Tatuagem e piercing podem transmitir doenças Caucaia, Ceará

Antigamente tatuagem significava rebeldia, hoje, na maioria dos casos, ela é apenas uma opção de estilo. Os cuidados, porém, são os mesmos de antigamente. O risco de contrair doença sérias ou mesmo enfrentar contratempos é significativo. Saiba mais no artigo abaixo.

Luzinon de Souza Tomaz
3287-6444
Av Bezerra de Menezes 2085
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Jose Estrela Neto
Av Santos Dumont 1168
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Ageu Galdino Brasil Junior
3241-4444
R Atilano de Moura 530
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Antonio Agostinho Moura
3224-9820
Rua Pereira Filgueiras 1817
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Lucia Regina A Gois Penaforte
3264-5813
R Nunes Valente 2105
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Hermano Jose Sales Rocha
3246-1133
Av Antonio Sales 990
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Humberto Gomes Moreira Couto
3242-3411
R Republica do Libano 747
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Silvio Lemos
4005-9200
Av Santos Dumont 2122
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Marcos Augusto Melo Soares
3254-5354
R Joao Cordeiro 1508
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Jotabe Fortaleza de Araujo
3461-2277
R Coronel Linhares 950
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Cirurgia Plástica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Tatuagem e piercing podem transmitir doenças

Já se foi o tempo em que tatuagem significava uma filosofia de vida ou uma demonstração de rebeldia. Hoje, na maioria dos casos, ela é apenas uma opção de estilo: a pessoa adota uma tatuagem com escolhe corte de cabelo.

Os cuidados, porém, são os mesmos de antigamente. O risco de contrair doença sérias ou mesmo enfrentar contratempos é significativo.

"Ao fazer uma tatuagem, a pessoa deve ter certeza do que quer, porque removê-la depois é difícil", alerta o dermatologista Valter Claudino, do Hospital e Maternidade Beneficência Portuguesa de Santo André (ABC). "Além disso", ressalta o médico, "há o risco de se contrair doenças", como hepatite C e Aids.

Por isso, o primeiro passo é escolher um profissional sério, habilitado, que tenha o máximo cuidado com a higiene.

Quanto ao local do corpo, não há nenhuma região mais segura. A cicatrização em mucosas, em geral, é mais fácil e não deixa marcas. Mas o risco de infecções se mantém. Outra dica é escolher regiões do corpo onde haja bastante pele, para que não seja necessário um enxerto caso a pessoa decida retirar a tatuagem.

O tipo de tatuagem conta. Quanto menor e menos colorida, menor é o risco de infecção e mais fácil a remoção.

Um dos riscos é o de reação alérgica à tinta. Isso pode exigir tratamento contínuo. Também pode surgir uma quelóide --espécie de cicatrização irregular que deixa a tatuagem em alto relevo e precisa ser tratada. Para retirar a quelóide pode ser preciso até intervenção cirúrgica.

Remover a tatuagem é complicado. "A pele sempre vai ficar mais clara naquela região porque é removida a epiderme, camada da pele onde estão os melanócitos, que dão cor à pele", diz Claudino. A pele fica diferente mesmo com bronzeamento.

Os especialistas recomendam que os pais só permitam tatuagem quando os filhos tiverem mais de 18 anos. "É bom conversar para ver se a tatuagem não é uma forma de suprir a necessidade de auto-afirmação. Nesse caso, uma marca na pele não vai resolver", afirma Claudino.

O piercing é outro adereço cada vez mais comum, especialmente entre jovens, e exige os mesmos cuidados da tatuagem. Muita gente opta por usar essas peças na língua ou até mesmo nos genitais, o que torna a situação ainda mais arriscada, segundo Claudino.

"Quem usa piercing na língua, além de correr maior risco de infectar a boca, pode até fraturar um dente, pelo contato constante com a peça", afirma o médico.

Clique aqui para ler este artigo no Guia da Plastica