Princípios Consagrados de Delegação Barbacena, Minas Gerais

Neste artigo aprofundaremos sobre os princípios fundamentais da delegação.O importante para a empresa é o resultado final. Portanto, o administrador deve procurar exigir dos seus subordinados os resultados esperados, muito mais do que os métodos que serão usados, desde que estes métodos sejam legais.

Amabile Madalena Rosignoli
(31) 3261-4143
av Brasil, 1831 sl 412, Funcionários
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
www,williamconsultoria.com.br
(31) 3043-7488
rua deputado claudio pinheiro lima 601 lj 14
belo horizonte, Minas Gerais
 
Amadeus Consultoria Ltda
(31) 3291-3647
av Olegário Maciel, 2345 sl 302, Cidade Jardim
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Tr Consultoria Empresarial Ltda-me
(34) 3228-3355
r Nicomedes Alves dos Santos, 1133, Altamira
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
RDG - Consutor Autonomo
(34) 9992-1336
Rua Sinfronio Faria 44
Uberlândia, Minas Gerais
 
Amaral & Faria Consultores e Auditores
(31) 3482-8256
r Geraldo Menezes Soares, 435 sl 2, Sagrada Família
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
BH Consultoria e Auditoria
(31) 3271-7093
r Guajajaras, 880 sl 1608, Centro
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
M.prado Consultoria Empresarial Ltda
(34) 3214-8484
r Nicomedes Alves dos Santos, 1133, Altamira
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Asset Ltda
(31) 3286-5266
r Sebastião Fabiano Dias, 210 s 1505, Belvedere
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Astec Assessoria e Consultoria em Segurança e Higiene do Trabalho S/C Ltda
(31) 3351-1317
r Norberto Mayer, 626, An 2 Sl 214, Eldorado
Contagem, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Princípios Consagrados de Delegação

Os princípios da delegação se apresentam com diferentes abordagens, que podem ser justificadas em função da cultura do país, e também da cultura organizacional. Para NEWMAN (1981), os princípios consagrados de delegação eficaz são:

1. Não se pode delegar responsabilidade

Não é difícil encontrar gerentes que acreditam que após delegar certas atribuições aos seus subordinados não tem mais nenhuma responsabilidade com o processo de execução. Considerando o problema por outro ângulo, o subordinado pode pensar que uma vez que o seu superior lhe passou as atribuições não tem mais nada a ver com o caso.

Essa maneira ilusória de pensar deixa embaralhados dois tipos distintos de delegação, isto é, a que o gerente delega ao supervisor e que o supervisor delega ao seu subordinado. Acontece que a subdelegação praticada pelo supervisor não isenta sua obrigação para com o gerente. O supervisor continua com a mesma autoridade, embora não seja ele quem vai executar as tarefas, ele continua sendo o responsável pelos resultados finais.

2. Evitar a dupla subordinação

Ninguém pode servir bem a dois senhores. Este princípio é perfeitamente reconhecido pelas empresas, cada subordinado deveria receber ordens de um único supervisor. Mas na prática, normalmente, isto não acontece e o subordinado termina recebendo ordens de mais de um superior. Isto deixa o indivíduo um tanto confuso, procurando atender aqueles que lhe dão ordens, mas sem saber exatamente quem é seu verdadeiro chefe.

3. Autoridade deve ser equivalente à responsabilidade

O princípio de que a "autoridade e a responsabilidade devem ser equivalentes" é muito bem reconhecido pelas empresas. Admite, de um lado, não ser justo responsabilizar uma pessoa pelos resultados de atividades que não pode orientar de acordo com seu próprio critério e reconhece, por outro lado, que quando se dá a alguém considerável liberdade de ação, implica em torna-lo responsável pelo emprego que der a essa permissão.

4. Princípios da delegação LOEN (1987)

O importante para a empresa é o resultado final. Portanto, o administrador deve procurar exigir dos seus subordinados os resultados esperados, muito mais do que os métodos que serão usados, desde que estes métodos sejam legais e não infrinjam a política da empresa.

É sempre importante que o administrador tenha um caminho a seguir, as diretrizes seguintes vão facilitar um desejável trabalho de delegação.

1. Execute seu plano de organização.

Após o desenvolvimento da estrutura da organização onde foi conceituada a forma de delegação em termos de deveres, responsabilidades e autoridade para cada posição, em seguida deverá fazer as atribuições e conseguir informações através do seu plano de organização. Isto é importante para que os componentes do grupo fiquem cientes das suas atribuições.

2. Evite tomar decisões rotineiras.

É muito comum o administrador tomar decisões rotineiras, mesmo dizendo que não vai tomá-las. Isto ocorre naturalmente porque, para o subordinado pode ser muito difícil o que para o administrador é simples demais. Porém isto não pode acontecer dessa forma o administrador poderá ficar sobrecarregado com problemas banais. É preciso que haja uma política de procedimentos definidos e seja informado ao seu pessoal de maneira que não fique nenhuma dúvida.

3. Obtenha sugestões de seus subordinados.

"O que você sugere?" Esta é uma pergunta que todo administrador deveria fazer, para melhor realizar um trabalho de delegação. Mas nem todos fazem esta pergunta talvez porque queiram se fazer necessário, ou porque queiram resolver todos os problemas e até mesmo porque queiram que os subordinados dependam sempre do seu apoio.

4. Faça com que seus subordinados participem de reuniões

Esta é a maneira mais adequada de projetar o seu substituto e proporcionar aos seus subordinados o seu relacionamento com o superior. Se você deseja promover os seus subordinados, procure envolve-los nas áreas de interesse do seu superior.

5. Evite delegar em excesso

Quando se trata de delegação não é bom partir para o tudo ou nada, é preciso tempo, treinamento e acompanhamento. Há sempre uma fase crítica, na qual o indivíduo precisa de apoio para se adaptar, e o acompanhamento pode evitar resultados indesejáveis.

Sobre o Autor
•PhD em Administração de Empresas pela Flórida Christian University (EUA)
•PhD em Psicologia Clínica pela Flórida Christian University (EUA)
•Psicanalista e Diretora de Assessoria Geral da Sociedade de Psicanálise Transcendental.
•Mestre em Administração de Empresas pela USP.
•Especialista em Estratégias de Marketing em Turismo e Hotelaria pela USP, MBA em Gestão de Pessoas e Especialista em Informática Gerencial.
•Psicanalista voluntária na Casa de Apoio à Criança Carente com Câncer e na Universidade da Terceira Idade.
•Professora da FGV do Rio de Janeiro e de mais 03 universidades.
•Empresária no ramo moveleiro
•Responsável e Membro do Conselho Editorial da Revista Empresa Familiar.
•Coordenadora do grupo de Excelência de Empresa Familiar do Conselho Regional de Administração de São Paulo - CRA.
•Diretora da DS Consultoria S/S Ltda, especializada em Empresas Familiares.
•Conciliadora, Mediadora e Árbitra Empresarial.
•Membro do Conselho Editorial e responsável pela Revista Empresa Familiar.
•Autora do livro O Perfil do Empreendedor e co-autora do livro Empresa Familiar: Conflitos e Soluções, juntamente com Domingos Ricca, Roberto Gonzalez e José Bernardo Enéas Oliveira.
•Vários artigos publicados na área de Administração, Tecnologia da Informação e Psicanálise em revistas especializadas.

Artigos.com