Primo de Chico Mendes descreve as plantas medicinais Brasília, DF

O seringueiro primo de Chico Mendes descreve os nomes e as funções de algumas plantas que possuem fins medicinais. Ele também conta curiosidades sobre plantas que servem para lavar panela e outras funções do cotidiano. Confira sua análise sobre a catuaba-mirim, a cipó-engana-patrão e outras.

Fuji sushi
(61) 3224-6255
SCS Q 7 BL A, Lj 64
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Haná Japanese Food
(61) 3242-7331
CLS 408 BL B, Lj 35
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Dragon King
(61) 3328-4030
SCN Q 5 BL A, Brasília Shopp Lj 223
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Aabb-associação Atlética Banco do Brasil
(61) 3223-0078
Sces Tr 2, s/n, lt 16
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Aero Clube de Brasília
(61) 3225-9811
Sgas 903, Lt 77
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Centro de Treinamento Esgrima Brasília
(61) 3242-5497
Sces Tr 1, s/n, lt 3
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Cafe Cancun
(61) 3327-1451
SCN Qd 2 BL D, s/n Lj 52; Liberty Mall
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Le Français Restaurant
(61) 3225-4583
CLS 404 BL B, Lj 27
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Brasília Clube de Xadrez
(61) 3274-5375
Scrn 706/707 Bl D, s/n, en 12, s 301
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Cantina Da Massa
(61) 3226-8374
CLS 302 BL A, Lj 4
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Primo de Chico Mendes descreve as plantas medicinais

Primo de Chico Mendes ensina utilidade de ervas da Amazônia. Seringueiro, ele diz que chegou a viver um ano sozinho na floresta.

A Amazônia abriga uma variedade incontável de plantas úteis para fins medicinais e cotidianos. O Globo Amazônia saiu para uma volta na floresta com Nilson Mendes, seringueiro e primo de Chico Mendes, que vive no Seringal Cachoeira, em Xapuri (AC), e conheceu alguns destes tesouros da floresta.

Andando pela trilha, a cada poucos minutos o experiente mateiro encontra alguma planta com utilidade para o ser humano. “Essa aqui serve para lavar panela”, diz, esfregando na mão uma grande folha áspera, que na região é conhecida como torém-de-lixa. “O pessoal usa quando não tem palha de aço”, explica.

Um pouco mais à frente pega uma pequena fruta verde, o tucumã, e a quebra com um aperto das mãos. Dentro, além de água para matar a sede, há um tipo de carne, como a do coco, que pode ser comida. “É por isso que os macacos adoram”, conta Nilson, que certa vez se meteu na mata e ficou um ano inteiro vivendo do que a floresta oferece. “Você pira nessa mata”, relembra a experiência.

Até plantas com aplicações engraçadas, como o cipó-engana-patrão, o seringueiro encontrou pelo caminho. Diz a lenda que funcionários de fazendas e seringais a usavam para poder justificar ao patrão uma ida à cidade e uma falta no trabalho. Suas folhas, quando mastigadas , soltam um líquido vermelho. O patrão não recusaria a um empregado que cospe sangue uma visita ao médico.

Também uma espécie de “viagra natural” existe na floresta amazônica. “Dizem que a catuaba-mirim tem essa função”, diz Nilson, com ar de quem nunca precisou. “Mas ela é boa mesmo para nevralgia e cãibra”. Para problemas circulatórios, ele recomenda ainda o cipó-de-fogo e, para contusões musculares, é só extrair a essência da raiz da cânfora, que se espalha rasteira pelo chão da floresta.

Uma outra planta, conhecida pelos acreanos como unha-de-gato, é muito boa, segundo Nilson, para as dores de coluna. Para males do sistema digestivo, as opções são diversas: folhas de castanheira ou de orelha-de-anta são apenas alguns dos exemplos. O picão-carrapicho, ensina o seringueiro, é a arma certa contra a hepatite.

Para as picadas de cobra, ameaça mortal para quem está no meio da floresta, a própria natureza providenciou um antídoto, segundo Nilson Mendes. Ele garante que a seiva do açaizeiro, quando ingerida, faz sobreviver até quem foi picado por cobra-coral ou surucucu. “Para sair daqui e ir tomar soro, demora muito. Com o açaí, não perdemos ninguém por picada de cobra”.

Dennis Barbosa Do Globo Amazônia, em Xapuri (AC)

Clique aqui para ler este artigo na Revista Ecoturismo