do mar

Editoria: Vininha F. Carvalho5/8/2005

Polvos usam tentáculos igual a vertebrados

O polvo pode ter tentáculos flexíveis, mas os usa da mesma forma que os vertebrados usam seus braços ou suas patas, revelou o estudo de uma equipe de pesquisadores israelenses, que lança luz sobre a evolução dos braços e que foi publicado no semanário científico britânico Nature.

Uma equipe de pesquisadores israelense filmou polvos enquanto esticavam seus tentáculos de seu esconderijo num aquário para alcançar um pedaço de comida e levá-lo até a boca. Filmados centenas de vezes, os polvos usam uma estratégia semelhante à dos vertebrados para fazer este complexo movimento.

Embora seus tentáculos sejam flexíveis e elásticos, estes invertebrados enrigessem os membros por controle muscular e os articulam de uma forma misteriosamente semelhante à de animais com esqueletos rígidos, descobriram os cientistas.

Para executar este movimento elegante e suave, o polvo arqueia seu braço para formar três "articulações", localizadas em posições semelhantes à do ombro, cotovelo e pulso nos braços humanos.

A articulação "conjunta" divide o braço do polvo em dois segmentos principais de comprimento igual, tal como o braço e o antebraço dos humanos. Esta semelhança não é acidental, afirmaram os cientistas.

As espécies podem ser muito diferentes na fisiologia, mas cada uma enfrenta as mesmas dificuldades para localizar a comida, capturá-la e levá-la à boca. Segundo o estudo, milhões de anos de evolução determinaram que o braço com três articulações é a forma mais eficiente e simples de atingir este objetivo.

Clique aqui para ler este artigo na Animalivre