Produtos não-transgênicos Fortaleza, Ceará

Para atender exigências do mercado, algumas das maiores indústrias de alimentos e redes varejistas que atuam no Brasil já adotaram uma política de não utilização de transgênicos. Essa é a principal conclusão do "Relatório Brasileiro de Mercado: a Indústria de Alimentos e os Transgênicos", lançado recentemente. Veja mais no artigo abaixo.

Palestrante André Morrevi
(85) 8701-9080
Rua Otoni Façanha de Sá 09
Fortaleza, Ceará
 
Escola Integrada 2 de Maio
(85) 295-5350
vl Saudade, Pici
Fortaleza, Ceará
 
Escola de 1 Grau Maria Thomasia
(85) 495-2670
r Polônia, 369, Maraponga
Fortaleza, Ceará
 
Centro Integrado Educação Saúde Dom Antônio de Almeida Lustosa
(85) 497-2247
r Amelia Alves Bezerra, 877
Fortaleza, Ceará
 
Grupo Escolar Joaquim Moreira Souza
(85) 225-0748
r Caio Prado, 2, Parangaba
Fortaleza, Ceará
 
Easy Way Intercâmbios
(85) 9608-4689
Av. Santos Dumont, 3060 Sala 515
Fortaleza, Ceará
 
Escola de 1 Grau Santa Tereza
(85) 286-2115
r Dom Helio Campos, 90, Jacarecanga
Fortaleza, Ceará
 
Colégio Jacinto Botelho
(85) 296-2344
r Doutor Rodrigo Codes Sandoval, Mondubim
Fortaleza, Ceará
 
Escola de 1 Grau General Eudoro Correia
(85) 225-4622
tv Julio Braga, 101, Parangaba
Fortaleza, Ceará
 
Escola de 1 Grau Clovis Bevilaqua
(85) 231-9804
r Dom Manuel, 511, Passare
Fortaleza, Ceará
 

Produtos não-transgênicos

Publicidade Para atender exigências do mercado, algumas das maiores indústrias de alimentos e redes varejistas que atuam no Brasil já adotaram uma política de não utilização de transgênicos. Essa é a principal conclusão do "Relatório Brasileiro de Mercado: a Indústria de Alimentos e os Transgênicos", lançado recentemente, pelo Greenpeace no auditório da Apimec (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais), em São Paulo. O estudo comprova que essa política traz resultados lucrativos, sem implicar em dificuldades técnicas insuperáveis.

O documento, produzido por um jornalista independente e com prefácio do Instituto Ethos, conta a experiência de 13 grandes empresas de alimentos que adotaram uma política de não utilizar organismos geneticamente modificados em seus produtos. O estudo se baseia no depoimento de dez fabricantes de alimentos (Batavo, Brejeiro, Caramuru, Ferrero, Imcopa, Josapar, Perdigão, Sadia, Sakura e Unilever) e três redes varejistas (Carrefour, Pão de Açúcar e Sonae). Juntas, têm um faturamento anual de mais de R$ 54,7 bilhões (levando-se em conta apenas as que divulgaram seus dados financeiros).

Apesar da aprovação da Lei de Biossegurança ter aberto caminho para a expansão da soja transgênica no Brasil, muitas companhias perceberam que a produção e a comercialização de produtos sem organismos geneticamente modificados poderia ser uma alternativa vantajosa, inclusive no mercado externo.

É o caso da Caramuru Alimentos, a maior processadora de grãos de capital nacional do Brasil, que investe, desde 2000, na produção e exportação de derivados de soja não transgênicos (óleo, farelo e lecitina) para o mercado europeu. A empresa também produz o primeiro e único óleo de soja comprovadamente não-transgênico do mercado brasileiro.

\"Identificamos uma crescente demanda por produtos não-transgênicos e adequamos nossa estrutura de produção para atender esse novo e mais exigente mercado\", diz César Borges de Souza, vice-presidente da Caramuru Alimentos.

O exemplo da indústria de derivados de soja Imcopa é emblemático de como a opção por produtos livres de organismos geneticamente modificados pode transformar completamente, e para melhor, um negócio. Em 1998, a empresa optou por trabalhar apenas com o grão convencional e, em apenas sete anos, seu volume de soja processada aumentou oito vezes.

"O principal benefício dessa política não-transgênica para a Imcopa é sua atuação em nichos de mercado com amplo reconhecimento por parte de seus clientes, notadamente aqueles localizados na Europa e na Ásia", afirma Luiz Antonio Regi, gerente do departamento de qualidade da empresa.

O relatório mostra também que, apesar de ser difícil mensurar o retorno de marketing ou imagem decorrente da adoção dessa prática, nenhuma das empresas consultadas quis ter seu nome associado aos produtos transgênicos e todas temem a rejeição dos consumidores. "As indústrias e redes varejistas que adotam a política de não usar transgênicos estão atentas à vontade do brasileiro", diz Gabriela Vuolo, da campanha de engenharia genética do Greenpeace.

"Pode ser difícil para algumas companhias calcular esse retorno em valor monetário, mas elas sabem que, se optassem por usar transgênicos, correriam o risco de perder clientes", avalia. Desde 2002, quando o Greenpeace encomendou a primeira pesquisa sobre a opinião dos consumidores brasileiros a respeito dos produtos geneticamente modificados, o índice de rejeição aos transgênicos é superior a 70%, tendo variado um ou dois pontos ao longo dos anos.

Fonte: Agência Estadual de Notícias

Clique aqui para ler este artigo na Portal Agricultura