Tratamento da bursite Cuiabá, Mato Grosso

Cuide da síndrome do ombro congelado. Identifique os sintomas da bursite. O ortopedista Vicente Macedo comenta as causas da doença e ensina a prevenir o problema.

Antonio Augusto de Carvalho
(65) 3322-3796
Rua General Valle 111
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Medicina Física e Reabilitação

Dados Divulgados por
Ronaldo Brandao Molina
Rua Antonio Maria 488
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Medicina Física e Reabilitação

Dados Divulgados por
Antonio Augusto de Carvalho
(65) 3322-3796
Rua General Valle 111
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Medicina Física e Reabilitação

Dados Divulgados por
Evelin Voos Ramos
(66) 3421-9347
Rua Rua Pedro Ferrer 651 - Quadra do Atacadao
Rondonopolis, Mato Grosso
Especialidade
Medicina Física e Reabilitação

Dados Divulgados por
Nutec Rondonópolis
Rua Acyr Resende Souza e Silva 100
Rondonopolis, Mato Grosso
Especialidade
Medicina Física e Reabilitação

Dados Divulgados por
Rosely Pizarro Cortizo Reiners Carvalho
(65) 3324-2445
R Barao de Melgaco 2403
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Medicina Física e Reabilitação

Dados Divulgados por
Rosely Pizarro Cortizo Reiners Carvalho
(65) 3324-2445
R Barao de Melgaco 2403
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Medicina Física e Reabilitação

Dados Divulgados por
Ronaldo Brandao Molina
Rua Antonio Maria 488
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Medicina Física e Reabilitação

Dados Divulgados por
Elen Cristiane Braga
Joao Ponce de Arruda 1601
Rondonopolis, Mato Grosso
Especialidade
Medicina Física e Reabilitação

Dados Divulgados por
Nayara Alves Galvão Dias
Rua Joao Pessoa 557
Rondonopolis, Mato Grosso
Especialidade
Medicina Física e Reabilitação

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Tratamento da bursite

Fornecido por: 

setembro 12, 2009 | admin  
Categoria: Saúde | Bem Estar

Deixe um Comentário

sindrome-ombro-bursite-200No começo pode ser uma dificuldade de alcançar objetos no alto de uma prateleira ou até na hora de se vestir. Pouca gente nota rapidamente, mas esses são os primeiros sinais da síndrome do “ombro congelado”, mais conhecida como frozen sholder. Segundo o médico ortopedista Vicente Carlos Franco Macedo, “a síndrome está associada a dores no ombro e pescoço e até mesmo na coluna e para o paciente com a síndrome é como se o ombro estivesse realmente congelado, assim, impossibilitando movimentos amplos ou curtos no dia-a-dia”.

Esta enfermidade começa com uma inflamação do ombro,ou seja, uma bursite .À medida que a doença avança o ombro diminui os movimentos, pois a cápsula da articulação diminui de tamanho (capsulite) apertando o osso nela contido.Após um período variável de seis meses a um ano a doença melhora e acontece o descongelamento do ombro. A chave do tratamento consiste em tentar ganhar movimentos nas 2 fases iniciais para não deixar seqüela.

Pessoas mais afetadas pela síndrome

Quem tem diabetes, disfunções na tireóide, até mesmo que apresente níveis altos de triglicérides, deve ficar atento quanto à síndrome. Praticantes de esportes que forçam muito os ombros, como vôlei e tênis, também tendem a sofrer com a doença, mas estudos comprovam que o grupo mais afetado pela síndrome do “ombro congelado”, associada a quedas e mau jeito, são mulheres entre 40 e 50 anos.

O tratamento

O diagnóstico precoce continua sendo a melhor forma de tratamento da doença. Afinal, aquando não diagnosticada e não tratada ela pode restringir movimentos por cerca de seis meses, no mínimo. “A síndrome do “ombro congelado” não dura para sempre, além de medicamentos injetáveis a fisioterapia é indicada na maioria dos casos”, explica o médico.

Para o tratamento da síndrome, um bom profissional deverá prescrever exercícios específicos, assim, fortalecendo os músculos e dissolvendo a tensão causada pela dor. Em alguns casos mais graves pode haver indicação de tratamento cirúrgico. “No geral, os pacientes que seguem o tratamento corretamente, aos poucos retomam a confiança dos movimentos e voltam à prática de suas rotinas habituais”, conclui o médico.

Outras informações:
Lead Comunicação – Assessoria de imprensa Santa Genoveva Complexo Hospitalar
Jornalistas: Janaína Depiné – Rosiane Magalhães – Flávia Reis – Gabrielle Andrade
31 3586-3793 (Belo Horizonte)- 34 3229 4619 (Uberlândia)
e-mail: lead@leadcomunicacao.com.br / www.leadcomunicacao.com.br

Clique aqui para ler este artigo na Vida, Saúde e Beleza