Sucos naturais Rio Branco, Acre

"Com melhores processos de beneficiamento da castanha de caju" A produção da castanha de caju, que sempre foi tradição e fonte de renda para mais de 100 famílias, está abandonando as antigas práticas de fundo de quintal para ganhar espaço e valor nas prateleiras. Leia mais no artigo abaixo.

Sociedade Educativa Acreana Ltda
(68) 3026-1717
av Getúlio Vargas, 1268, An 2 Sl 202, Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Instituto de Ensino Superior do Acre
(68) 3244-1282
tr Ponta Pora, 100, Capoeira
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
A F Carneiro
(68) 3224-1946
r Bartolomeu Bueno, 163, Cs, Bosque
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Faculdade Barão do Rio Branco
(68) 3213-7070
rdv BR-364, 2000, Km 2, Dis Industrial
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
R. L. P. dos Santos - Me
(68) 3221-2301
r Deodoro,Mal, 236, 2 An, Centro
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Faculdade da Amazônia Ocidental
(68) 2106-8200
etr Dias Martins, 894, Ch Ipê
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
M. S. Pre-vestibular Ltda
(68) 3224-0726
r Venezuela, 658, Cerâmica
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
(68) 3223-3678
av Epaminondas Jacome, 1260, Base
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
SESI - Serviço Social da Indústria - AC
(68) 3212-4200
av Nações Unidas, 3727, Estação Experimental
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
UFAC
(68) 3901-2571
rdv BR-364, 4000, Km 4, Dis Industrial
Rio Branco, Acre

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Sucos naturais

Publicidade "Com melhores processos de beneficiamento da castanha de caju, renda das famílias do município de Jacaraú (PB) dobrou"

Jacaraú - No município de Jacaraú (PB), a 84 quilômetros de João Pessoa, a produção da castanha de caju, que sempre foi tradição e fonte de renda para mais de 100 famílias, está abandonando as antigas práticas de fundo de quintal para ganhar espaço e valor nas prateleiras de padarias, supermercados e lojas de produtos turísticos.

Em Lagoa de Dentro, a 'Castanha de Caju Jacaruense', como foi batizada, já conquistou espaço adequado para o processo de beneficiamento, embalagens apropriadas, rótulos com data de validade, venda fracionada e, principalmente, preço justo em mercados como de João Pessoa, Campina Grande, Guarabira e até no Rio Grande do Norte. A pequena comunidade do município de Jacaraú tem cerca de 70 famílias trabalhando há anos na atividade.

Aumentando seu poder de aceitação no mercado, os produtores da comunidade comemoram o crescimento da produção. Atualmente, são cerca de 12 mil quilos por mês, o que significa uma renda média mensal em torno de dois salários mínimos por família.

Segundo o consultor do Sebrae na Paraíba, Diógenes Vasconcelos, as boas perspectivas começaram a surgir há cerca de quatro anos, quando a instituição selecionou um grupo de produtores para participar de um treinamento. O objetivo era despertar a capacidade empreendedora do grupo para maior qualificação da produção e, conseqüentemente, agregação de valor ao produto.

"Assadas de maneira primitiva e sob palhoças precárias armadas nos quintais das casas, a castanha era vendida em sacas de 30, 50 e 100 quilos, por um preço irrisório, variando de R$ 10 a R$ 11 o quilo, e que, geralmente, era imposto pelo comprador", explica o consultor do Sebrae. "Uma parte do grupo acreditou na proposta e organizando-se na Associação dos Moradores de Lagoa de Dentro e Pirari (sítio vizinho), decidiu por o projeto à frente", conta.

Contando também com o apoio Prefeitura Municipal de Jacaraú, foram desenvolvidas diversas capacitações para melhores práticas de beneficiamento, manuseio de embalagens e equipamentos, comercialização, noções de marketing, rótulo e cálculo de preço. Através do Projeto Cooperar, foi viabilizada ainda a aquisição de uma estufa e demais equipamentos necessários para maior higiene no processo de beneficiamento e fracionamento do produto.

"A gente descobriu uma nova forma de beneficiar e comercializar nosso produto. Agora a castanha passa por um processo de seleção, é levada à estufa e depois é fracionada em embalagens de 50, 100, 250 e 500 gramas. A procura aumentou, a castanha ganhou espaço em mercados mais seletivos, como lojas de produtos naturais, de produtos turísticos, feiras e eventos. Nosso rendimento praticamente dobrou", revela Paulo Gilson, presidente da Associação.

Conquista

A mais recente conquista dos produtores é a construção de nove mini-galpões que estão funcionando como unidades de produção familiar, oferecendo melhores condições de trabalho com higiene e conforto. O benefício foi obtido através da Emater/BNB, com recursos do Pronaf Agroindústria.

Segundo José Nicácio Moura, presidente do Consórcio de Segurança Alimentar e Desenvolvimento Local Sustentável do Litoral Norte da Paraíba (Consad), já está prevista a construção de uma grande unidade de envasamento, ocupando uma área de 700 metros quadrados, onde todos os produtores da região terão espaço mais amplo, equipamentos mais modernos para embalagem e estufa com maior capacidade de atender a produção.

O terreno já foi doado por um produtor da região e o projeto será viabilizado com recursos do Ministério do Desenvolvimento Agrário e Prefeitura de Jacaraú. "A expectativa é criar uma cooperativa da agricultura familiar atendendo toda produção da castanha em Jacaraú", afirma Nicácio.

Fonte: ASN - por Kamille Carneiro

Clique aqui para ler este artigo na Portal Agricultura