Tornando-se um Lider Empresarial Barbacena, Minas Gerais

Atualmente um líder empresarial necessita filtrar dados captados do mercado de negócios traduzi-los para o negócio da empresa.Estamos falando em criatividade e inovação, ler as entrelinhas, perceber tendências e ser pró-ativo, se antecipar às expectativas dos clientes e gerar diferencial competitivo.

Ápis Consultoria
(34) 9117-9553
Dr. Jaime Ribeiro da Luz,971 CDN - sala 15
Uberlândia, Minas Gerais
 
M.prado Consultoria Empresarial Ltda
(34) 3214-8484
r Nicomedes Alves dos Santos, 1133, Altamira
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Astec Assessoria e Consultoria em Segurança e Higiene do Trabalho S/C Ltda
(31) 3351-1317
r Norberto Mayer, 626, An 2 Sl 214, Eldorado
Contagem, Minas Gerais

Dados Divulgados por
fundaçao educacional profissionalizante e empresarial
(31) 9132-3951
av. albert scharle n 1139-Paciencia
sabara, Minas Gerais
 
Tavares & Gomes Assessoria e Consultoria Ltda
(31) 3357-1440
r Pequi, 215, A, Jd Laguna
Contagem, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Pro-dados Gestao e Processamento de Dados Ltda
(34) 3210-2040
av João Pinheiro, 1154, Sl 112, Aparecida
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Hidropura Gestao Ambiental Ltda
(34) 3231-4600
r Benjamim Alves Santos, 1878, Sl 2, Vl Saraiva
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Amabile Madalena Rosignoli
(31) 3261-4143
av Brasil, 1831 sl 412, Funcionários
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Bicalho Consultoria e Motivação
(31) 3335-7570
r S Paulo, 1631 9º and, Lourdes
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Elo Contabilidade e Assessoria Ltda
(31) 3351-0933
av José Faria da Rocha, 1876, Lj 6, Eldorado
Contagem, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Tornando-se um Lider Empresarial

Devido ao turbilhão de mudança cada vez mais rápidas no mundo, as organizações se vêem obrigadas a adequar sua estruturação interna ou se arriscam a perder competitividade. Flexibilidade, dinamismo, inovação e melhoria contínua, agora, mais do que nunca, fazem parte do vocabulário de qualquer executivo, adaptar a organização a este cenário é trabalho do líder, o líder do futuro.

Já contamos hoje com diversas literaturas e pesquisas apontando para esta realidade e enumerando diversas competências necessárias para se ter sucesso neste novo contexto. A capacidade do líder de perceber este cenário e sua participação dentro de um sistema maior é o que chamamos de visão holística, atributo essencial para compreender a imensa interdependência existente no mundo contemporâneo e sua influência na vida da organização.

Filtrar estes dados captados do cenário macro e traduzi-los para o negócio da empresa também se torna um ponto critico, falo de criatividade e inovação, ler as entrelinhas, perceber tendências e ser pró-ativo, se antecipar às expectativas dos clientes e gerar diferencial competitivo, é o que chamamos de "visão quântica" , ou seja, ver intencionalmente por outra perspectiva.

Tendo determinado o rumo a ser tomado chegamos na hora da ação, e aqui entra o que Jack Welch, executivo destaque em qualquer publicação de negócios e CEO da GE, chama de "edge", é fazer o que tem que ser feito, doa a quem doer, mas sempre com base no propósito e valores da organização. Segundo ele o líder deve ter boas idéias e valores, gerar energia e motivar a pessoas e ter a coragem necessária para fazer o que tem que ser feito, "É o que, para mim, distingue quem pode e quem não pode conduzir um negocio" afirma o executivo.

O líder do futuro, então, deve ser capaz de concretizar as intenções da organização e tornar a visão de futuro em ações no presente, gerando resultados satisfatórios e fazendo ajustes sempre que necessário. E é claro que sem a participação de todos isto será impossível, então nos deparamos com mais um grande desafio do líder do futuro, ele deve alinhar os colaboradores à visão de futuro da empresa e criar comprometimento. Entramos no processo de comunicação estratégica, que demanda empatia para se fazer entender e compreender as expectativas dos colaboradores, e de empowerment, que nada mais é do que ter humildade para dividir o poder e os créditos pelos bons resultados, ou seja, estruturar a hierarquia da organização de forma horizontal, caso contrario não haverá um comprometimento verdadeiro dos empregados e qualquer plano de ação, por melhor que seja, corre o risco de ser boicotado.

Neste ponto, vale destacar a importância da formação de equipes, um grupos de pessoas integradas que tornam o todo maior do que a soma das partes. Dessa forma as pessoas tem o sentimento real de que fazem parte da história da empresa e que sua contribuição com o grupo é reconhecida e estimulada. Para tanto a liderança deve estar preparada para servir, o líder deve atuar como facilitador ao identificar as motivações individuais canalizando-as em prol da equipe, através de planos de ação baseados nos objetivos estratégicos da empresa, mas organizados com a participação e compreensão de todos.

No entanto, é importante lembrar que a maioria das pessoas ainda está estruturada para viver e trabalhar como no século XX, a adaptação a este novo cenário as força a deixar sua zona de conforto e encarar mudanças para um novo formato desconhecido, surge então uma resistência ferrenha e natural a qualquer tentativa neste sentido. Percebemos esta característica até mesmo em grandes corporações, são poucas as que compreenderam que o grande diferencial competitivo de hoje é o capital humano e intelectual, e ainda insistem em manter estruturas que apresentam diversas disfunções burocráticas e que em nada ajudam a fomentar um ambiente propicio à inovação e criatividade e ao desenvolvimento e retenção de talentos. Portanto o grande desafio do líder do futuro é estabelecer uma cultura de desenvolvimento continuo, tanto da organização quanto dos colaboradores, ele deverá agir como tutor do caminho a seguir, aplicar uma gestão pela qualidade total nas pessoas, não através da imposição, mas pela busca do entendimento e comprometimento de todos, da alta direção ao chão de fábrica.

Vale lembrar que o líder do futuro também deve preparar a organização para receber a "geração Y", uma força de trabalho que cresceu usando a Internet e que busca um trabalho que a satisfaça não só financeiramente, mas também pessoalmente e profissionalmente.

Vemos então que o importante é integrar, assim como disse Kevin Roberts, CEO da Saatchi & Saatchi que esta entre as lideres mundias de criatividade e inovação, "O executivo de marketing precisará se transformar num conector". Assim será o líder do futuro, alguém que liga o cliente à empresa e esta aos colaboradores.

Fernando Bertol

Sobre o Autor
Fernando Bertol

Artigos.com