Primo de Chico Mendes descreve as plantas medicinais Brasília, DF

O seringueiro primo de Chico Mendes descreve os nomes e as funções de algumas plantas que possuem fins medicinais. Ele também conta curiosidades sobre plantas que servem para lavar panela e outras funções do cotidiano. Confira sua análise sobre a catuaba-mirim, a cipó-engana-patrão e outras.

Dragon King
(61) 3328-4030
SCN Q 5 BL A, Brasília Shopp Lj 223
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Centro de Treinamento Esgrima Brasília
(61) 3242-5497
Sces Tr 1, s/n, lt 3
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Cafe Cancun
(61) 3327-1451
SCN Qd 2 BL D, s/n Lj 52; Liberty Mall
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Haná Japanese Food
(61) 3242-7331
CLS 408 BL B, Lj 35
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Fuji sushi
(61) 3224-6255
SCS Q 7 BL A, Lj 64
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Brasília Clube de Xadrez
(61) 3274-5375
Scrn 706/707 Bl D, s/n, en 12, s 301
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Aero Clube de Brasília
(61) 3225-9811
Sgas 903, Lt 77
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Aabb-associação Atlética Banco do Brasil
(61) 3223-0078
Sces Tr 2, s/n, lt 16
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Cantina Da Massa
(61) 3226-8374
CLS 302 BL A, Lj 4
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Le Français Restaurant
(61) 3225-4583
CLS 404 BL B, Lj 27
Brasilia, DF

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Primo de Chico Mendes descreve as plantas medicinais

Primo de Chico Mendes ensina utilidade de ervas da Amazônia. Seringueiro, ele diz que chegou a viver um ano sozinho na floresta.

A Amazônia abriga uma variedade incontável de plantas úteis para fins medicinais e cotidianos. O Globo Amazônia saiu para uma volta na floresta com Nilson Mendes, seringueiro e primo de Chico Mendes, que vive no Seringal Cachoeira, em Xapuri (AC), e conheceu alguns destes tesouros da floresta.

Andando pela trilha, a cada poucos minutos o experiente mateiro encontra alguma planta com utilidade para o ser humano. “Essa aqui serve para lavar panela”, diz, esfregando na mão uma grande folha áspera, que na região é conhecida como torém-de-lixa. “O pessoal usa quando não tem palha de aço”, explica.

Um pouco mais à frente pega uma pequena fruta verde, o tucumã, e a quebra com um aperto das mãos. Dentro, além de água para matar a sede, há um tipo de carne, como a do coco, que pode ser comida. “É por isso que os macacos adoram”, conta Nilson, que certa vez se meteu na mata e ficou um ano inteiro vivendo do que a floresta oferece. “Você pira nessa mata”, relembra a experiência.

Até plantas com aplicações engraçadas, como o cipó-engana-patrão, o seringueiro encontrou pelo caminho. Diz a lenda que funcionários de fazendas e seringais a usavam para poder justificar ao patrão uma ida à cidade e uma falta no trabalho. Suas folhas, quando mastigadas , soltam um líquido vermelho. O patrão não recusaria a um empregado que cospe sangue uma visita ao médico.

Também uma espécie de “viagra natural” existe na floresta amazônica. “Dizem que a catuaba-mirim tem essa função”, diz Nilson, com ar de quem nunca precisou. “Mas ela é boa mesmo para nevralgia e cãibra”. Para problemas circulatórios, ele recomenda ainda o cipó-de-fogo e, para contusões musculares, é só extrair a essência da raiz da cânfora, que se espalha rasteira pelo chão da floresta.

Uma outra planta, conhecida pelos acreanos como unha-de-gato, é muito boa, segundo Nilson, para as dores de coluna. Para males do sistema digestivo, as opções são diversas: folhas de castanheira ou de orelha-de-anta são apenas alguns dos exemplos. O picão-carrapicho, ensina o seringueiro, é a arma certa contra a hepatite.

Para as picadas de cobra, ameaça mortal para quem está no meio da floresta, a própria natureza providenciou um antídoto, segundo Nilson Mendes. Ele garante que a seiva do açaizeiro, quando ingerida, faz sobreviver até quem foi picado por cobra-coral ou surucucu. “Para sair daqui e ir tomar soro, demora muito. Com o açaí, não perdemos ninguém por picada de cobra”.

Dennis Barbosa Do Globo Amazônia, em Xapuri (AC)

Clique aqui para ler este artigo na Revista Ecoturismo