Saiba como superar crenças e suceder profissionalmente Cuiabá, Mato Grosso

Compreenda como as atitudes repetitivas impedem o desenvolvimento profissional. Fernando Oliveira explica a teoria da “Síndrome do espelho retrovisor”. Ele orienta como aumentar a confiança e aproveitar oportunidades.

Atitude Consultoria Empresarial
(65) 9901-5301
r Mal Mascarenhas Moraes, 472 Duque De Caxias Ii
Cuiaba, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Aptware Consultores De Empresas
(65) 3623-1568
av São Sebastião, 2255 Ap 603 Popular
Cuiaba, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Pr Consultoria E Projetos Ltda
(65) 3321-2838
r Bar Ão De Melgaço, 2350 S 303 Porto
Cuiaba, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Rural Ambiental - Consultores Em Gestão De Qualidade
(65) 3623-2109
av 15 De Novembro , 489 S13 Centro Sul
Cuiaba, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Grupo Valure Consultoria De Empresas
(65) 3318-2600
r Corumbá , 259 Baú
Cuiaba, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Consult Consultoria Projetos E Meio Ambiente
(65) 3623-5656
rOrquideas, 611 Jardim Cuiabá
Cuiaba, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Fleno Consultoria Em Gestão De Qualidade
(65) 3642-7142
av Miguel Sutil, 5552 S 25 Bosque Da Saúde
Cuiaba, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Engeflora Assessoria Consultoria E Planejamento Florestal
(65) 3644-8877
av Historiador rubens De Mendonça, 2000 S807
Cuiaba, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Atame Assessoria Consultoria E Planejamento
(65) 3321-9000
av Tenente Coronel Duarte, 897 Pi2 Bom Aquino
Cuiaba, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Astrans- Assessoria De Transportes
(65) 3623-4647
r Barão De Melgaco , 3330 S 202 Centro Norte
Cuiaba, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Saiba como superar crenças e suceder profissionalmente

Fornecido por: 

A síndrome do espelho retrovisor



Muitos de nós passamos por experiências que acabam deixando marcam em nossas vidas. Às vezes acontece de perdermos um ente querido, e a partir desse momento as coisas parecem perder a graça. Em alguns casos podemos até sentir que não vale mais a pena viver. Eu sei que não é fácil. Nossa mente insiste em repetir e repetir todas as cenas de algo que você quer esquecer. Sei também que é muito difícil viver no presente. É só pararmos um pouco e... Lá vem um pensamento.
Alguns especialistas dizem que nós passamos cerca de 75% do nosso tempo lembrando de coisas do passado, 20% imaginando o futuro, e apenas 5% no presente.


Não é raro encontrar pessoas saudosistas em relação ao passado, vivem falando dos áureos tempos em que estavam no auge, e não se cansam de repetir;


– Na minha época as coisas eram melhores!


– Na minha época as coisas eram mais fáceis!


– Na minha época não tinha tanta violência! E por aí vai.


Quero lembrar você de que a sua época, o seu tempo é agora. O que passou não tem mais volta e a melhor coisa a fazer é olhar para frente.


Na década de 60 o filósofo e escritor canadense Marshall McLuhan já antecipava esse tipo de atitude chamando isso de “A síndrome do espelho retrovisor”. O espelho retrovisor no carro serve para que você possa se orientar, ver se pode fazer uma mudança na trajetória, e com isso, evitar algum tipo de acidente. O que acontece, é que se você passa a maior parte do tempo olhando para o espelho retrovisor, é muito provável que, ao invés de se orientar, não consiga sair do lugar ou possa sofrer um acidente. Assim são as pessoas que insistem em viver no passado. Suas vidas literalmente param de funcionar, simplesmente porque elas se sentem incapazes de olhar para frente e viver a vida.


Pare agora o que estiver fazendo e sinta sua respiração...isso, muito bem, respire profundamente...agora expire, solte o ar e continue respirando. Quantas vezes você presta atenção em sua respiração? É provável que você responda que não presta atenção, simplesmente porque você está ocupado pensando naquilo que precisa fazer ou lembrando de um passado que não pode mudar. A melhor coisa para se manter no presente é através da respiração, preste atenção em sua respiração e com certeza você vai limpar sua mente dos problemas e preocupações

Clique aqui para ler este artigo em Fernando Oliveira