Propaganda Manaus, Amazonas

Propaganda é qualquer ação de negócio para promover um produto ou serviço. Esta é uma parte essencial na administração de qualquer negócio, grande ou pequeno. A propaganda tanto conquista novos consumidores para seu negócio, como mantém os clientes atuais, afirmando a qualidade dos produtos e serviços oferecidos pela sua empresa.

Lacouth
(92) 3681-8523
rua rio itapitanga
Manaus, Amazonas
 
Hicks Hansen Cons e Partic Ltda
(92) 236-1587
tv Nove, 16, qd 7, Flores
Manaus, Amazonas
 
Oana Publicidade
(92) 642-3822
r Principal, 1000, qd a 1, Armando Mendes
Manaus, Amazonas
 
ST Martins e Cia Ltda
(92) 646-3443
r um, 10, Armando Mendes
Manaus, Amazonas
 
Jordecy H Lirio
(92) 624-4122
r Prof C Mesquita, 268
Manaus, Amazonas
 
SOS RAZOES
(92) 8106-7001
RUA 27 qdr 173 cidade nova II
MANAUS, Amazonas
 
Cassiano C Anunciação
(92) 236-2429
bc Batista, 2010, Educandos
Manaus, Amazonas
 
JC Publicidade
(92) 233-7330
r Castelo Branco, 1002, Colônia Oliveira Machado
Manaus, Amazonas
 
Criart Publicidade e Promoções
(92) 622-7080
r Monsenhor Coutinho, 477, sl 3, Centro
Manaus, Amazonas
 
Jameri Propaganda
(929) 984-7255
r DR Almino, 30, a, Centro
Manaus, Amazonas
 

Propaganda

EM ARTIGO publicado neste espaço no dia 8 de junho, o ministro da Comunicação Social, jornalista Franklin Martins, afirmou que o governo Lula gasta “em torno de R$ 1 bilhão ao ano” com publicidade e que esse é o mesmo patamar de gasto do governo Fernando Henrique Cardoso.

Teria sido prudente o ministro se, antes de escrever, olhasse o site da secretaria que dirige -e que o desmente. Lá está: em 2009, a soma dos contratos do governo (administração direta e indireta) com agências de publicidade é de R$ 1.374.359.194,90.

E a lista não menciona contratos de publicidade de oito ministérios e muitos órgãos. Pelo menos três deles -Ministério das Cidades (R$ 120 milhões), Ministério da Previdência Social (R$ 26 milhões) e Secretaria Especial da Pesca (R$ 21 milhões)- têm contratos firmados.

O ministro tampouco considerou os aditivos -só o Ministério da Agricultura aditou R$ 10,3 milhões em 2009, revela o Siafi (Sistema Integrado de Administração Financeira). Ele ainda esqueceu de computar os generosos patrocínios culturais e esportivos que o governo Lula distribui, em grande parte, a apaniguados. São R$ 867,3 milhões em 2009, que, somados ao bolo publicitário, elevam a conta para R$ 2,4 bilhões -duas vezes e meia o “em torno de R$ 1 bilhão” alardeado pelo ministro.

Um estudo sobre a evolução da despesa com publicidade da administração direta no período 1996 a 2009, feito pela liderança do PSDB na Câmara com base no Siafi, mostra que o total executado, a preços corrigidos pelo INPC, entre 1996 e 2002 (governo Fernando Henrique Cardoso), foi de R$ 1.270,6 milhões, e, entre 2003 e 2009 (governo Lula), de R$ 2.173,1 milhões. Lula gastou 92,5% a mais.

Com sua compulsão por propaganda, Lula concentrou no Palácio do Planalto os recursos para publicidade institucional. Com isso, a rubrica deu saltos: R$ 188,2 milhões em 2003, R$ 289,5 milhões em 2004, R$ 331,4 milhões em 2005 e R$ 274,3 milhões em 2006. Caiu em 2006 porque a lei limita os gastos publicitários em anos eleitorais à média dos três anos anteriores. Mas, no primeiro semestre do ano eleitoral de 2006, Lula gastou R$ 476.774.103,89, 68% do que a lei permitia no ano todo. Exagero acidental? Os números são eloquentes e revelam que os gastos com publicidade do governo Fernando Henrique Cardoso foram muito menores do que os do governo Lula.

Computando apenas a administração direta, em média, o governo Lula gasta simplesmente o dobro do que gastou o governo Fernando Henrique, atestando a marca maior do seu chefe -a obsessiva compulsão pela propaganda, que é a essência de sua ação política.

O ministro Franklin Martins diz que 70% da publicidade do governo vem de empresas estatais que concorrem no mercado, sugerindo que elas têm foco comercial e não atuam para alavancar a ideologia oficial lulo-petista. Falso. Os Correios e a Petrobras não competem com ninguém.

Ademais, nunca na história deste país a publicidade oficial foi tão controlada pela Presidência. Ninguém aprova uma peça ou um plano de mídia de qualquer setor do governo sem a bênção do ministro Franklin.

O conceito ufanista da propaganda “comercial” das estatais é a chave para combiná-la com efeitos da propaganda oficial, seja de forma direta, seja com reprovável caráter subliminar. A campanha da Petrobras para festejar a suposta autonomia petrolífera, por exemplo, foi conjugada com a intensa “comemoração” do governo, otimizando a duplicidade oficialista. A campanha da Caixa para o programa Minha Casa, Minha Vida foi outro exemplo de “mídia casada”, ao usar slogans e chavões lulistas.

Por último, o governo Lula usa dois truques maliciosos. Em 2003, 499 veículos recebiam propaganda do governo. Em 2008, esse total foi para 5.297. Ao redirecionar a publicidade para milhares de pequenos jornais e rádios, Lula mirou na dependência publicitária de boa parte desses pequenos veículos para acertar na escravização dos espaços editoriais -pequenos veículos do interior remoto são mais suscetíveis à pressão política do poder federal do que a imprensa tradicional, que compunha a lista dos 499.

Outro truque foi maximizar as tiragens dos jornais, auditadas ou não, como “critério técnico” para justificar a distribuição de verbas publicitárias a veículos sindicais, como o “Jornal da CUT”. Escandalosamente partidarizados, esses “jornais” disputam publicidade com a imprensa independente de forma desigual. Não são imprensa livre, não buscam a pluralidade de fontes, exaltam uma só ideologia -o lulo-petismo-, não auditam suas tiragens e ainda são financiados pelo imposto que você, cidadão, recolhe com o seu suado trabalho.

José Aníbal

A Revista Ecoturismo defende a pluralidade das receitas de publicidades do governo Lula. Com isto, tem-se um país mais democrático, com uma mídia que não recebe tratamento diferencial apenas porque tem uma tiragem de 1 milhão de exemplares ou de 60 mil, como é o caso da Revista Ecoturismo. Como diz o Artigo 5 da Constituição Federal,”Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza [...]“.

A pluralização das receitas de mídia permite aos pequenos editores a oportunidade de desfrutar de um direito de toda imprensa e não apenas dos gigantes que é a publicidade do governo. E quanto ao comentário do Sr. Deputado Federal pelo PSDB, José Aíbal, de que com estas verbas a imprensa de pequeno porte se vende para o Governo Federal foi de extremo mal gosto. Deixando claro que a linha editorial de um veícuilo de respeito, como é o caso da imensa mairia das pequenas edições no Brasil não se vendem por dinheiro e honram as suas linhas editoriais acima de tudo.

Clique aqui para ler este artigo na Revista Ecoturismo